You are here
Home > Empreendedorismo > Empresários curitibanos se encontram em prol do empreendedorismo social

Empresários curitibanos se encontram em prol do empreendedorismo social

Marcelo Bertoldi, Rachel Sampaio e Alexandre Lindenbojm.

Usualmente, para colocar suas forças em um negócio, os investidores consideram dois fatores: risco e rentabilidade. Porém, outro elemento está se tornando cada vez mais decisivo e mudando essa equação: o impacto socioambiental. Esse foi o tema do “Diálogo de Investidores”, evento que teve como anfitriões o Marins Bertoldi Advogados e a Rodhium e reuniu no Hotel Pestana em Curitiba nesta terça-feira (6), 50 empresários e executivos interessados em negócios sociais.

“Os olhos do mundo começaram a se voltar para os investimentos de impacto. Agora é uma tendência em crescimento, mas pode virar mainstream”, ressaltou James Marins, sócio-fundador do escritório Marins Bertoldi e fundador do Instituto Legado. O próprio caminho percorrido pelo escritório é prova disso, relembrou Marcelo Bertoldi, também sócio-fundador do Marins Bertoldi. “Quando abrimos o escritório, desenvolver uma atividade ética e com relevante capacidade técnica era suficiente. Hoje, também é preciso gerar um impacto positivo na sociedade”, avaliou.

Um dos destaques do evento foi a presença de Cláudio Maes, economista da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ele faz parte do Laboratório de Inovação Financeira, que fomenta o empreendedorismo por meio de novas alternativas de investimento e financiamento, com a participação de representantes do Banco Central, de instituições financeiras e de outros agentes relevantes do mercado.

De acordo com Maes, um dos objetivos do laboratório, que também conta com a participação da advogada Rachel Sampaio, do escritório Marins Bertoldi, é encontrar métodos para transformar impacto social em valor monetário.
Outro debatedor no evento foi Alexandre Lindenbojm, fundador da Wright Capital Wealth Management, gestora independente de patrimônio de famílias, indivíduos e instituições que buscam, além da rentabilidade, a transformação social e ambiental por meio de seus investimentos. Ele detalhou que, se apenas 1% do valor atualmente aplicado em produtos de renda fixa no Brasil fosse destinado para os investimentos de impacto, haveria um capital disponível para alocação de aproximadamente R$ 1,4 bilhões.

Já Fernando Simões, sócio-diretor da Bemtevi Investimento Social, defendeu que a sociedade está migrando da era da competição para a era da colaboração. “Não devemos esquecer que o dinheiro não é um fim, mas sim um meio para atender as necessidades da sociedade. Hoje, as lideranças inspiradoras são as pessoas que geram impacto social relevante na sociedade”, disse. O dançarino e coreógrafo, Octávio Nassur, explicou de que forma capta recursos e desenvolve eventos e projetos artísticos que transformam a vida das pessoas, como o FIH2, Festival Internacional de Hip Hop.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top