You are here
Home > Artigos > E-commerce não é só uma loja eletrônica

E-commerce não é só uma loja eletrônica

Carlos Alves.

É uma cena comum no mercado brasileiro: o empreendedor tem uma grande ideia, faz a cotação das melhores plataformas tecnológicas, pensa no nome e domínio e cria diferentes planos estratégicos para lançar sua loja virtual. Entretanto, após colocá-la no ar, as vendas teimam em não aparecer, por mais que ele gaste com mais recursos e serviços. O que deu errado? Ele encarou seu negócio como algo digital ao invés de focar no relacionamento com seu público.

Um dos maiores equívocos do varejo na Internet é justamente reduzir o e-commerce aos processos digitais. Ele é muito mais do que isso. As facilidades permitidas pelo mundo online são importantes, sem dúvida, mas são os desejos e vontades que ainda guiam os consumidores a entrarem em um site e comprarem determinados produtos. Logo, é preciso criar todo um ambiente que esteja alinhado com essas preferências. Confira cinco áreas vitais para aproximar o comércio eletrônico das pessoas.

Conteúdo chamativo: se você ainda acha que o preço do produto e uma especificação básica são suficientes para atrair o usuário, é melhor rever seus conceitos. Uma pessoa só vai adquirir um item se ela sanar todas as suas dúvidas sobre ele. Disponibilize diversos conteúdos e informações sobre o seu catálogo, como fotos, reviews, recomendações e até vídeos explicativos. Quanto mais dados você passar para o consumidor, mais confiante ele ficará para fechar negócio com sua loja.

Atendimento eficiente: a ferramenta pode até ser tecnológica, mas quando alguém entra em contato com o Serviço de Atendimento, ele espera que sua solicitação seja resolvida de forma rápida e personalizada. Uma das maiores frustrações no comércio eletrônico é tentar resolver um problema nos diferentes canais de comunicação da empresa e não conseguir – e pior, desconfiar que sequer conversou com uma pessoa de verdade. Lembre-se: um bom atendimento melhora a reputação da marca e ajuda na fidelização dos clientes.

Marketing personalizado: a vantagem da Internet é ter vários dados de seus clientes à disposição, o que permite uma identificação dos gostos e interesses deles. Portanto, a loja tem condições de realizar campanhas personalizadas para atrair os usuários. Hoje, o e-mail marketing pode trazer produtos que a pessoa demonstrou interesse, itens recorrentes que ela costuma comprar e até algo que complementa uma aquisição passada. Isso faz com que a publicidade online seja cada vez mais assertiva e direcionada.

Frete vantajoso: o custo do frete pode ser tanto um chamariz para aumentar as vendas quanto um dos fatores que explicam a queda de um e-commerce. O usuário até aceita pagar pela entrega do produto, mas desde que seja um valor justo e o produto chegue rapidamente em sua casa. Além disso, consumidores assíduos esperam encontrar alguns benefícios, como o frete grátis a partir de um determinado valor ou quantidade de itens adquiridos.

Meios de pagamentos democráticos: o cartão é a modalidade de pagamento mais utilizada na Internet por conta de sua aderência e praticidade, mas isso não significa que sua loja deve ignorar outras categorias. O boleto é uma realidade para grande parcela da população e há outros modelos, como o cartão de débito, que também são utilizados. O sistema de check-out (conclusão do pedido) deve ser democrático e simples, para que o consumidor não tenha problemas para concluir seu pedido.

O artigo foi escrito por Carlos Alves, que é diretor de Marketplace da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) e Head de E-Commerce na Riachuelo, sendo um dos precursores dos shoppings virtuais no país e o primeiro lojista a integrar em uma mesma plataforma todos grandes players nacionais carlosalves@nbpress.com

mirian
Sobre a Mirian Gasparin Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top