You are here
Home > Artigos > Estamos dispostos a negócios disruptivos?

Estamos dispostos a negócios disruptivos?

Ricardo Nogueira.

Não há revolução industrial que possa prescindir da melhoria contínua da qualidade do produto com redução de custo. Essa ideia simplifica o horizonte de toda e qualquer organização seja qual for o cenário econômico, e expõe o que talvez seja o maior desafio atual ante a velocidade e a quantidade de mudanças dos mercados: o modo de fazer as coisas mudou e sobressair na ilimitada era digital dependerá de nossas escolhas.

Passado o primeiro susto com a novidade de que a expressão pensar fora da caixa já envelheceu, uma das poucas certezas no mundo corporativo está no fato de que as crises são um chamado para a inovação. Isso posto, diga-se de passagem que a redução dos recursos humanos nas empresas pode ser a forma mais rápida de cortar custos, mas está longe de ser a mais eficiente.

Caminhos sustentáveis para a competitividade em tempos de mudanças tão profundas quanto rápidas como as de hoje precisam ser continuamente descobertos. Maneiras novas de pensar e realizar exige algo mais do que um espírito empreendedor, a tecnologia e mesmo o conhecimento, possam fazer.

Estamos olhando para consumidores cada vez mais conectados e ávidos por fazerem o melhor uso do seu tempo e dinheiro, descomplicar a vida. Cabe à indústria criar soluções em produtos e serviços para seus desejos, sempre velozmente ultrapassados pelas necessidades crescentes da vida moderna.

Para sobreviver é preciso se alinhar com as tendências tecnológicas mundiais sob pena de ficar de fora da competição. Na empresa de tecnologia 100% brasileira a qual presido, vimos quebrando paradigmas e olhamos para o futuro com otimismo.

Abraçamos o desafio de gerar soluções inovadoras e customizadas para os clientes, empresas dos mais variados setores da economia, como automotivo, embalagem, energia e infraestrutura, plásticos e equipamentos industriais, por meio da digitalização e simulação de ensaios para desenvolvimento e validação de produtos.

Temos feito a lição de casa e investido no aprimoramento dos processos de produção e de gestão de recursos humanos, este último indiscutivelmente o nosso maior patrimônio. E temos visto que o desempenho de uma organização pode ser medido também pelo modo como os recursos são utilizados. Importa lembrar que, nessa equação, sem talentos a tecnologia sozinha não gera frutos.

A criação de novas metodologias para o desenvolvimento local de soluções inovadoras a um sem número de gargalos enfrentados pelas organizações tem se mostrado eficiente para os negócios dos dois lados dessa relação.

Uma indústria forte e competitiva é alicerce para o futuro de qualquer nação e o Brasil precisa desenvolver tecnologia e fomentar a engenharia local. Considero este momento disruptivo uma valiosa oportunidade para o País trazer competitividade para seus processos produtivos, produtos e serviços, aproveitar sua vocação para inovar. Essa visão e os esforços no suporte a esse desenvolvimento, nosso core business, alçou as nossas atividades de serviços a um crescimento médio anual de 16% nos últimos cinco anos.

Expandimos as instalações do nosso TechCenter e agregamos equipamentos, ampliamos o corpo técnico da organização com engenheiros de diversas especialidades, e seguimos implantando sistemas e metodologias inteligentes para o gerenciamento interno e controle de cada uma de nossas atividades até alcançar todas as áreas da empresa. Acreditamos que o País precisa de iniciativas desse tipo e continuaremos nosso processo de investimento.

A governança é uma maneira de aprimorar processos e gerar valor. Ordem na casa é sempre bom. Retirar caixas empilhadas na janela pode revelar uma paisagem escondida, que pode ser o ponto de partida para negócios disruptivos. Só precisamos nos dispor a realizá-los e acreditar que este é um lugar com muitas oportunidades para quem quer empreender.

O artigo foi escrito por Ricardo Nogueira, que é economista e presidente da SMARTTECH.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top