You are here
Home > Finanças > Ofertas no mercado de capitais somam R$ 60,7 bilhões no primeiro trimestre e superam média dos últimos sete anos

Ofertas no mercado de capitais somam R$ 60,7 bilhões no primeiro trimestre e superam média dos últimos sete anos

As companhias brasileiras emitiram R$ 60,7 bilhões em valores mobiliários no primeiro trimestre de 2018. O volume supera os bons resultados registrados no mesmo período do ano anterior (R$ 60,5 bilhões) e também a média dos últimos sete anos para o mesmo período, de acordo com boletim da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) divulgado nesta quarta-feira (11).

As emissões se concentraram no mercado de renda fixa. As debêntures foram os instrumentos mais utilizados, representando 73% de todo o volume ofertado. Na sequência, aparecem os fundos imobiliários com 9%. Com a queda da taxa de juros e o benefício fiscal, esses produtos voltaram a se tornar atrativos para os investidores na busca por maiores rendimentos. Não à toa, a participação de pessoas físicas na compra de fundos imobiliários passou de 65,7%, no primeiro trimestre de 2017, para 75,9%, em 2018. Em terceiro lugar, aparecem as notas promissórias com 8%.

“Mais de 50% das ofertas encerradas, até fevereiro, foram a mercado. O forte crescimento da gestão de recursos gera demanda por papéis do mercado de capitais. Esse mecanismo tem funcionado de forma positiva”, explica José Eduardo Laloni, diretor da Anbima.

Um dos destaques em 2018 foi a alta de 264% nas emissões de debêntures de infraestrutura. O bom resultado foi impulsionado por duas grandes emissões: Rede Dor, de R$ 1,6 bilhões, e Entrevias, de R$ 1 bilhão. Os prazos das debêntures também se estenderam: 23,6% têm vencimento superior a sete anos contra 17,6% no início do ano passado. O alongamento tem sido percebido desde 2017 diante da melhora das condições macroeconômicas, da retomada da confiança dos investidores institucionais e do maior volume de emissões.

“O maior volume e o alongamento dos prazos dos papéis são bons sinais para o mercado brasileiro de capitais. Tivemos vários leilões, que viraram concessões, na sequência projetos e, por fim, debêntures. O importante é mantermos esse ritmo. Foram poucas ofertas, mas grande projetos, o que mostra a capacidade do mercado de absorver grandes operações”, afirma o executivo.

No mercado de ações, houve apenas uma pequena emissão, mas a expectativa é positiva para os próximos meses. Há sete ofertas no pipeline em análise pela CVM: Grupo SBF, Banco Inter, NotreDame Intermédica, Hapvida, JHSF Malls, Dass e Blau Farmacêutica.

“As empresas estão cada vez mais acostumadas a acessarem o mercado. Muitos bancos agora têm equipes específicas para tratar os emissores menores. Apesar de um primeiro trimestre mais fraco, o mercado de capitais tem os alicerces básicos para um mercado de renda variável ativo”, explica Laloni.

Para contribuir com esse crescimento, a Anbima tem uma ampla agenda focada no potencial do mercado de capitais para o financiamento de longo prazo do Brasil. Melhorias na regulação dos fundos de infraestrutura criados pela Lei 12.431, que concede benefícios fiscais aos investidores, é uma das frentes. “Nossa proposta é para que esse fundo tenha regras específicas que se adequem às características e à dinâmica do produto”, explica Laloni.

Atualmente, esses fundos são regulados pela Instrução 555 da CVM. Outra frente é a participação mais ativa dos fundos de pensão e das seguradoras, importantes agentes para o desenvolvimento do mercado de longo prazo. A proposta é que essas entidades sejam liberadas para investir em debêntures de companhias fechadas. Hoje, elas só podem investir em companhias abertas, o que as impede de adquirir papéis de SPEs (Sociedades de Propósito Específico), modalidade na qual os projetos de infraestrutura são normalmente tocados e, em grande maioria, têm capital fechado.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top