Operações em Paranaguá são prejudicadas pela falta de trabalhadores - Mirian Gasparin
You are here
Home > Sem categoria > Operações em Paranaguá são prejudicadas pela falta de trabalhadores

Operações em Paranaguá são prejudicadas pela falta de trabalhadores

Há cerca de 20 dias, em virtude da grande quantidade de ações judiciais, o á“rgão Gestor de Mão de Obra Portuária (Ogmo) do Porto de Paranaguá instalou a chamada trava na dobra da escala eletrônica, mecanismo que impede que Trabalhadores Portuários Avulsos (TPAs) dobrem a jornada de trabalho e descumpram a lei, que determina intervalos de descanso de 11 horas entre um turno e outro de trabalho. Apesar de existirem trabalhadores portuários avulsos suficientes para atender a demanda do Porto – cerca de 2.600 divididos em seis categorias sindicais – está faltando gente para trabalhar. O resultado é atraso nas operações. Os navios mais prejudicados são os de açúcar e fertilizantes. De acordo com o departamento de operações da Appa, há navios que estão levando o dobro do tempo para operar, contribuindo para aumentar ainda mais a quantidade de navios ao largo.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Operadores Portuários (Sindop), Edson Cezar Aguiar, a medida foi tomada em função de uma avalanche de ações trabalhistas. Já temos um passivo de R$ 200 milhões em ações de TPAs que estão requerendo na justiça o pagamento de horas extras toda vez que extrapolavam o turno de seis horas de trabalho”, explica Aguiar. Para o diretor executivo do Ogmo, Hemerson Costa, a situação é delicada. Com a implantação da escala eletrônica em 2006, quando o intervalo de 11 horas passou a ser rigorosamente observado, salvo quando ocorresse a excepcionalidade da falta de mão de obra, houve uma quantidade enorme de ações movidas contra o Ogmo buscando o pagamento de horas extras a partir da 6ª diária e quando houvesse violação do intervalo de 11 horas, ações estas acolhidas pelo Judiciário. Com isto, o sistema não agá¼enta mais esta avalanche de ações e a trava teve que ser implementada”, explica.

De acordo com Costa, o Ogmo recebe diariamente 150 novas ações trabalhistas requerendo o pagamento de horas extras. Em 2009, Ogmo e Sindop fizeram um acordo no valor de R$ 15 milhões e este ano, já foi assinado outro, no valor de R$ 30 milhões. No entanto, as ações não param de se acumular. Para o Ogmo, um dos principais agravantes da situação é que uma parte dos TPAs que trabalham em Paranaguá exerce outras atividades, tem outros empregos. Com isso, escolhe quando e como quer trabalhar. A prova disso é que nos ternos noturnos e nos finais de semana, o registro de ausências é bem menor. O problema fica intensificado durante a semana”, afirma.

Enquanto o impasse não se resolve, a produtividade de alguns navios em Paranaguá se vê prejudicada. Com falta de trabalhadores, a autoridade portuária não pode cobrar dos operadores as taxas de produtividade. Ao mesmo tempo, navios não param de chegar á  baía de Paranaguá. Nesta segunda-feira (20), 109 navios aguardavam para atracar nos portos paranaenses.

Deixe uma resposta

Top