You are here
Home > Finanças > Perto do Natal, consumidores buscam entender melhor a fatura do cartão de crédito para comprar

Perto do Natal, consumidores buscam entender melhor a fatura do cartão de crédito para comprar

Este ano, o Natal deve ser promissor. Segundo estimativas da FecomércioSP, a data deve ter a maior cifra registrada desde 2013. A projeção de receita da entidade é de R$ 65,14 bilhões em dezembro, 4% a mais do que no ano passado. Nesse cenário, o cartão de crédito é um aliado importante para garantir que as compras de fim de ano sejam realizadas – mas será que os consumidores conseguem entender totalmente os encargos que pagam quando a conta chega?

Uma pesquisa realizada pela Minsait, empresa de transformação digital da Indra, mostra que não. Na prática, o excesso de informações e a complexidade de conceitos como taxas e encargos dificulta o entendimento do consumidor sobre os valores a serem pagos. Com o objetivo de identificar melhorias na comunicação no processo de pagamento dos cartões, a consultoria fez uma análise em grupos com consumidores de todo o Brasil e listou os principais pontos a serem melhorados pelas instituições do setor.

Um exemplo desse trabalho é a conclusão de que os consumidores acham a disposição das informações confusa e têm dificuldade para entender termos financeiros como juros expressos em porcentagem – preferindo ver valores absolutos, pois dessa forma conseguem ter uma noção real das quantias a serem pagas.

“A fatura do cartão de crédito é uma fotografia em uma determinada data de corte e as entidades deste mercado precisam refletir sobre a efetividade deste canal no processo de educação financeira do cliente. Hoje as instituições possuem diversos canais de relacionamento (Internet, aplicativos, entre outros) que podem ajudar o consumidor a gerenciar suas finanças de maneira mais eficaz”, afirma Oscar Pettezzoni, Diretor Executivo e Líder de Serviços Financeiros da Minsait no Brasil.

Com o objetivo de ajudá-las nessa reestruturação, a consultoria traz cinco grandes pilares que devem ter em mente durante esse processo: Relevância, Transparência, simplicidade, organização e objetividade. Isso pode se traduzir em ações práticas que vão impactar o consumidor de maneira positiva, como:

Apresentar a dívida em valores absolutos e não em percentual;

Mostrar informações de maneira estruturada por blocos,

Clareza nas alternativas de pagamento (caso o valor total não possa ser pago) e

Informações organizadas a respeito do consumo por segmento.

Os resultados foram obtidos com base em pesquisa com brasileiros de 25 a 45 anos em cinco regiões brasileiras com base nos seguintes requisitos: pessoas que pagaram integralmente todas as faturas nos últimos 6 meses; que pagaram o mínimo ou nada em pelo menos três faturas; e que pagaram o mínimo ou nada em uma ou duas faturas.

“Mesmo de maneira complexa, é importante destacar que o cartão de crédito é o único produto de crédito que envia uma fatura detalhada mensalmente. Outras modalidades como cheque especial, consignado, financiamento de veículos não emitem esse tipo de informe e, portanto, não têm esse elo tão frequente de monitoramento por parte do consumidor. Portanto, o mercado deve avaliar a efetividade da fatura não só como um demonstrativo mensal, mas sim como uma oportunidade de melhorar o relacionamento com o cliente, ajudando-lhe em termos de orientação e educação financeira”, finaliza Pettezzoni.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
http://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top