You are here
Home > Sem categoria > Em meio à crise política, empresas paralisam projetos e cancelam importações

Em meio à crise política, empresas paralisam projetos e cancelam importações

Claudio Lubascher, presidente do IBEF-Paraná.

A crise política do Governo Temer gerada pela delação do Grupo JBS mudou a rotina dos executivos financeiros das empresas, que desde ontem passaram a frequentar as salas de reuniões para discutir a tomada de decisões do que deve ser feito em meio a este momento tão delicado.

Eu conversei na manhã desta sexta-feira (19) com o presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Paraná (IBEF-PR), Claudio Lubascher, e ele me disse que como estamos no olho do furacão, as empresas de forma geral não devem tomar qualquer decisão estratégica. Os projetos que estavam em andamento em função da ligeira reação que a economia vinha apresentando nos últimos três meses, estão sendo paralisados e não devem ser retomados no curto e médio prazos. Outra decisão dos executivos financeiros, em meio a disparada dos preços do dólar é cancelar as operações de importação, pelo menos neste momento, até que se tenha uma visão mais clara do que deve acontecer.

Eu perguntei ao presidente do IBEF do Paraná sobre o que as empresas devem fazer, neste momento, com as aplicações financeiras, e ele me explicou que não é hora de trocar posições. No caso específico das aplicações em bolsa de valores, apesar das perdas expressivas registradas no pregão de ontem, elas devem ser mantidas, porque em caso de venda, o prejuízo será ainda maior.

De acordo com Claudio Lubacher, o momento é crítico, mas os empresários não podem ser movidos pelas emoções. Ele destaca que se o País já vinha sofrendo com a crise de credibilidade política, a partir de agora a situação se agrava ainda mais, uma vez que os investidores, principalmente os internacionais, continuarão afastados.

O presidente do IBEF do Paraná alerta que qualquer decisão que as empresas deverão tomar daqui para frente dependerá das condições de governabilidade do País. Em caso de impeachment ou renúncia do presidente Temer, as consequências serão nefastas, na avaliação do executivo financeiro, principalmente porque os investidores se afastarão e as reformas que vinham sendo votadas serão deixadas de lado.

Eu perguntei ao presidente do IBEF do Paraná como ficará daqui para frente a questão da empregabilidade no País e ele me disse que novas demissões não devem ocorrer no curto prazo, mas em caso de renúncia ou impeachment de Temer, tudo dependerá da equipe econômica que assumirá o governo e do andamento das reformas trabalhista e previdenciária.

No mercado de varejo, os executivos do setor acreditam que o aumento das incertezas tende a afugentar os consumidores, que certamente vão comprar menos nas próximas semanas. Por isso, a ordem do dia é dedicação total e melhor atendimento nas lojas.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top