You are here
Home > Artigos > Os impactos positivos da economia compartilhada na contratação de serviços

Os impactos positivos da economia compartilhada na contratação de serviços

Desde que o fenômeno BYOD (Bring Your Own Device) se espalhou no ambiente corporativo, a partir dos anos 2000, é inegável que os dispositivos móveis revolucionaram a forma das pessoas trabalharem nas empresas. Antes vistos como inimigos da produtividade dos colaboradores, hoje os smartphones são encarados como aliados na busca por mais eficiência com o menor custo possível. Assim, os inúmeros serviços disponíveis por aplicativos crescem dentro das organizações.

Os apps em dispositivos móveis caíram nas graças dos brasileiros, que utilizam em média 12 aplicativos por dia, de acordo com dados da empresa App Annie. De 2015 até agora, esse setor teve um crescimento médio anual de 20% e, até 2022, o país deve fazer mais de oito bilhões de downloads por ano, atrás apenas de Estados Unidos, Índia e China. Com essa cultura dentro das empresas, é possível identificar plataformas que auxiliam a gestão, facilitam a comunicação entre as equipes e, inclusive, contratam freelancers para executarem tarefas pontuais.

Confira as principais vantagens dentro das corporações.

1 – Produtividade dos colaboradores
O uso de aplicativos, quando bem planejado, consegue impactar positivamente na produtividade dos funcionários. Os recursos podem ser usados para agilizar a comunicação entre as equipes ou, no caso de contratação de serviços, reduz a necessidade do envolvimento do colaborador desde o acionamento até a conclusão dos serviços. Assim, ele pode se dedicar às necessidades mais importantes do negócio.

2 – Mais segurança e desempenho nas empresas
Com facilidade de comunicação e tempo livre para se dedicar apenas a suas tarefas, a utilização de aplicativos impacta na produtividade dos trabalhadores. Logo, a organização também terá um aumento considerável no desempenho de todas as equipes. É o sonho de qualquer executivo: mais eficiência com o menor custo. Além disso, o app no ambiente corporativo traz mais segurança e rastreabilidade no processo de atendimento e garante agilidade na gestão administrativa e financeira, permitindo uma tomada de decisão em escala mais rápida e assertiva.

3 – Projetos colaborativos
Ao utilizar um aplicativo para contratar serviços específicos, como o suporte de TI, a empresa estará utilizando um conceito da economia do compartilhamento. A contratação de profissionais homologados para executarem tarefas específicas permite que os projetos desenvolvidos pela organização sejam mais integrados e ágeis com a participação de diferentes departamentos focados no core business. Hoje, é improdutivo ter equipes que trabalhem de forma isolada. O sucesso de um produto ou serviço depende da qualidade de sua produção ou execução. Basta ver os exemplos de Uber, Airbnb e Netflix, que se tornaram referências mundiais e reinventaram os setores de transporte, hospedagem e entretenimento por entregarem grandes experiências na palma da mão e um custo absurdamente baixo.

O artigo foi escrito por Tiago Lira, que é CMO na FindUP, empresa de tecnologia que automatiza todo o ciclo do atendimento técnico presencial através da geolocalização e economia do compartilhamento, visando simplificar a contratação e gestão de profissionais especializados em TI para grandes corporações com operações capilarizadas.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top