You are here
Home > Artigos > Fundos Imobiliários no Brasil: oferta recorde revela ótima opção de investimento

Fundos Imobiliários no Brasil: oferta recorde revela ótima opção de investimento

Os juros baixos, menor taxa de vacância em imóveis comerciais e maior conscientização e educação financeira da população impulsionaram a oferta de fundos imobiliários, que chegou a R$ 10,2 bilhões no Brasil, o maior volume desde 2013. Segundo a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), até semana passada, R$ 10,2 bilhões em ofertas de FII’s haviam sido registradas. Segundo dados da B3, entre setembro de 2017 e setembro de 2018, o número de investidores neste tipo de fundo cresceu 65%, chegando em 177,98 mil.

Com um crescimento não observado em nenhum outro setor do mercado financeiro, a primeira pergunta que se vem à cabeça é: os FIIs são realmente um investimento vantajoso? A quem se destinam? E por que ele vem ganhando tamanho espaço no mercado brasileiro?

Os FIIs nada mais são que condomínios de investidores em que o gestor do fundo tem a responsabilidade de alocar o dinheiro dos cotistas em investimentos imobiliários. Além de imóveis, o dinheiro também pode ir para papéis de renda fixa, CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários e LCI – Letras de Crédito Imobiliário.

Por isso, ao invés de comprar diretamente um imóvel, o investidor compra uma cota de um fundo que vai aplicar em diferentes imóveis. Deste modo, o rendimento da aplicação vem dos valores cobrados dos aluguéis desses empreendimentos.

Por essas características, os FIIs dão a possibilidade de investimento em imóveis de grande porte, mais facilidade de compra e venda, renda mensal, tranquilidade e proteção contra a inflação. Além disso, outra vantagem para quem aprende a investir nesses fundos é a exposição imobiliária diversificada, o que reduz o risco do investimento.

Após as eleições, com um cenário de relativa melhora das incertezas do mercado também ficaram reduzidas as taxas de vacância, especialmente em mercados estratégicos como São Paulo. Aliadas à redução da taxa de juros o cenário ainda se mostra mais ideal para o investidor. Ainda há espaço para crescer ainda mais.

O artigo foi escrito por por Marcos Baroni, que é vice-presidente de Fundos Imobiliários da casa de análise de investimentos Suno Research.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top