You are here
Home > Sem categoria > Empresas suecas pretendem ampliar presença no Brasil

Empresas suecas pretendem ampliar presença no Brasil

Jonas Lindström, diretor executivo da Swedcham.

As empresas suecas estudam ampliar as suas atividades no Brasil nos próximos três anos e mostram otimismo com as perspectivas de retomada da economia. Pesquisa realizada pela Câmara de Comércio Sueco-Brasileira (Swedcham Brasil) com o apoio da S/A Llorente & Cuenca Consultoria de Comunicação mostra que dois terços das companhias têm planos de investimento que preveem crescimento para a sua operação no médio prazo.

Os resultados incorporam a sétima edição do Swedish Business Climate in Brazil, levantamento anual realizado com 70 empresas suecas sobre sua atuação no País. De uma maneira geral, as projeções futuras de mercado são favoráveis. Mais de 88% das pesquisadas têm uma percepção de que os próximos anos terão um ambiente de negócios igual ou mais favorável que o de 2017.

“Os grupos suecos passaram pelos momentos mais desafiadores da história recente da economia brasileira e, agora, querem crescer junto com o País. Prova disso é que 35% das entrevistadas aumentaram o seu quadro de funcionários nos últimos 12 meses e 46% pretendem criar novos postos no próximo ano”, aponta Jonas Lindström, diretor executivo da Swedcham. “Nenhuma companhia demonstrou interesse em deixar o Brasil”, completa.

As principais razões apontadas para o otimismo foram o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e as reformas tributária e trabalhista em curso. O ambiente regulatório, a corrupção e a segurança foram citados como principais entraves para o desenvolvimento.

Outro destaque importante da pesquisa: 95,2% dos executivos consideram que um Acordo de Livre Comércio entre a União Europeia e o Mercosul seria importante para fortalecer o ambiente de negócios da região. Os blocos, que estão em negociação há mais de dez anos, correm para assinar um tratado ainda em 2017, movimento que tem sido visto com bons olhos pela comunidade internacional.

“O resultado mostra que os suecos acreditam na importância do Brasil se tornar um player no mercado mundial e estão prontos para enfrentar uma maior concorrência, consequentemente melhorando os índices brasileiros de produtividade”, avalia Jonas.

A pesquisa contou com apoio do Team Sweden Brazil, grupo formado pela Embaixada da Suécia, a Câmara, Consulados e Business Sweden.

Ética e Compliance

Considerando os problemas que as práticas antiéticas podem acarretar para o negócio, 81% das companhias suecas estabeleceram códigos de conduta no Brasil. Para as participantes da pesquisa, as relações com a administração pública representam o ambiente mais propício à corrupção.

Para cerca de 90% das entrevistadas, a situação política atual do País tem impactado negativamente o cenário de investimentos. O resultado é similar ao de 2016, quando 93% responderam algo semelhante.

Outro desafio ainda é a ampliação da presença das mulheres em cargos de comando dentro das organizações. Hoje, elas representam 31% da força de trabalho e apenas 19% possuem posições de liderança. O número é certamente maior do que o registrado em 2016, quando apenas 10% das vagas de chefia eram ocupadas por elas. Porém, ainda está muito longe dos níveis adequados de igualdade.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top