Varejo brasileiro cresce 3% em maio, apesar do impacto da paralisação dos caminhoneiros

O varejo brasileiro apresentou alta de 3,0% em maio na comparação com o mesmo período de 2017, descontando a inflação que incide sobre a cesta de setores do varejo ampliado, aponta o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) divulgado nesta terça-feira, dia 19. Em termos nominais, número que reflete o que o varejista observa diretamente na receita das suas vendas, o indicador registrou alta de 4,6% frente ao ano anterior.

O mês foi levemente prejudicado no efeito líquido entre feriados e trocas de dias da semana em relação ao mesmo período do ano passado. Ajustando a estes efeitos de calendário, teríamos 4,7% de crescimento nominal e 3,1% descontando a inflação. “O resultado positivo de maio surpreende, já que tivemos a paralisação dos caminhoneiros no final do mês, que impactou negativamente o varejo”, afirma Gabriel Mariotto, diretor de Inteligência da Cielo. “O que ocorreu é que tivemos uma dinâmica muito particular no mês de maio, com dois períodos muito claros e distintos: crescimento muito forte no período que antecedeu a crise de abastecimento e outro bem mais fraco, até com retração, no período da paralisação”, explica o executivo. No período pré-paralisação, o ICVA deflacionado do mês foi de 4,5%. Já no período da paralisação, o ICVA foi de apenas -1,2% no mesmo conceito, impactando significativamente o resultado do mês.

O ICVA nominal da semana que antecedeu o domingo do Dia das Mães (7 a 13 de maio) registrou alta de 6,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. O índice aponta que a semana movimentada pela data trouxe um ritmo de vendas melhor que o do mês como um todo, o que contribuiu positivamente para o resultado de maio.

SETORES

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o mês apresenta destaque positivo para o setor de Supermercados e Hipermercados, que se beneficiou com a estocagem no período da paralisação e fechou o mês com aceleração no conceito do ICVA deflacionado com ajuste de calendário. Outro setor de destaque foi o de Vestuário, que mesmo impactado negativamente pela paralisação, apresentou aceleração no mesmo conceito, puxado principalmente pelo Dia das Mães. Por outro lado, o setor de Postos de Combustíveis, como mencionado anteriormente, foi impactado negativamente pela paralisação e segue apresentando retração.

REGIÕES

Destaque positivo para as regiões de Centro-Oeste, Norte e Sul, que apresentaram as maiores acelerações dentre as regiões brasileiras, segundo o ICVA deflacionado com ajuste de calendário.Pelo ICVA deflacionado sem ajustes de calendário, comparando com o mesmo período do ano anterior, o varejo ampliado na região Norte apresentou alta de 7,6%, seguido pelas regiões Sul e Nordeste com 5,8% e 4,2% respectivamente. Por fim, vale mencionar as regiões Centro-Oeste, com alta de 3,9%, e o Sudeste, com alta de 1,3%.

Pelo ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – o destaque foi a região Norte, que registrou alta de 8,5%. Em seguida, temos as regiões Sul e Nordeste com crescimentos de 7,2% e 6,4% respectivamente. Já as regiões Centro-Oeste e Sudeste apresentaram crescimentos de 5,6% e 3,3% respectivamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *