Dias de jogos do Brasil na Copa geraram impacto positivo no setor de cobranças

Mesmo com a eliminação da seleção brasileira da Copa do Mundo, nos dias em que a equipe entrou em campo acabou gerando um impacto positivo nas cobranças de devedores por parte dos contact centers. Segundo um levantamento realizado pela Deep Center, empresa especializada em Big Data Analytics para o setor, a taxa de conversão de acordos de dívidas registrou índices acima da média nos dias em que o Brasil jogou pelo mundial, mesmo com horários reduzidos de expediente.

No dia 22, no jogo que o Brasil venceu a Costa Rica por dois a zero, a taxa de conversão foi de 2%, acima da taxa média, que é de 1,8%. Na partida contra a Sérvia, última da primeira fase, o indicador registrou alta de um ponto porcentual em relação a taxa média, para 2,8%. O maior desempenho, porém, foi quando a seleção venceu o México, pelas oitavas de final. No dia, a taxa de conversão foi de 5%. O indicador voltou ao patamar de 2% quando da eliminação da equipe pela seleção da Bélgica, nas quartas de final.

A Deep Center analisou a taxa de conversão de cerca de 20 contact centers que realizam cobranças em todo o território nacional. A leitura levou em conta quatro dos cincos jogos em que a seleção brasileira entrou em campo no mundial e comparou com a taxa média de um período de três meses. A taxa de conversão é o indicador que mede quando a pessoa que possui alguma dívida aceita determinada proposta de acordo ou se compromete a realizar um pagamento a partir do contato feito pela assessoria de cobrança.

O indicador que mede as chamadas atendidas sobre a quantidade de tentativas, conhecido no jargão do setor como hit rate, também mostrou aumento quando comparado com a média nos dias que o Brasil entrou em campo. Nos jogos da seleção brasileira na Copa, contra Costa Rica, Sérvia e México, o indicador registrou taxa de 21%, 20% e 19%, respectivamente. A taxa média do hit rate é de 16,4%.

De acordo com Gabriel Camargo, CEO e sócio-fundador da Deep Center, alguns motivos ajudam a explicar o porquê de isso acontecer.

“Quando o Brasil joga, o contato com a pessoa que possui alguma dívida se torna mais fácil em razão da maior disponibilidade do horário de trabalho ou pelo fato de estar em casa, acessível também pelo telefone fixo”, afirma. O executivo destaca que a conversão foi melhor mesmo com menos pessoas trabalhando em razão do expediente reduzido. “Percebemos que no contato ativo os devedores estão mais receptivos e relaxados, diferentemente do que imaginávamos”, complementa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *