You are here
Home > Finanças > Dias de jogos do Brasil na Copa geraram impacto positivo no setor de cobranças

Dias de jogos do Brasil na Copa geraram impacto positivo no setor de cobranças

Mesmo com a eliminação da seleção brasileira da Copa do Mundo, nos dias em que a equipe entrou em campo acabou gerando um impacto positivo nas cobranças de devedores por parte dos contact centers. Segundo um levantamento realizado pela Deep Center, empresa especializada em Big Data Analytics para o setor, a taxa de conversão de acordos de dívidas registrou índices acima da média nos dias em que o Brasil jogou pelo mundial, mesmo com horários reduzidos de expediente.

No dia 22, no jogo que o Brasil venceu a Costa Rica por dois a zero, a taxa de conversão foi de 2%, acima da taxa média, que é de 1,8%. Na partida contra a Sérvia, última da primeira fase, o indicador registrou alta de um ponto porcentual em relação a taxa média, para 2,8%. O maior desempenho, porém, foi quando a seleção venceu o México, pelas oitavas de final. No dia, a taxa de conversão foi de 5%. O indicador voltou ao patamar de 2% quando da eliminação da equipe pela seleção da Bélgica, nas quartas de final.

A Deep Center analisou a taxa de conversão de cerca de 20 contact centers que realizam cobranças em todo o território nacional. A leitura levou em conta quatro dos cincos jogos em que a seleção brasileira entrou em campo no mundial e comparou com a taxa média de um período de três meses. A taxa de conversão é o indicador que mede quando a pessoa que possui alguma dívida aceita determinada proposta de acordo ou se compromete a realizar um pagamento a partir do contato feito pela assessoria de cobrança.

O indicador que mede as chamadas atendidas sobre a quantidade de tentativas, conhecido no jargão do setor como hit rate, também mostrou aumento quando comparado com a média nos dias que o Brasil entrou em campo. Nos jogos da seleção brasileira na Copa, contra Costa Rica, Sérvia e México, o indicador registrou taxa de 21%, 20% e 19%, respectivamente. A taxa média do hit rate é de 16,4%.

De acordo com Gabriel Camargo, CEO e sócio-fundador da Deep Center, alguns motivos ajudam a explicar o porquê de isso acontecer.

“Quando o Brasil joga, o contato com a pessoa que possui alguma dívida se torna mais fácil em razão da maior disponibilidade do horário de trabalho ou pelo fato de estar em casa, acessível também pelo telefone fixo”, afirma. O executivo destaca que a conversão foi melhor mesmo com menos pessoas trabalhando em razão do expediente reduzido. “Percebemos que no contato ativo os devedores estão mais receptivos e relaxados, diferentemente do que imaginávamos”, complementa.

mirian
Sobre a Mirian Gasparin Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top