You are here
Home > Trabalho/Emprego > Como planejar  empresa e equipes para Copa do Mundo

Como planejar  empresa e equipes para Copa do Mundo

A Copa do Mundo de Futebol já toma conta das rodas de conversas e todos com o desejo muito grande de que o Brasil tenha êxito e seja campeão. Mas para as empresas essa euforia se mistura com uma preocupação: o que fazer para que os colaboradores possam participar deste evento assistindo os jogos da Seleção Canarinho sem prejudicar a produtividade?

Para o diretor executivo da Bazz Operações em Recursos Humanos, Celso Bazzola, realmente são necessários cuidados. “A empresa deve se planejar dentro de seus princípios e valores para que possa oferecer aos funcionários alternativas para assistir os jogos do Brasil, caso contrário poderá sofrer com a desmotivação, desgaste da imagem, faltas e absenteísmo”.

Isso significa que a produtividade da sua equipe poderá diminuir em dias de jogo, caso não haja planejamento de calendário e ações que visem unir equipes para o evento. O primeiro passo para empresa é considerar esse fato, ao planejar os projetos e serviços, calculando as horas ajustadas e evitando assim deixar prazos e entregas pendentes.

Uma coisa é certa, dois jogos da primeira fase acontecerão durante horário de expediente convencional. A estreia será em um domingo, mas o segundo jogo será em uma sexta-feira, dia 22 de junho, às 9 horas, e o terceiro jogo, em uma quarta-feira, dia 27, às 15 horas.

Se o Brasil continuar o caminho até o título, serão ainda dois ou três jogos em horário de expediente, tudo dependerá da posição do país da primeira fase. A final será em um domingo, assim, se ganharmos esse jogo teremos apenas um gostoso clima de ‘ressaca’ e alegria na segunda e com muitos comentários que devem ser encarado com naturalidade, porém sempre direcionando ao foco da empresa.

Mas, o que fazer? “As empresas possuem algumas alternativas se quiserem fazer o recomendável, que é permitir que os funcionários assistam aos jogos. A primeira é liberar os funcionários durante o dia ou no período do jogo, podendo negociar ou não essas horas por meio de bancos de horas se houver o acordo. A segunda é desde já criar um acordo de compensação destas horas de forma antecipada e uma terceira possibilidade é criar um ambiente corporativo para assistir ao jogo, explorando o momento para integrar equipes”, explica Bazzola.

Se a empresa for dar a folga sem negociar a compensação das horas, terá que arcar com esse custo. Mas, se desenvolver um plano e calendário de compensações é preciso estabelecer e formalizar um acordo, estabelecendo um banco de horas ou compensações diárias para a reposição, isto é, períodos de trabalho um pouco mais extensos durante a semana.

“O ideal é que a empresa estabeleça esse critério com antecedência, para que todos já tenham atingido a compensação antes dos jogos, caso contrário, imagine a desmotivação se o Brasil não avançar em seus objetivos e o funcionário ainda ter que trabalhar até mais tarde. Outro ponto é estabelecer regras claras, pois, se tiverem que voltar ao expediente depois, sempre terão torcedores que podem ingerir bebidas como aquela cervejinha, coisa que não combina com o trabalho”, explica o diretor da Bazz.

Ele ressalta que nem todos gostam de futebol, assim é preciso buscar o entendimento comum sobre o tema, evitando que um momento que seria para curtição se torne em um problema, o bom senso deve ser prioridade nas relações e o respeito às individualidades também, sem perder o foco dos objetivos e um deles é “ambiente leve e integrado”.

“Uma alternativa que me agrada bastante são as empresas que se estruturam para proporcionar aos colaboradores assistirem os jogos internamente na empresa, seja em uma área coletiva dentro da empresa ou em espaço externo, pois pode proporcionar, quando bem aplicada, uma maior proximidade de todos e melhoria do ambiente, o que podemos considerar como uma forma de integração”, orienta Celso Bazzola. Mas, mesmo essa ação necessita muitas preocupações prévias, para que não se obtenha resultados inversos aos esperados, tudo é uma questão de informar as regras.

“Se for criar essa estrutura é fundamental pensar com antecedência, para não ficar a mercê de imprevistos, como a falta de equipamentos como uma TV de qualidade. Outro ponto é proporcionar um ambiente com descontração, mas tomando sempre cuidado com os ânimos, que se alteram nestes momentos. Nesses casos acho muito arriscado a liberação de bebidas alcóolicas, mesmo que fora da empresa, as chances de problemas serão muito maiores, além de se cumprir o papel politicamente correto e a da segurança de seus profissionais”, alerta.

Independente da opção da empresa, uma coisa é clara, a decisão do que fazer já deve ser pensada e planejada antecipadamente, pois o planejamento fará toda diferença nessa hora no motivar ou desmotivar os colaboradores. “Entendo que essa pode ser uma grande oportunidade para que se faça a integração de equipes e a empresa demonstre o quanto está atenta aos acontecimentos informais fora de seu core” comenta Bazzola. Além disso, se o Brasil for para final, não será motivo para prejuízo, apenas para alegria.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top