You are here
Home > Transportes > Crescimento do transporte aéreo de carga continua modesto

Crescimento do transporte aéreo de carga continua modesto

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) divulgou os dados sobre os mercados de carga aérea global, mostrando que a demanda, medida em quilômetros por toneladas de carga (FTKs), aumentou 4,2% em maio de 2018 em relação ao mesmo período do ano anterior. Porém, o aumento foi um pouco menor do que a taxa de 5,2% (valor revisado que indicava 4,1%) na demanda anual registrada em abril de 2018.

A capacidade de carga, medida em quilômetros por toneladas de carga disponíveis (AFTKs), cresceu 6,2% em maio de 2018 na comparação ano a ano. Esse foi o quarto mês consecutivo em que o crescimento da capacidade superou o crescimento da demanda.

Após um começo fraco em 2018, a demanda global por carga aérea apresenta uma modesta tendência de aumento. Porém, o rápido crescimento visto em 2017 já terminou, com a demanda crescendo a um ritmo muito menor em 2018. Segundo previsão da IATA para a metade do ano, o crescimento de transporte aéreo de carga de 2018 foi revisado e caiu para 4,0% (a previsão em dezembro de 2017 era de 4,5%).

O crescimento deve continuar em ritmo mais lento devido a três fatores: acabou o ciclo de reabastecimento que exige entrega rápida para atender às necessidades dos clientes; o componente de novos pedidos de exportação do Índice Global de Gerentes de Compras (PMI) está no menor nível em 21 meses e o comércio global parece diminuir o ritmo com o aumento das tensões comerciais.

“Estimamos um aumento modesto de 4,0% na demanda de transporte aéreo de carga em 2018. Ainda assim, é uma alta considerando o começo do ano que foi muito fraco. Porém, existem forças contrárias com o crescente atrito entre os governos na área de comércio. Ainda esperamos que a demanda cresça, mas essas expectativas são atenuadas a cada nova tarifa introduzida. A experiência nos mostra que as guerras comerciais, no longo prazo, só produzem perdas”, disse Alexandre de Juniac, Diretor Geral e CEO da IATA.

Desempenho por região

Com exceção da África, todas as outras regiões relataram crescimento maior em maio de 2018. As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico relataram aumento na demanda de transporte aéreo de carga em maio de 2018, a taxa de crescimento foi de 4,9% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado de maio de 2018 foi um aumento em relação aos 3,9% registrados no mês anterior. A capacidade aumentou 7,4%. Como a maior região de transporte aéreo de cargas, responsável por cerca de 37% da carga aérea do mundo, os riscos causados pelas medidas protecionistas que afetam a região são desproporcionalmente altos. Com isso, há sinais de que a demanda está acelerando a medição de FTKs internacionais.

O volume de transporte de carga das companhias aéreas da América do Norte aumentou 5,9% em maio de 2018 em relação ao mesmo período do ano anterior. Este foi um aumento na demanda na comparação com a taxa de crescimento de 4,6% registrada no mês anterior. A capacidade aumentou 5,4%. O recente impulso na economia dos Estados Unidos e fortalecimento do dólar americano ajudaram a aumentar as importações por via aérea. Dados do US Census Bureau (Departamento de Censo dos Estados Unidos) mostram aumento de 12% ano a ano das importações por via aérea em abril, comparado ao crescimento de 2,4% em março.

As companhias de transporte aéreo de carga da Europa registraram um aumento de 2,3% em maio de 2018, que foi menor em relação à taxa de crescimento de 3,5% no mês anterior. A capacidade aumentou 6,0%. Os volumes de carga com ajuste sazonal aumentaram um pouco nos últimos dois meses; porém, a taxa anual de crescimento nos últimos seis meses permanece baixa: apenas 1,5%.

O volume de transporte de carga das companhias aéreas do Oriente Médio cresceu 2,4% em maio de 2018. Essa foi uma desaceleração significativa na demanda de mais de 6,9% em relação ao mês anterior. Essa redução reflete principalmente a evolução de um ano atrás, em vez de uma mudança substancial na atual tendência de carga. Os volumes de carga com ajuste sazonal continuam com tendência de alta a um ritmo comparativamente modesto, considerando os padrões da região. Esse resultado segue os sinais de uma moderação mais ampla no comércio global. A capacidade aumentou 3,3%.

As companhias de transporte aéreo de carga da América Latina registraram aumento na demanda de 11,4% em maio de 2018 – a maior taxa de crescimento entre todas as regiões pelo terceiro mês consecutivo. A capacidade aumentou 1,5%. A recuperação da demanda nos últimos 18 meses acompanha os sinais de retomada da maior economia da região, o Brasil. Os volumes de carga com ajuste sazonal superaram o recorde de maio de 2014.

As companhias de transporte aéreo de carga da África apresentaram redução na demanda de 2,0% em maio de 2018 na comparação com maio do ano passado. A capacidade aumentou 20,4%. Após um aumento nos volumes internacionais de FTK no ano passado, os volumes de carga com ajuste sazonal apresentam agora tendência de queda, atingindo o ritmo anual de 15% nos últimos seis meses. Isso reflete principalmente o enfraquecimento da demanda nos mercados entre a Ásia e o Oriente Médio.

mirian
Sobre a Mirian Gasparin Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top