Empresários e chefes organizados administram melhor suas empresas e têm mais qualidade de vida

organizaçãoA pressão constante para que as empresas produzam  cada vez mais, com menos recursos e custos, para que seja competitiva e obtenha melhores resultados financeiros, obriga empresários e colaboradores a organizar metas e tarefas para que elas não se percam no decorrer do dia.

Diante do grande número de informações recebidas pela internet e pelos meios de comunicação, é preciso saber lidar com o tempo, com as pessoas e com a tecnologia de maneira inteligente para que realmente possam ser produzidos resultados eficazes.

Mas será que os empresários e chefes sabem o que significa ser organizado? Em primeiro lugar, é saber focar em tarefas que importam mais em termos de resultados. Ser organizado é dedicar menos tempo e energia combatendo crises e incêndios. Por exemplo, se um problema surgir, respire fundo e tente corrigir o que for possível. Não se deve perder a cabeça, deixando que o problema abale o resto do dia.  Continue focado no trabalho e não permita que  o nervosismo contamine todo o ambiente de trabalho.

Empresários e chefes jamais devem se esquecer que quem é organizado administra melhor o próprio tempo e, portanto, consegue ter mais tempo para a família e amigos; mais tempo para praticar atividades físicas; maior satisfação pessoal e menos stress e fadiga no dia a dia.

Paranaenses são os mais interessados em educação financeira

Lançado há dois meses, o portal Eu Planejo 360°, da seguradora Mongeral Aegon, constatou que os paranaenses estão mais dispostos em fazer um planejamento financeiro. O relatório de visitas ao site mostra que os internautas do Paraná possuem 40% de interesse, à frente de usuários do Rio Grande do Sul (39%) e de São Paulo (36%). O monitoramento considerou o número de páginas acessadas e o tempo de permanência em cada uma delas, média de 14 minutos e 12 segundos.

O estado do Paraná possui atualmente 2.387 corretores. Em Curitiba o número de corretores chega a 1.218 e no interior do estado totaliza 1.169. As companhias Seguradoras participam com 1,1% do Produto Interno Bruto do Paraná e no ranking nacional o mercado segurador paranaense ocupa o quarto lugar.

O portal Eu Planejo 360° (www.euplanejo360.com.br) é um canal de relacionamento desenvolvido com o objetivo de despertar no usuário a importância do planejamento financeiro na construção do seu futuro. Os conteúdos abordam temas do dia a dia das finanças pessoais e sinalizam caminhos para a realização dos sonhos e projetos particulares.

 

Foz do Iguaçu recebe encontro de líderes de tecnologia de informação

Acontece nos próximos dias 4 e 5, em Foz do Iguaçu, o 18º Encontro Paranaense de Líderes de Arranjos Produtivos Locais (APLs) de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). O evento, realizado pelo APL Iguassu-IT, com apoio da Assespro-Paraná e do Sebrae/PR, tem como objetivo a discussão dos rumos do setor e o fortalecimento das alianças entre as empresas do nosso estado. Todas as reuniões do encontro ocorrem no Hotel San Juan Eco e, pela primeira vez, serão dois dias de evento, onde os empresários e o público em geral poderão participar de discussões e apresentação de casos de sucesso de empresas do Paraná.

Para Leandro Scalabrin, coordenador do APL Iguassu-IT, o encontro é um importante meio de difusão de ideias e troca de experiências. “Queremos fortalecer e avançar as linhas de ações dos APLs e aumentar a sinergia entre os empresários para podermos gerar negócios”, afirma.  Na visão de Sandro Molés, presidente da Assespro-Paraná o evento é uma excelente oportunidade para observar o setor. “O momento é de empreender, temos que ouvir cuidadosamente esses casos de sucesso para fazer com que outras empresas paranaenses também se desenvolvam e possam contribuir com a área de TI”, diz.

Ainda sob a perspectiva de Molés, o encontro também é uma maneira de fomentar novas iniciativas e alianças. “É importante que esses empresários estejam abertos às novas ideias e, que dessa forma, invistam em projetos inovadores para o setor”, atenta. Scalabrin também fala sobre “I Encontro de Empresários de TIC do estado”, que faz parte das atividades do 18º encontro. “Os casos que apresentaremos são fruto de parcerias concretas e experiências de sucesso dos empreendedores da área, o que demonstra a qualificação do setor e como a união pode fortalecer ainda mais os negócios”, conclui.

O encontro será aberto ao público até o meio dia de sexta-feira. Na parte da tarde, já reunindo apenas os empresários dos APLs, acontecem as reuniões fechadas dos grupos de trabalhos dos APLs: qualificação humana, inteligência de mercado e políticas públicas.

Rede Spoleto abre nova franquia em Curitiba

Spoleto-ParmaCuritiba recebe mais uma franquia Spoleto, expandindo sua atuação em toda região Sul. Considerada a maior rede de culinária Italiana do Brasil, a nova loja chega à capital paranaense dentro do formato Spoleto 21, um sistema que agrega o conceito de sustentabilidade, incluindo aperfeiçoamento de práticas e atividades que vão desde o preparo dos pratos até a logística de descarte de resíduos. A loja é comandada pelas empresárias Gabriela Folador e Christiane Jansen, ambas com vasta experiência na área. As duas administram, além da franquia do Shopping Estação, também a loja do ParkShoppingBarigüi e aguardam a abertura de mais um restaurante localizado no Shopping Mueller.

O restaurante já está atendendo com uma deliciosa campanha, a Sabores de Parma, com produtos típicos da região italiana. O lançamento do menu premium reforça a missão do Spoleto de democratizar a alta gastronomia, introduzindo produtos gourmet da culinária italiana no cotidiano do restaurante e por um preço acessível.  Para isso, a rede visitou três fábricas na Itália a fim de viabilizar o projeto inédito de introduzir itens gourmet como o presunto cru nas praças de alimentação. Este cardápio também está sendo servido na loja do ParkShoppingBarigüi.

Com esta nova unidade, o Spoleto passa a contar com cinco lojas no Paraná e 12 em toda a região Sul, que respondem por 5% de toda a rede no país. Atualmente existem lojas em Curitiba (no ParkShoppingBarigui), Cascavel, Londrina e Maringá. A projeção de faturamento na região Sul é crescer 8% em 2013.

A unidade sustentável, intitulada Spoleto 21, objetiva reduzir custos e otimizar os processos – respeitando os três pilares da sustentabilidade –, ganhando em eficiência e rentabilidade. Sua implantação significa uma redução de 40% de água, com a utilização de novo sistema de lavagem dos utensílios, e de25% de energia, através de tecnologias diferenciadas para o preparo dos pratos; diminuição do quadro de funcionários com maior remuneração salarial da equipe e economia de 20% no custo das obras. Para obter esses números, o projeto exclui o consumo de gás, com implantação de fogão elétrico com tecnologia de indução, elimina produtos de limpeza nocivos ao meio ambiente e apresenta tratamento de lixo.

Mesmo sem sistema de coleta seletiva, reciclagem de embalagens PET cresce 12,6%

reciclagem petA reciclagem de embalagens de PET no Brasil deu um salto em 2012 e cresceu 12,6% em volume, ao passar das 294 mil toneladas que tiveram destinação adequada em 2011, para 331 mil toneladas no ano passado. Com esse resultado, o País atingiu um índice de reciclagem de 59%, mantendo seu excelente posicionamento como um dos maiores recicladores de PET do mundo – superando os Estados Unidos e até mesmo a média registrada na Europa. Os números do 9.º Censo da Reciclagem do PET no Brasil foram divulgados nesta quarta-feira (26) pela Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet), durante o  PETtalk 2013 – Conferência Internacional da Indústria do PET, realizado em São Paulo.

“Os números demonstram que existe uma demanda muito forte pelo PET reciclado, criada por um trabalho do próprio setor, que investe continuamente em inovação e novas aplicações para o material reciclado. Esse trabalho criou um ciclo virtuoso. Todo PET coletado tem destinação adequada garantida por uma indústria forte, diversificada e ávida por essa matéria-prima”, afirma Auri Marçon, presidente da Abipet.

O setor têxtil continua sendo o principal consumidor do PET reciclado, com 38,2% de participação, seguido das resinas insaturadas e alquídicas, com 23,9%. Outras embalagens (alimentos e não-alimentos) consomem 18,3% do volume reciclado. Laminados e chapas (6,4%), fitas de arquear (5,5%) e tubos (1,5%) são os outros principais mercados. Os 6,1% restantes ainda abastecem uma lista ampla de pequenas aplicações.

O presidente da Abipet, no entanto, chama a atenção para a necessidade de suprir essa demanda aquecida, sob pena de impacto no preço do produto coletado e consequente comprometimento da sustentabilidade do negócio. “O Brasil precisa investir em coleta seletiva, para que a indústria não seja prejudicada. Em muitos períodos do ano, as empresas recicladoras continuam com ociosidade que chega a 30% de sua produção, porque não encontram embalagem pós-consumo para reciclar”, alerta Marçon.

A solução aponta o executivo, é estimular as prefeituras a implantar, o mais rápido possível, a coleta seletiva e a separação das embalagens recicláveis, de forma a aumentar a recuperação do material descartado pela sociedade. “Isso, na verdade, é o que prega a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que exige responsabilidade compartilhada entre a sociedade civil, o setor privado e também do poder público. A indústria do PET investiu fortemente em reciclagem e hoje esses recicladores passam por um momento difícil, por não terem coleta suficiente para abastecer suas fábricas”, conclui o presidente da Abipet.