You are here
Home > Negócios > Amigos, amigos e sócios também: empreendedores transformam parceria de vida em sucesso nos negócios

Amigos, amigos e sócios também: empreendedores transformam parceria de vida em sucesso nos negócios

Nesta sexta-feira , dia 20 de julho, é celebrado o Dia do Amigo, e quem disse que amizade é algo apenas para a vida pessoal? Cada vez mais o ditado “amigos, amigos, negócios a parte” vem perdendo força e passa a dar lugar para parcerias que se estendem da vida pessoal ao empreendedorismo. Para o consultor, PhD em Business Administration e fundador da Febracis, Paulo Vieira, a sociedade entre amigos tem tudo para dar certo, mas é preciso ter alguns cuidados. “Se não houver consenso e profissionalismo, a chance de dar errado é grande”, avalia.

No universo do franchising encontramos alguns exemplos de parcerias entre amigos que deram certo e culminaram na criação de redes prósperas e em franco crescimento no Brasil. Você abriria uma empresa com seu melhor amigo? Confira algumas histórias para se inspirar:

OrthoDontic – maior rede de clínicas de ortodontia do País

Fernando Massi, Ana Lúcia Massi, Claudia Consalter, Edmilson Pelarigo e Edilson Pelarigo, sócios fundadores da OrthoDontic.

“Todos nós tínhamos uma inquietação criativa e empreendedora muito forte. Nós queríamos ir além do modelo de atuação que é apresentado na faculdade e, quando percebemos que o mercado tinha um potencial enorme para ser explorado, decidimos nos juntar para fazer a diferença. Em 2002 começamos com uma clínica pequena no Paraná e hoje estamos presentes em mais de 17 Estados com 212 unidades”, conta o sócio e também diretor de expansão, Fernando Massi. O sonho dos jovens amigos deu tão certo que a OrthoDontic tem mais de quatro milhões de clientes em todo o Brasil.A OrthoDontic é maior rede de clínicas de ortodontia do País e também pioneira em franquias nesse segmento. A rede foi fundada pelos sócios Fernando Massi, Ana Lúcia Massi, Claudia Consalter, Edmilson Pelarigo e Edilson Pelarigo, que na época eram colegas de faculdade. O desejo de ir além do consultório particular, os amigos decidiram investir em um modelo de clínicas que pudesse oferecer acesso à odontologia de qualidade e com tecnologia a toda a população brasileira.

Green Station – primeira rede de salada por quilo do País

Taiguara Moura e Vinicius Loyola, fundadores da Green Station.

“Eu e o Taiguara sempre planejamos ter um negócio juntos. Era um sonho antigo, mas não queríamos ser só mais um negócio no mercado. Buscávamos algo novo, com diferencial e que pudesse nos tornar referência. Quando conheci o modelo de salada por quilo no exterior, percebi que era isso que faltava no Brasil, principalmente agora que as pessoas estão cada vez mais cuidadosas com a qualidade da alimentação fora do lar”, explica Loyola. Com apenas R$ 30 mil de cada, os jovens empreendedores começaram a planejar a primeira unidade da Green Station. A unidade pioneira nasceu em 2015, no estado do Espírito Santo, em Vitória. Atualmente a rede tem três unidades próprias, 37 franquias e prevê encerrar 2018 com 60 unidades.Os jovens e amigos de infância Vinicius Loyola e Taiguara Moura resolveram criar um conceito de negócio ainda não explorado no país: o fast food de salada por quilo. Inspirado em exemplos de varejo que conheceu no exterior, nos Estados Unidos, durante uma viagem em 2013, Vinicius ficou encantado com o que viu. Uma loja exclusivamente de saladas e grãos, onde o cliente entra, escolhe o que deseja, pesa, paga e leva sua refeição em um bowl, possibilitando fazer suas refeições em qualquer lugar.

Casa do Construtor: locação de equipamentos para construção civil e soluções para o dia a dia

Expedito Arena e Altino Cristofoletti, fundadores da Casa do Construtor.

Em 2017 a rede faturou R$ 200 milhões e inaugurou a primeira loja fora do país, no Paraguai. Com a previsão de crescer 20% em 2018, ano em que completa 26 anos de sua fundação, a rede está em plena expansão e pretende chegar a mil lojas até 2025. “Somos eternos aprendizes e, não só isso, dividimos com os outros o que aprendemos ao longo de todos esses anos. Uma regra da Casa do Construtor, por exemplo, é que todos tenham um “diário de bordo” para que possam compartilhar as novidades e lições de suas viagens. É compartilhando que se aprende”, diz Altino Cristofoletti, sócio fundador da rede.Altino Cristofoletti Junior e Expedito Arena, fundadores da Casa do Construtor, são amigos desde a adolescência. Engenheiros por formação e donos das suas próprias construtoras até a metade dos anos 1990, os dois perceberam que havia uma oportunidade no mercado para locação de equipamentos, com isso, nasceu a ideia da Casa do Construtor, para atender pequenas empresas, profissionais da construção civil e até mesmo clientes comuns.

ArtCoco – rede de joias e semijoias

João Coco, Alex Andrade, João Leno e Lucas Carvalho, fundadores da ArtCoco.

A ArtCoco fundada em Ilhéus, na Bahia, comercializa joias e semijoias. A empresa entrou no segmento de franchising há dois anos. João Leno, filho do fundador e sócio da franqueadora, decidiu expandir a rede pelo País, e seus amigos de infância, os advogados Lucas Carvalho e Alex Andrade, enxergaram uma oportunidade de aumentar a renda e se juntaram ao amigo para ajudar no processo de expansão.

Hoje, o trio está empenhado na expansão da marca e a previsão é abrir 25 lojas até o fim de 2019. Atualmente, a rede que atua com e-commerce para todo o País, tem três unidades próprias e nove franqueadas – todas no estado da Bahia –, que faturam cerca de R$ 80 mil por ano cada uma. Com um modelo de franquia com investimento inicial de R$ 140 mil, a rede tem dois grandes diferenciais em relação aos produtos: a qualidade e o preço.

Para atingir a cor dourada, as bijuterias recebem banhos de 5 a 10 milésimos em ouro, além de um verniz protetor, o procedimento faz com o que aumente a durabilidade das peças que ficam mais resistentes ao tempo e ao uso. Desta forma, algumas peças da marca chegam a ter um ano de garantia. Além disso, como a Artcoco é a responsável pela produção final das peças – uma das etapas mais caras do processo de confecção – consegue baratear os preços para o consumidor final. Se a última etapa fosse terceirizada, os valores praticados poderiam ser até 10% maiores.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top