Paraná é sede de oficina para fortalecimento de micro e pequenas empresas

O Paraná vai sediar nesta terça-feira (7), em Curitiba, a oficina regional de elaboração da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas 2013-2022. O evento – coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – reunirá representantes do poder público, entidades de classe, academia e sociedade organizada do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O objetivo é coletar sugestões e propostas para fortalecer o setor.

Além de Curitiba, as oficinas estão sendo realizadas em mais quatro capitais – Vitória, Manaus, Goiânia, Fortaleza – com temas desde a legislação, tributação, crédito e capacitação de mão de obra até a exportação e desburocratização das micro e pequenas empresas. O documento final reunirá sugestões de todo o país e será submetido à consulta pública.

No Paraná, o evento contará com a participação do coordenador Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fábio Santos Pereira Silva, e da professora da Universidade de Brasília, Ednalva Fernandes Costa de Morais. As inscrições podem ser feitas nos endereços eletrônicos:www.mdic.gov.br/agendanacional ou www.cdt.unb.br/projetoagenda.

Agenda é organizada no Paraná pela Secretaria da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul e pelo Fórum Permanente das Micro e Pequenas Empresas do Estado do Paraná.

Exportação de carne de frango bate novo recorde

frangoO recorde histórico registrado no preço médio em março de 2013 já ficou para trás. Em abril passado, a carne de frango in natura exportada pelo Brasil atingiu o valor, inédito, de US$2.204,17/t, o que significou aumento de 1,65% sobre o mês anterior e de 17,30% em relação a abril de 2012.
Houve recuperação, também, no volume embarcado que somou 307.424 toneladas, aumentando 3,69% e 2,99% em um ano. Foi também o maior volume de produto in natura exportado em 2013.

O corolário desse desempenho só poderia ser uma receita excepcional. Realmente, ela também atingiu valor recorde e somou US$677,615 milhões, o que representa incrementos de 5,40% e 20,80% sobre, respectivamente, o mês anterior e o mesmo mês do ano passado.

Eismann se consolida em Curitiba e expande negócios

A Eismann, líder no mercado europeu de alimentos ultracongelados e primeira do Brasil com atuação na venda direta de alimentos, está investindo R$ 25 milhões no plano de expansão da empresa. Segundo Michael Jennissen, diretor de Operações do Grupo Eismann no Brasil, depois de se consolidar em Curitiba, empresa irá atuar em Santa Catarina, Norte e Sudoeste do Paraná e já estuda novos negócios em outras cidades no Paraná. “Iniciamos as nossas operações em Curitiba com um investimento de R$ 3,5 milhões. Agora, depois de termos escolhido a capital paranaense como o primeiro lugar de atuação fora da Europa, estamos preparados para novos mercados”, diz.

Segundo o diretor de Operações do Grupo Eismann no Brasil, os novos investimentos da marca alcançarão R$ 150 milhões nos próximos dez anos e o objetivo da empresa é aproximar a operação brasileira dos números da matriz alemã, que fatura perto de 250 milhões de euros (R$ 650 milhões) anuais.

TOTVS registra receita líquida de R$ 374,2 milhões no primeiro trimestre do ano

Totvs - logoA TOTVS, líder no Brasil no desenvolvimento de softwares de gestão empresarial, acaba de divulgar seus resultados financeiros do primeiro trimestre de 2013. A empresa registrou, no período, crescimento de receita líquida, lucro líquido e EBITDA. Ainda que o cenário macroeconômico do País seja de desaceleração, a companhia reafirma a confiança em sua estratégia de crescimento e no potencial do mercado brasileiro. A receita líquida no 1º trimestre de 2013 foi de R$ 374,2 milhões, alta de 6,6% em relação ao primeiro trimestre de 2012. Nos últimos 12 meses, o crescimento da receita líquida foi de 8,4%, atingindo R$ 1,4 bilhão. O lucro líquido fechou em R$ 51,9 milhões, avanço de 4% ante o mesmo período do ano passado. O EBITDA foi de R$ 97,5 milhões, com alta de 5,9%. A margem EBITDA consolidada alcançou 26,1%.

A unidade TOTVS de Curitiba cresceu 18% em relação ao mesmo período do ano passado, superando a média nacional. “Em um cenário onde a economia passa por um momento de recuperação principalmente no segmento de manufatura, os resultados são bem positivos, afirma o diretor de Atendimento e Relacionamento da TOTVS Curitiba, Edemar Kluck. A unidade passa por um período de expansão, já que abriu, no mês passado, um novo escritório de negócios em Ponta Grossa (PR). “A região dos Campos Gerais cresce a passos largos e vamos dar todo suporte necessário às empresas para que esse crescimento seja sólido”, destaca.

Atualmente, a empresa já atende dezenas de clientes na região, que abrange mais de 20 municípios do Paraná e tem apresentado um desenvolvimento expressivo. Além de possuir o maior parque industrial do interior do estado, os Campos Gerais estão atraindo investimentos em diferentes áreas. De acordo com o diretor executivo da unidade TOTVS Curitiba e presidente do Conselho de Franquias da TOTVS S/A (CONFRAT), Claudinei Benzi, o novo espaço da empresa em Ponta Grossa tem uma estrutura operacional com escritório, sala de reuniões e área de apoio para a equipe local. “Inicialmente, teremos 20 participantes. Mas a expectativa é chegar a 60 até 2016”, projeta.

Aumento do valor coberto pelo Fundo Garantidor de Crédito deve movimentar setor financeiro

O Fundo Garantidor de Créditos (FGC) deve decidir pelo aumento do valor assegurado pelos investidores, passando dos atuais R$ 70 mil para R$ 250 mil por CPF. Esse valor serve para garantir os valores custodiados pela instituição financeira, que caso passe por dificuldades financeiras o investidor recebe até o valor do teto.

Pela proposta, o objetivo também é contribuir para a liquidez dos bancos de médio porte para atrair para sua base de captação pessoas físicas com maior poder de investimento ou no aumento do que já está investido nas instituições dada a nova garantia. A medida, que tem sido discutida há anos, deve mudar o perfil de investidores com o aumentando o valor médio investido por instituição.

De acordo com Rodrigo Pinheiro, diretor do Conglomerado Financeiro Barigüi, o aumento do valor vai beneficiar a instituição. “Isso porque geralmente o pequeno investidor acaba ficando limitado ao valor de aplicação na casa dos R$ 70 mil em virtude da garantia dada pelo FGC, e muitos aplicam em diversas instituições o valor teto, com o aumento de quase quatro vezes a atual garantia isso muda um pouco o perfil podendo fazer com que novos valores sejam aplicados no Conglomerado Financeiro Barigüi”.