You are here
Home > Sem categoria > Nova Lei anticorrupção, compliance e seus impactos práticos nos negócios são temas de evento do World Trade Center Curitiba

Nova Lei anticorrupção, compliance e seus impactos práticos nos negócios são temas de evento do World Trade Center Curitiba

A corrupção é um tema recorrente na sociedade brasileira. Está presente tanto no âmbito governamental como também no corporativo. Para discutir o assunto, o World Trade Center Curitiba (WTC) realiza nesta terça-feira (18) um evento na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) sobre Compliance e a nova Lei anticorrupção.
Termo comum no universo empresarial e originário no verbo em inglês to comply, Compliance significa agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido. Em outras palavras, é estar em conformidade com leis e regulamentos, tanto externos como internos. Hoje, grandes corporações dispõem de profissionais para atuar exclusivamente nessa área.

Foram convidados para debater o assunto o diretor jurídico da Sherwin Williams para a América Latina, Fernando Lodi, e o diretor jurídico e compliance da Neodent, Jafte Carneiro. Na pauta de discussões, estão a nova Lei anticorrupção: seus impactos, reflexos e risco nos negócios; o envolvimento e comprometimento da gestão nos programas de integridade; os prós e contras na adesão do Compliance e os resultados obtidos, e o papel estratégico dos heads jurídicos nas mais recentes demandas e desafios.

Em vigor desde janeiro de 2014 e regulamentada em março deste ano pela presidente Dilma Rousseff, a nova Lei anticorrupção prevê a responsabilidade objetiva de empresas que cometem atos lesivos contra a administração pública nacional ou estrangeira, como pagamento de propinas para autoridades governamentais, a fim de ganhar negócios. Além das punições em nível de Brasil, a nova Lei também amplia as penas nas situações em que a prática for cometida no exterior. Segundo o diretor de Promoção da Integridade em Acordos de Cooperação Internacional da CGU, Hamilton Fernando Cota Cruz, a Lei não tem o objetivo de responsabilizar o indivíduo, mas sim a empresa, que poderá pagar multas de até 20% de seu faturamento bruto anual ou três vezes o valor da vantagem pretendida ou auferida.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top