You are here
Home > Trabalho/Emprego > Como escolher as melhores perguntas para entrevistar candidatos

Como escolher as melhores perguntas para entrevistar candidatos

Em recrutamentos e seleções, a etapa de entrevista pode gerar uma certa ansiedade e dificuldade tanto para o candidato, quanto para quem está entrevistando. A entrevista é uma das principais partes de um processo seletivo, pois possibilita ao recrutador conhecer melhor os candidatos e a identificar qual deles é o mais adequado para a sua empresa.

Abaixo, a Gupy, líder de recrutamento com base em Inteligência Artificial e machine learning no Brasil, listou quatro categorias de perguntas a se fazer durante a etapa de entrevista: as “quebra gelo”, as comportamentais, as técnicas e, por fim, as perguntas de encerramento. Entenda como estruturar cada uma delas e a encontrar o candidato ideal para a vaga e para sua empresa:

1. Perguntas “quebra gelo”

No geral, mesmo os candidatos promissores podem ceder aos nervos e deixar de mostrar todo o seu potencial durante um entrevista de emprego. As perguntas de “quebra gelo” auxiliam o recrutador a evitar qualquer desconforto inicial, criando um ambiente que possa extrair a melhor versão daquele candidato.
Dê início à entrevista com uma conversa mais informal, sobre um assunto diverso, por exemplo, perguntar como estava o trânsito, se a localização da empresa é acessível a ele, onde mora, etc. Encontre algum assunto comum com o candidato e mostre familiaridade. Esse momento é fundamental para que ele relaxe e consiga desenvolver melhor seus raciocínios dali em diante.

2. Perguntas comportamentais

Também conhecida como avaliação por competência, as perguntas comportamentais têm como objetivo avaliar comportamentos e cultura, ao invés de habilidades técnicas do candidato.

Para gerar as perguntas certas para esse caso, é necessário seguir três passos. O primeiro passo é identificar as competências buscadas. Procure quais são os princípios da cultura da empresa que são esperados nos candidatos.

Não existe talento sem aderência à cultura, por isso dedique tempo para listar e priorizar as competências que são esperadas.

O segundo passo é formular perguntas. O ideal é explorar questões situacionais, buscando em suas experiências passadas se o candidato possui algum exemplo que possa ser considerado como uma manifestação daquela competência.

Por último, é preciso identificar as evidências dessa competência. Tendo em mente quais são as competências importantes para a sua empresa, você pode começar a definir melhor o que traduz aquela competência em ações. Para isso você deve prever quais tipos de ações que um candidato já pode ter manifestado em sua vida profissional.

3. Perguntas técnicas

Conhecidas como condições mínimas para a atuação profissional, as competências técnicas são todas aquelas adquiridas ao longo da carreira, através de formação educacional, cursos, treinamentos, experiência, etc. Elas estão estritamente ligadas ao cargo ocupado na empresa, por isso, as perguntas a serem feitas devem ter em vista a área em que o profissional está se candidatando.

Na prática, se a área, por exemplo, for o Financeiro, uma habilidade técnica seria a utilização do Excel. Algumas perguntas essenciais nesse contexto poderiam ser: “Conte de uma vez que você precisou organizar dados no Excel para descobrir uma tendência/identificar gaps? Que funções do Excel você usou? Você precisou aprender algo novo? Como foi, como aprendeu?”.

4. Perguntas de encerramento

Não menos importante, o fim das entrevistas coloca em jogo se suas ações deixaram uma boa impressão (ou não) no candidato. Por isso é preciso garantir que esse candidato saia apaixonado dessa experiência que teve com você. Ao terminar de fazer suas perguntas, dê a oportunidade do candidato também tirar suas dúvidas. Além de mostrar interesse no profissional, também é uma boa forma de avaliar se ele está interessado na vaga. Após as dúvidas, peça um feedback ao candidato do processo seletivo até então. Essa é uma prática muito importante para garantir uma boa experiência do candidato, além de dar insumos para aprimorá-lo. Por fim, antes de encerrar a conversa, dê um prazo de resposta ao candidato, mas, claro, um que você possa cumprir.

Saber estruturar as perguntas em entrevistas é essencial durante um processo seletivo. Essa etapa é a chave-mestra para garantir que aquele talento que você procura foi encontrado. Dedique tempo para se planejar, desdobrar sua estratégia e valores em perguntas e construa um ambiente incrível para receber e conhecer seu candidato. Lembre que o mais importante é que esse casamento seja positivo para as duas partes e que, mesmo que não siga em frente, você pode ter gerado mais um promotor da sua marca empregadora se o tratou com cuidado e respeito.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top