You are here
Home > Negócios > Com a falta de mão de obra qualificada, solução das construtoras é investir em cursos de qualificação

Com a falta de mão de obra qualificada, solução das construtoras é investir em cursos de qualificação

Ralf Haddad: a MRV está investindo em cursos de qualificação.

Os primeiros sinais de recuperação e crescimento da economia são dados pelo segmento da construção civil. Depois de dois anos de recessão, a construção civil volta a reagir, porém está enfrentando um de seus maiores desafios, que é a falta de mão de obra qualificada. Só para se ter uma ideia, um estudo feito pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), aponta que pelo menos 74% das empresas do setor encontram dificuldades na seleção de trabalhadores com qualificações necessárias para o preenchimento de diversos cargos.

A verdade é que, no passado, a indústria da construção civil foi montada de forma artesanal pelas mãos de operários em sua maioria analfabetos e sem qualificação técnica. Hoje, as construtoras pagam o preço de décadas sem investimento em formação de pessoal qualificado.

Eu conversei com o diretor de Produção da MRV Engenharia, Ralf Haddad, e ele me disse que diante da dificuldade de encontrar profissionais com qualificação a empresa está investindo em cursos de formação de mão de obra, em especial na área de instalação hidráulica. Em parceria com o Senai do Paraná são oferecidas aulas de encanador dentro do próprio canteiro de obras, como parte do programa Escola Nota 10 apoiado pelo Instituto MRV. A primeira turma formou 18 profissionais da empresa, mas este número ainda é insuficiente para atender a demanda das obras. Desde seu lançamento, em 2011, o programa já beneficiou mais de 3.500 trabalhadores da MRV, em mais de 170 escolas acompanhadas pelo Instituto, que promove cursos de alfabetização, inclusão digital e profissionalizantes.

O diretor de Produção da construtora me explicou que a atividade de instalação hidráulica faz parte de um caminho crítico no fluxo de atividades de uma obra. Sem a liberação deste serviço, por exemplo, não se pode nem sequer instalar a cerâmica nos apartamentos. Segundo Haddad, profissionais com cursos técnicos adequados aprendem corretamente o ofício, além do que a formação evita problemas oriundos de má execução, como eventuais defeitos, e os retrabalhos que custam tempo e material.

Ralf Haddad me contou que até cinco anos atrás, cada unidade construída representava duas caçambas de entulhos. Com a qualificação da mão de obra e o uso de tecnologias e maquinário apropriado, cada apartamento resulta, em média, hoje, em apenas uma caçamba de restos de materiais.

Até o final deste ano, a MRV deve investir R$ 550 milhões para o lançamento de 5.500 unidades habitacionais no Paraná, destinadas ao programa Minha Casa Minha Vida. Com esse investimento, a empresa projeta chegar em 2018 com um aumento de 20% na sua força de trabalho, hoje formada por 3 mil trabalhadores diretos e indiretos só na Região Sul.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top