FGTS financia imóveis até R$ 350 mil

Nesta quarta-feira (2), entram em vigor as novas regras para o financiamento de imóveis com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Se o setor da construção civil comemorou os resultados de 2007, com as novas regras, 2008 promete ser ainda melhor.

O valor do financiamento dos imóveis que era de até R$ 130 mil passa agora para R$ 350 mil. E quem tem renda superior a R$ 4,9 mil agora também pode participar do programa. As parcelas do empréstimo poderão ser pagas em até 30 anos, com juros de 8,66% ao ano. Ou seja, uma taxa inferior aos financiamentos realizados com recursos da poupança que variam de 9% até 12% ao ano.

Empresas apostam em novos negócios

Construtoras e imobiliárias do Paraná estão apostando nas novas regras do FGTS para o financiamento de imóveis para incrementar ainda mais os seus negócios.

Segundo o diretor comercial da Galvão Planejamento Imobiliário e Vendas, Gerson Carlos da Silva, as pessoas que tinham um poder de compra elevado eram prejudicadas na hora de fazer um financiamento porque a taxa de juros era muito alta. Com essa medida, as condições de pagamento serão bem melhores.

De acordo com o diretor da Hestia Construções e Empreendimentos, Gustavo Selig, até então, os clientes da empresa não se enquadravam no sistema. Com o aumento do valor financiado, quase a totalidade poderá utilizar os recursos do fundo. Volta-se a dar atenção á s classes média e média alta, que não tinham uma linha específica.

O governo prevê destinar recursos da ordem de R$ 1 bilhão para a nova faixa de créditos em 2008.

Cooperativas têm faturamento recorde em 2007

O aumento da produção de grãos, a alta nos preços das commodities agícolas e o bom desempenho dos ramos crédito e saúde impulsionaram os resultados das cooperativas do Paraná, que tiveram um movimento de R$ 18,5 bilhões em 2007, recorde histórico para o setor. Em comparação a 2006, quando o valor movimentado foi de R$ 16,5 bilhões, houve um crescimento de 12%.

Nem mesmo a queda do dólar enfraqueceu os negócios das cooperativas paranaenses no exterior. Em 2007, as exportações das cooperativas alcançaram a casa de US$ 1,1 bilhão, representando uma alta de 29% em relação ao ano passado. Mais produção e rentabilidade proporcionaram um aumento nos investimentos, que foram superiores a R$ 1 bilhão em 2007.

Na luta contra o ICMS Paraná vence os gaúchos

A segunda Cá¢mara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou a sentença favorável á  Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em ação que impugna o recolhimento da diferença do ICMS no momento do ingresso da mercadoria no Estado do Rio Grande do Sul. Com a decisão, as autoridades fazendárias gaúchas estão proibidas de aplicar multas e quaisquer tipo de sanções aos empresários paranaenses, filiados aos sindicatos representados pela Fiep, que não recolherem a diferença do ICMS na entrada das mercadorias no território gaúcho.

A Justiça já havia concedido liminar e sentença favoráveis em mandado de segurança impetrado pela Fiep em junho de 2006. No julgamento do mérito, o TJ do Rio Grande do Sul confirmou a decisão favorável á  Fiep.

A ação da Federação das Indústrias questionava o dever de o vendedor do Paraná recolher a diferença da alíquota interestadual, no momento do ingresso da mercadoria em território gaúcho. Segundo o entendimento da Fiep, o pagamento desta diferença contraria a legalidade tributária.

Paraná será sede de nova empresa coreana

Mais uma empresa coreana opta pela cidade de Apucarana para ampliar seus negócios no Brasil. Depois da Tomboy, que fabrica bonés e brindes, se instalar em Apucarana, agora é a vez da Arimex Internacional Representações/Sewha. A indústria atua no mercado de cosméticos há 42 anos e é responsável pela introdução da marca Rh12+ no Brasil. O parque fabril será construído no Parque Industrial Zona Norte.

Já no primeiro semestre de 2008, a Arimex responderá pela geração de 70 empregos diretos. Até 2011 serão 1.160 novos postos de trabalhos diretos e indiretos.