Futuro do mercado de varejo e bens de consumo preocupa CEOs

Grandes mudanças estão previstas na indústria do varejo e de bens de consumo. É o que aponta o recorte do setor da pesquisa “16th Annual Global CEO Survey”, que traz o uso de mídias sociais, smartphones e compras online como um grande desafio para os CEOs. De acordo com a pesquisa, 37% dos representantes das grandes empresas estão “extremamente preocupados” e outros 37% consideram-se “um pouco preocupados” com a mudança de hábitos e comportamento de gastos dos consumidores.

Entre as ações que serão tomadas ao longo de 2013, 53% deles apontam a melhoria dos serviços prestados como prioridade; mais de quatro em cada cinco CEOs pretendem mudar suas estratégias para conquistar o crescimento e fidelização dos seus clientes e 43% dos varejistas classificam como “drásticas” as mudanças que precisam ser feitas para se adequar ao novo panorama apresentado.

Para seguir a tendência de seus clientes e dos clientes em potencial, os CEOs sabem da importância de investir na experiência participativa que a mídia social oferece para ajudar a construir a marca e a reputação de uma empresa. Em um estudo à parte realizado pela PwC recentemente, descobriu-se que quase 50% dos compradores online olham sites de mídias sociais diariamente, o que  influencia em sua decisão de compra. Desta forma, eles encaram as rápidas mudanças tecnológicas como uma oportunidade de crescimento e não mais como um risco para o mercado.

A maioria dos CEOs de bens de consumo (57%) e 61% dos CEOs de varejo dizem que estão mudando suas estratégias nas mídias sociais e planejam aumentar esforços na área. “A experiência do usuário e sua interação nas mídias sociais pode ajudar a construir uma boa reputação das marcas e aumentar as vendas. Os líderes já percebem que investir na a criação de ações diferenciadas compensa. Portanto, não é surpreendente que eles mudem de estratégia para alcançar os usuários de mídias sociais”, explica Jorge Inafuco, especialista em varejo e bens de consumo da PwC Brasil.

Outro ponto que mantém 29% dos CEOs de bens de consumo “extremamente preocupados” é o alto preço das matérias-primas e da energia. Os líderes avaliam os altos custos prejudiciais para o crescimento. Quase dois em cada cinco CEOs possuem planos para conseguir um aumento em seu investimento na obtenção de recursos naturais nos próximos três anos e 19% possuem estes recursos como prioridade de investimento no próximo ano. Em contrapartida, 78% dos varejistas preveem uma “diminuição ou nenhum aumento no investimento” ao longo dos próximos anos, contando com parceiros para fortalecer suas estratégias e planejamentos.

Diante deste quadro, os CEOs passam a avaliar cuidadosamente outras oportunidades de investimento. Apesar de verem perspectiva de crescimento doméstico, com 39% para o varejo e 29% para os bens de consumo, os CEOs também apostam no crescimento de países emergentes em 2013, acreditando no potencial de compra da classe média. O Brasil está entre os países melhor avaliados e a China ocupa o topo da lista.

Senai inicia atividades de oito institutos de inovação até 2014

rafael_lucchesiO diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Rafael Lucchesi (foto), anunciou nesta segunda-feira (1º),  em Berlim, o início das atividades de oito Institutos Senai de Inovação. O primeiro deles – de eletroquímica – começará a funcionar ainda neste ano em Curitiba. Os outros sete  devem começar as atividades até o fim de 2014. Implantados em cidades onde o Senai já oferece serviços de inovação, os Institutos ajudarão a indústria brasileira a colocar no mercado produtos de maior valor agregado e ganhar competitividade.

Os oito Institutos Senai de Inovação que começarão as atividades até 2014 são: Curitiba: eletroquímica; Porto Alegre: polímeros; Florianópolis: sistemas embarcados (tecnologia da informação); São Paulo: micromanufatura; Rio de Janeiro: sistemas virtuais (soluções de planejamento de fábricas); Belo Horizonte: tecnologias de superfícies; Salvador: soldagem e conformação e Natal: energias renováveis (eólica e solar).

A previsão é que, até 2015, todos os 24 Institutos Senai de Inovação estejam funcionando. Neles, serão desenvolvidos projetos para todos os portes de empresas. Os institutos facilitarão os processos de pesquisa e desenvolvimento das grandes empresas e ajudarão as pequenas e médias indústrias a inovar e formar parques tecnológicos.   “A inovação é o principal fator de competitividade na indústria. Por isso, queremos criar no Brasil uma rede que opere de forma similar ao que ocorre na Alemanha”, afirmou Lucchesi, durante visita técnica ao Instituto Fraunhofer, em Berlim. A instituição alemã tem 66 unidades.

Até esta terça-feira (2º), Lucchesi e os presidentes das 14 federações de indústrias de estados que receberão os 24 Institutos Senai de Inovação discutem com técnicos do Fraunhofer os detalhes para o início das atividades. O modelo adotado pela Alemanha desde 1946, que integra instituições de pesquisa, empresas e governo, vai inspirar o funcionamento dos institutos no Brasil.

Conforme o diretor do Fraunhofer IPK, Eckart Ulhmman, o Brasil está em um momento propício para promover a inovação. “A indústria tem consciência de que só será mais competitiva se inovar”, destacou Ulhmman.   O vice-presidente do Instituto Fraunhofer Alexander Kurz  ressaltou que o processo de inovação deve ocorrer, principalmente, entre as pequenas e médias empresas. “Sabemos que inovação é considerado um processo caro, mas aqui desenvolvemos projetos que custam cerca de 3 mil euros com impacto e retorno altos. O Brasil pode seguir o mesmo caminho com os Institutos do Senai”, avaliou Kurz.

Os investimentos previstos para a criação dos institutos de inovação fazem parte das ações do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria, que receberá investimentos da ordem de R$ 3 bilhões. Desse total, R$ 1,5 bilhão vem de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a outra parte, de recursos próprios do sistema indústria. Os oito institutos anunciados em Berlim foram os primeiros a prepararem o plano de negócios para o BNDES, por isso já podem ter acesso aos recursos.

Além do Fraunhofer, o Senai já realizou parcerias com o Massachussets Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos, o Instituto Politécnico de Milão, além de organizações na China e em Israel, para fortalecer a inovação no Brasil. Ainda dentro do Programa de Apoio à Competitividade da Indústria, o SENAI vai implementar 66 Institutos SENAI de Tecnologia (ISTs) em todo o país. Eles oferecerão serviços laboratoriais, consultorias técnicas especializadas e desenvolvimento de produtos e processos industriais. Os ISTs serão especializados em setores priorizados no Plano Brasil Maior, do governo federal, tais como: tecnologia da informação, construção civil, alimentos e bebidas, química, petroquímica, automação e TI, entre outros.

Laboratórios como esses são uma necessidade urgente do país. Para se ter ideia, se uma montadora brasileira quiser testar um novo modelo de motor flex para veículos antes de colocar o produto à venda, por exemplo, terá de esperar em uma fila de até nove meses. Isso porque os laboratórios que fazem esse tipo de avaliação estão com uma demanda muito superior ao que podem atender. Esse é apenas um exemplo, que pode ser estendido para uma grande gama de produtos que já poderiam estar no mercado interno e internacional. Os institutos de tecnologia também poderão ofertar cursos técnicos de alto nível e cursos de graduação para a formação de mão de obra qualificada para atender as necessidades da indústria.

TIM reduz tarifas de roaming internacional em até 60%

A TIM aposta na temporada de férias e lança uma oferta para diminuir os gastos dos usuários com telefonia celular durante as viagens internacionais. A partir deste mês, os clientes dos planos Pré-Pagos,Planos Controle (Liberty Controle, Liberty Controle Express, Infinity Controle e Conta Fixa) e Liberty Express terão até 60% de desconto na comunicação durante as suas viagens para países dos cinco continentes, inclusive para os principais destinos dos brasileiros no exterior como Estados Unidos, Itália, Argentina, Inglaterra, França, Espanha, Portugal e Austrália. Já os assinantes dos planos pós-pagos podem usar o Liberty Passport, que permite utilizar voz e dados por um preço fixo por 24 horas, para cada serviço.

Válida até setembro, a promoção para os assinantes de planos pré-pagos e Controle poderão realizar chamadas a R$ 1,99/minuto. Para quem não quiser deixar de atualizar as redes sociais, acessar emails e as notícias pelo celular, o valor é de R$ 12,90/MB, uma redução de 60% se comparada aos valores habituais. Já o envio de mensagens diminuiu de R$ 1,50 para R$ 0,99, o que representa queda de 34%. Já para os clientes do plano pós-pago Liberty Express, aqueles que utilizam o pagamento via cartão de crédito, as chamadas passarão de R$ 2,99 para R$ 1,99/minuto e o envio de SMS custará R$ 0,99. O serviço de dados continua com o valor de R$ 9,90/MB.

Para os assinantes de planos pós-pagos, a TIM oferece o Liberty Passport, que permite o uso dos serviços de voz e de dados, pagando um valor único por um período de 24 horas contadas a partir do primeiro minuto de chamada feita ou conexão realizada. Com esta opção, os clientes terão 50 minutos para utilizar em ligações para números TIM e para o país onde se encontra, além do benefício de receber chamadas ilimitadas sem custo adicional. Os valores das ofertas variam de acordo com o continente visitado e custam custar a partir de R$ 29,90 por serviço.

A TIM foi a primeira operadora no Brasil a oferecer Roaming Internacional para planos pré-pagos. Para participar da promoção, clientes desses planos devem apenas solicitar a ativação do Roaming Internacional pelo número *144 ou no site da operadora: www.tim.com.br. Não há faturas nem surpresas na conta no retorno para casa e o cliente pode acompanhar o saldo restante conforme o uso. Também é possível operar recargas no exterior de forma prática, segura e simples: basta acessar o número *244 do próprio celular ou utilizar o Recarga Express em tim.com.br/recarga

Os clientes TIM pertencente aos planos pessoa física não precisam ativar o serviço de roaming internacional antes de embarcar, pois ele estará disponível automaticamente após o pagamento da primeira fatura do plano contratado. Clientes corporativos devem ativar no momento da contratação da linha ou posteriormente, através do administrador de contrato, ligandoo *144. O cliente será cobrado somente pelos dias em que usar. Em caso de dúvidas sobre o serviço durante a viagem, o cliente TIM pode ligar gratuitamente de seu celular para o serviço de atendimento pelo número +55 11 2847-6144. Também é possível ligar a cobrar para a Central Especializada em Roaming Internacional da operadora a partir de um número fixo.

No site da TIM, o cliente encontra todas as informações sobre o serviço de roaming. Há detalhes sobre aparelhos disponíveis, frequências de cada país, tarifas cobradas, além de curiosidades sobre a cultura, clima, moeda e idiomas locais, necessidade de visto para entrar no país,  diferenças de fuso horário em relação ao Brasil e telefones úteis.

Protesto de condômino devedor é adotado em 28% dos prédios de São Paulo

título protestadoCinco anos após a vigência da lei estadual que autoriza a inscrição de condôminos devedores em serviços de proteção ao crédito por meio de protesto, 28% dos condomínios residenciais de São Paulo colocaram a medida em prática. É o que aponta levantamento da Lello, empresa líder em administração condominial no estado, com 18 filiais na capital, ABC, interior e litoral. A medida auxilia no controle da inadimplência condominial. Antes que seja adotada, a Lello sugere sua discussão e aprovação pela assembleia de moradores, o que também contribuirá para dar publicidade ao ato junto a todos os condôminos. De 1,7 mil condomínios administrados pela Lello, 476 aprovaram o protesto automático. Desses, 48% autorizam “sujar” o nome do condômino devedor, via protesto, após 90 dias da data de vencimento, e 46% depois de 60 dias. Apenas 6% autorizam o protesto após apenas 30 dias do vencimento do boleto.

A negativação por meio de protesto exige que o condomínio dê entrada no pedido em cartório, por meio de requerimento assinado pelo síndico ou pela administradora. Decorrido o prazo estabelecido o protesto é lavrado e o CPF do devedor, restringido no banco de dados oficial do poder público e nas associações particulares, a exemplo do Serasa e do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

A adesão ao protesto varia conforme a região da cidade, chegando a 49,2% na Vila Mariana, 43,3% no Morumbi, 34,5% em Santana, 14,7% no Tatuapé, 13,6% nos Jardins e 13% em Perdizes.  Entre os condomínios administrados pela Lello no ABC o protesto atinge 21,4%. Já no Guarujá e Riviera de São Lourenço o índice é de 19,4%. Nos últimos três anos a Lello protestou realizou um total de 1.226 protestos de condôminos em atraso.  “O protesto de condôminos inadimplentes é uma medida que pode ser eficaz, uma vez que restringe o acesso das pessoas a crédito para compras e auxilia uma solução mais rápida para o problema. É importante que, além de a aprovação da assembleia, os condomínios estabeleçam um prazo para o encaminhamento do boleto para protesto. O recomendável é que este prazo seja de 60 dias após o vencimento. Desta forma haverá tempo hábil para a realização de cobrança amigável, que sempre é menos traumática”, diz Carlos Henrique, gerente de Cobrança da Lello Condomínios.

O gerente recomenda alguns cuidados especiais aos condomínios, como divulgar no boleto a inscrição “sujeito a protesto conforme lei nº 13.160 de 21 de julho de 2008”. “E é preciso ter cuidado para protestar apenas o proprietário do apartamento, isto é, aquele em nome do qual o imóvel está efetivamente registrado”, diz o gerente da Lello.

Correios prepara nova licitação de franquias

correios-franquia-Os Correios promoveram na sexta-feira (28), em Brasília (DF), audiência pública para recolher sugestões da sociedade para realização de uma nova licitação de agências franqueadas. A vice-presidente de Clientes e Operações, Glória Guimarães, destacou a importância dos franqueados para a expansão da rede de atendimento dos Correios e ressaltou que o novo processo tem como objetivo alcançar um resultado ainda melhor que o da licitação anterior, realizada em 2011. Todas as dúvidas e as sugestões apresentadas, bem como as respostas da empresa, serão publicadas no site dos Correios (www.correios.com.br) até o dia 9 de julho. A expectativa é lançar o edital definitivo no segundo semestre deste ano.

Com a nova licitação, os Correios irão ampliar sua rede de agências franqueadas em todo País — hoje são cerca de 1,1 mil lojas no Brasil — de forma a atender ao aumento da demanda pelos serviços postais e à prestação de serviços à população. A expansão vai ao encontro das políticas de modernização da empresa e segue determinação legal, como a de promover a universalização postal e a melhoria do atendimento ao público.

As franquias contam hoje com estrutura acessível a pessoas com mobilidade reduzida, imóveis compatíveis com a quantidade de guichês, sistema de atendimento on-line e equipamentos adequados. A franquia postal é regida por lei e permite à pessoa jurídica de direito privado a execução de atividades auxiliares.

Hoje as lojas franqueadas representam 14% da rede de atendimento dos Correios no Brasil, formada por 7.477 agências, sendo que mais de 6,3 mil são unidades próprias.