Abimaq defende reformas política e tributária imediatas

Luiz Aubert“Reforma Política, Já e Reforma Tributária, ao mesmo tempo”. Assim, provavelmente, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) se manifestaria, durante os protestos em curso pelo país”. A declaração foi feita pelo presidente da Abimaq Luiz Aubert Neto (foto) durante a apresentação dos números indicativos da produção e faturamento do setor referente ao mês de maio, nesta quarta-feira (26).  Na sua opinião, a reforma política se tornou prioridade, pois, na estrutura atual, com 34 partidos e 39 ministérios, o país se torna ingovernável. “Tenho certeza de que os resultados obtidos por meio de protestos ordeiros e coordenados trarão novos horizontes para o Brasil”, salientou.

A entidade se sente “a caráter” para apoiar esses movimentos, pois idealizou, em 2012, o “Grito de Alerta”, um manifesto em favor da produção e do emprego, reunindo milhares de pessoas nos atos programados para todo o território nacional. A iniciativa teve por objetivo contribuir para a construção de um Brasil próspero, agregando representantes de trabalhadores e empresários.

Conforme o presidente, a Abimaq finaliza projetos para combater a estagnação com que a indústria de transformação vem convivendo nos últimos anos. Um dos primeiros a ser apresentado ao Governo será o “inovar máquinas”, nos mesmos moldes do programa de modernização da frota de veículos, sem subsídio estatal.

Outro projeto, o “Mais Investimento” se justifica pela comprovação de que 53% dos associados da Abimaq não conseguem emitir uma certidão negativa de débito, por estarem inadimplentes com o fisco.
A idéia é implantar um espécie de Refis voltado para o investimento, com a indústria proporcionando a contrapartida com o aumento do faturamento e a manutenção dos níveis de emprego, sem deixar de cumprir seus compromissos tributários. “A medida trará efeito positivo para o governo em médio prazo”, garante Aubert.

A indústria de máquinas e equipamentos fechou o mês de maio com faturamento bruto real de R$ 7,2 bilhões, resultado que representa alta de 8,9% sobre o mês de abril.  Na comparação com maio de 2012, o faturamento bruto real recuou 1,7%. Segundo a Abimaq, nos primeiros cinco meses de 2013, o setor faturou R$ 30,8 bilhões, o que representa queda de 7,6% sobre igual período do ano passado.

O consumo aparente de máquinas e equipamentos atingiu R$ 10,1 bilhões em maio, alta de 0,6% ante abril. Em relação a maio de 2012, houve um recuo de 8,9%. Nos cinco primeiros meses deste ano, o consumo aparente totalizou R$ 47,3 bilhões, alta de 2,4% sobre igual período de 2012.

As exportações somaram US$ 1,03 bilhão em maio, alta de 14,1% ante abril e recuo de 8,5% ante o mesmo mês do ano passado. Já as importações totalizaram US$ 2,65 bilhões no mês passado, queda de 4,3% ante abril e recuo de 14,2% ante maio de 2012.

No acumulado do ano, até maio, as exportações somam US$ 4,4 bilhões, com baixa de 16,4% em relação ao mesmo período de 2012, enquanto as importações totalizavam US$ 13,2 bilhões, o maior valor já alcançado para o período, que corresponde a um avanço de 1,5%.

Os dados da Abimaq mostram que o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) do setor fechou maio em 73,97%, índice 0,3% inferior ao resultado de abril, de 74,18%. Em maio, o setor somou 259.360 empregados, alta de 0,2% na força de trabalho em relação ao mês anterior. Comparado a maio de 2012, o número representa avanço de 0,7%.

O déficit comercial do setor apresentou queda de 13,3% de abril para maio, para US$ 1,6 bilhão. Ante maio de 2012, o resultado representa queda de 17,5%. No acumulado do ano, o déficit chegou a US$ 8,7 bilhões, alta de 13,7% sobre igual período do ano passado.

Sicredi libera recursos para Plano Safra 2013/2014

Manfred Dasenbrock: "Vamos aumentar os recursos destinados ao agronegócio"
Manfred Dasenbrock: “Vamos aumentar os recursos destinados ao agronegócio”

O Plano Safra 2013/2014 do Sicredi, instituição financeira cooperativa, foi lançado em evento promovido pela Central PR/SP, em Curitiba. Há projeção de liberar R$ 7,6 bilhões em crédito rural em todo o país, com previsão para cerca de 165 mil operações a partir de 1º de julho, data de início do ciclo 2013/2014. Com isso, o Sicredi pretende bater mais um recorde na disponibilização de recursos, mantendo a posição de destaque entre os maiores agentes de crédito rural do Brasil.

Os valores a serem liberados nos estados do Paraná e São Paulo chegam a R$ 1,9 bilhão, um crescimento de 19% em relação à ultima safra – incluindo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura familiar), que terá R$ 503 milhões, Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural), com R$ 560 milhões, e demais linhas de crédito rural, que somadas chegam a R$ 868 milhões em recursos. “Mais uma vez, vamos aumentar os recursos destinados ao agronegócio, atendendo à demanda dos nossos associados”, adianta o presidente da Central PR/SP e da Sicredi Participações S/A, Manfred Dasenbrock (foto).

A liberação de recursos pelo Sicredi registra crescimento constante em valores e em número de operações nos últimos anos, no país. Enquanto no Plano Safra 2010/2011 foram liberados R$ 4,3 bilhões em 145 mil operações em todo o Brasil, no ciclo 2012/2013 – que está se encerrando, o montante é de R$ 6,3 bilhões, em 155 mil financiamentos. Também foi registrada redução nos índices de inadimplência de crédito rural e recursos direcionados, de 0,65% para 0,22%, de março de 2012 para março de 2013, reflexo da natureza cooperativa do negócio.

O gerente de Crédito Rural do Banco Cooperativo Sicredi, Antonio Sidinei Senger, recomenda que, antes de solicitar o crédito, o associado faça o planejamento da próxima safra – o que vai plantar, qual a área de cultivo e o orçamento necessário com base na análise de solo e sob orientação técnica sobre o uso dos insumos e os demais serviços que serão utilizados. “Com todas as informações em mãos, o associado pode procurar a sua unidade de atendimento para dar andamento na proposta e demais procedimentos para aprovação e liberação do crédito”, complementa Senger.

Crédito da foto – Rafael Danielewicz

Empresários e chefes organizados administram melhor suas empresas e têm mais qualidade de vida

organizaçãoA pressão constante para que as empresas produzam  cada vez mais, com menos recursos e custos, para que seja competitiva e obtenha melhores resultados financeiros, obriga empresários e colaboradores a organizar metas e tarefas para que elas não se percam no decorrer do dia.

Diante do grande número de informações recebidas pela internet e pelos meios de comunicação, é preciso saber lidar com o tempo, com as pessoas e com a tecnologia de maneira inteligente para que realmente possam ser produzidos resultados eficazes.

Mas será que os empresários e chefes sabem o que significa ser organizado? Em primeiro lugar, é saber focar em tarefas que importam mais em termos de resultados. Ser organizado é dedicar menos tempo e energia combatendo crises e incêndios. Por exemplo, se um problema surgir, respire fundo e tente corrigir o que for possível. Não se deve perder a cabeça, deixando que o problema abale o resto do dia.  Continue focado no trabalho e não permita que  o nervosismo contamine todo o ambiente de trabalho.

Empresários e chefes jamais devem se esquecer que quem é organizado administra melhor o próprio tempo e, portanto, consegue ter mais tempo para a família e amigos; mais tempo para praticar atividades físicas; maior satisfação pessoal e menos stress e fadiga no dia a dia.

Paranaenses são os mais interessados em educação financeira

Lançado há dois meses, o portal Eu Planejo 360°, da seguradora Mongeral Aegon, constatou que os paranaenses estão mais dispostos em fazer um planejamento financeiro. O relatório de visitas ao site mostra que os internautas do Paraná possuem 40% de interesse, à frente de usuários do Rio Grande do Sul (39%) e de São Paulo (36%). O monitoramento considerou o número de páginas acessadas e o tempo de permanência em cada uma delas, média de 14 minutos e 12 segundos.

O estado do Paraná possui atualmente 2.387 corretores. Em Curitiba o número de corretores chega a 1.218 e no interior do estado totaliza 1.169. As companhias Seguradoras participam com 1,1% do Produto Interno Bruto do Paraná e no ranking nacional o mercado segurador paranaense ocupa o quarto lugar.

O portal Eu Planejo 360° (www.euplanejo360.com.br) é um canal de relacionamento desenvolvido com o objetivo de despertar no usuário a importância do planejamento financeiro na construção do seu futuro. Os conteúdos abordam temas do dia a dia das finanças pessoais e sinalizam caminhos para a realização dos sonhos e projetos particulares.

 

Foz do Iguaçu recebe encontro de líderes de tecnologia de informação

Acontece nos próximos dias 4 e 5, em Foz do Iguaçu, o 18º Encontro Paranaense de Líderes de Arranjos Produtivos Locais (APLs) de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). O evento, realizado pelo APL Iguassu-IT, com apoio da Assespro-Paraná e do Sebrae/PR, tem como objetivo a discussão dos rumos do setor e o fortalecimento das alianças entre as empresas do nosso estado. Todas as reuniões do encontro ocorrem no Hotel San Juan Eco e, pela primeira vez, serão dois dias de evento, onde os empresários e o público em geral poderão participar de discussões e apresentação de casos de sucesso de empresas do Paraná.

Para Leandro Scalabrin, coordenador do APL Iguassu-IT, o encontro é um importante meio de difusão de ideias e troca de experiências. “Queremos fortalecer e avançar as linhas de ações dos APLs e aumentar a sinergia entre os empresários para podermos gerar negócios”, afirma.  Na visão de Sandro Molés, presidente da Assespro-Paraná o evento é uma excelente oportunidade para observar o setor. “O momento é de empreender, temos que ouvir cuidadosamente esses casos de sucesso para fazer com que outras empresas paranaenses também se desenvolvam e possam contribuir com a área de TI”, diz.

Ainda sob a perspectiva de Molés, o encontro também é uma maneira de fomentar novas iniciativas e alianças. “É importante que esses empresários estejam abertos às novas ideias e, que dessa forma, invistam em projetos inovadores para o setor”, atenta. Scalabrin também fala sobre “I Encontro de Empresários de TIC do estado”, que faz parte das atividades do 18º encontro. “Os casos que apresentaremos são fruto de parcerias concretas e experiências de sucesso dos empreendedores da área, o que demonstra a qualificação do setor e como a união pode fortalecer ainda mais os negócios”, conclui.

O encontro será aberto ao público até o meio dia de sexta-feira. Na parte da tarde, já reunindo apenas os empresários dos APLs, acontecem as reuniões fechadas dos grupos de trabalhos dos APLs: qualificação humana, inteligência de mercado e políticas públicas.