Os seis passos para lidar com as crises de forma eficaz

Ricardo Resstel.

Se você liderar uma organização por algum período de tempo, não há escapatória: você vai lidar com as crises. A definição mais prática de crise é quando nós olhamos uma situação e simplesmente não podemos dizer: vamos deixar isso pra lá. Sua equipe não vai esquecer, você não vai esquecer, simplesmente não é possível passar batido por ela. Quando isso acontece, você está em uma crise e, como líder, precisa fazer algo a respeito.

Alguns líderes demoram a identificar quando esse momento chega e muitas vezes relutam em aceitar o fato de que ele é parte do problema. Quanto mais tempo você demorar para admitir seus erros, pedir desculpas e enfrentar os problemas de frente, mais complexa será a crise que terá que lidar. E permita-me ser bem transparente com você, se crises estão sempre acontecendo ao seu redor, você é o problema.

A boa notícia é que é no momento de crise que o líder tem a maior oportunidade de se destacar e mostrar a que veio. É nesse momento que a equipe mais precisa do líder para desenvolvê-la. Pense bem, se a equipe já estivesse totalmente pronta ou se não existisse crise, o líder não seria necessário.

Existem basicamente três tipos de líderes no tocante a crises. Aqueles que percebem sua chegada com bastante antecedência e conseguem lidar com ela antes que, de fato, se instale. Um segundo grupo que não percebe sua chegada, mas assim que ela aparece consegue lidar de forma eficaz; e há um terceiro grupo que é acertado em cheio e posto de joelhos e não sabe sequer de onde veio o golpe. Meu objetivo é evitar que você caia no terceiro grupo.

Alguns passos são fundamentais para lidar com a crise de forma eficaz. Ao colocá-los em prática, você não somente sairá mais rápido da crise, como sairá mais forte.

1 – Descubra e defina o verdadeiro problema.
Conforme citado pelo especialista em liderança Max Dupree, “A primeira responsabilidade de um líder é definir a realidade”. Muitas vezes líderes se pegam apagando incêndio e lidando apenas com as consequências da crise. Enquanto você não identificar o que está causando o fogo de forma clara e objetiva, não poderá de fato extingui-lo. Nesse processo, é recomendável buscar ajuda de líderes mais experientes. Você não é o único a passar por esse problema, alguém provavelmente já passou e sobreviveu a ele. Quando você busca a opinião de sua equipe e de líderes mais experientes, isso amplia sua gama de ferramentas e então pode lidar com a situação de forma mais adequada. Como disse Abraham Maslow, “Se a única ferramenta que você possui é um martelo, você tenderá a ver todo problema como um prego.”.

2 – Seja rápido em agir.
Uma vez identificado o problema, velocidade se torna essencial. Imagine por um momento uma aeronave em emergência. A velocidade dos pilotos em tomar as devidas providências assim que identificam o problema será o fator decisivo entre a morte e sobrevivência de todas as pessoas a bordo.

3 – Ofereça segurança por meio de sua confiança e presença
Líderes não lidam com a crise por detrás de suas mesas ou trancados em seus escritórios. Eles entram em campo à frente de seu time. Para transmitir a confiança necessária para que sua equipe permaneça com o moral elevado, coloque sempre em prática os três pontos fundamentais: 1 -Saiba o que você está fazendo, se sua equipe perceber que você está desorientado o pânico se instalará. 2 -Tenha um plano, isso manterá a equipe produtiva e na direção correta para fora de crise. 3 -Permaneça calmo, dessa forma você manterá os ânimos sob controle e a confiança elevada.

4 – Simplifique os problemas
É fundamental desatar os nós e tornar as coisas mais claras e fáceis de entender. Para simplificar, elimine as reações emocionais do processo, principalmente as suas. Tratar uma crise com emoção é como tentar apagar um incêndio com gasolina. Coloque o problema no papel e depois reescreva de forma simplificada. Essa prática geralmente elimina o “sobre” da sobrecarga.

5 – Identifique e apoie os influenciadores
Para colocar esse passo em prática, faça as seguintes perguntas:
• Quem são as pessoas de maior influência? Lembre-se quando líderes falam, as pessoas escutam. Você precisa saber quem são os líderes de sua organização.
• O que essas pessoas pensam a respeito da crise?
• Algum desses líderes é parte da crise?
Peça ajuda para essas pessoas. Seu objetivo aqui é ter a maior parte dos influenciadores do lado certo da crise.

6 – Decida dar um passo de cada vez
Apesar da velocidade ser fundamental no processo de resolução da crise, dar um passo de cada vez é também um quesito indispensável. Você não quer se atropelar no processo e acabar gerando novas crises por afobação. Por esse motivo sempre coloque o primeiro passo em prática, avalie os resultados, faça os ajustes e somente então dê o próximo passo. Dessa forma você terá um resultado mais consistente e com maior possibilidade de sucesso.

Crises são inevitáveis. Se você é um líder, você terá que conduzir sua equipe por várias delas ao longo de sua jornada. Ao fazê-lo, coloque esses passos em prática e suas chances de sucesso aumentarão, mas acima de tudo, nunca se esqueça de sua integridade no processo. Assim como ao espremer uma laranja se obtêm o suco, ao se espremer um líder, o que há dentro dele vem para fora. A crise não forma as pessoas, apenas às revela.

O artigo foi escrito por Ricardo Resstel, que é Coach e palestrante com mais de 15 anos de experiência em desenvolvimento de equipes, especialista em liderança e membro licenciado do John Maxwell Team – a mais relevante equipe de formação de líderes do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *