São Mateus do Sul recebe registro de IG da erva-mate, o primeiro da planta no Brasil

Vitor Tioqueta, diretor-superintendente do Sebrae/PR,.

A tradição de terra da erva-mate foi consolidada em São Mateus do Sul e municípios vizinhos nesta quinta-feira (21), com a entrega do certificado de registro da Indicação de Procedência São Matheus. Na modalidade de Indicação Geográfica (IG), é a primeira do Brasil relacionada à erva-mate. A entrega do documento pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) aconteceu em frente à sede da Prefeitura. Após a solenidade, foi servido um bolo de 109 metros, feito com erva-mate, para comemorar a conquista e os 109 anos do município.
Na solenidade, estiveram presentes representantes das administrações municipais de Antonio Olinto, Mallet, Rebouças, Rio Azul e São João do Triunfo, que também integram o projeto da IG. Parceiros no projeto, Sebrae/PR, Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Sindicato da Indústria do Mate no Estado do Paraná (Sindimate-PR), também prestigiaram a conquista.
Continue lendo “São Mateus do Sul recebe registro de IG da erva-mate, o primeiro da planta no Brasil”

Empresários do agronegócio conhecerão a partir de hoje o que há de mais novo em termos de tecnologia para o campo durante feira que acontece na cidade de Carambeí

Emerson Moura, superintendente da Frísia.

A cidade de Carambeí, nos Campos Gerais, é sede a partir de hoje da Digital Agro, considerada a maior feira de tecnologia digital da América Latina. Durante dois dias, os empresários do agronegócio conhecerão o que há de mais novo na tecnologia para o setor, que continua sendo o motor que move o País e tem impulsionado a nossa economia. Na ocasião, os empresários poderão participar das discussões sobre os temas que influenciam diretamente na produtividade das propriedades rurais.

Eu conversei com superintendente da Cooperativa Agroindustrial Frisia, Emerson Moura, e ele me explicou que quando o produtor rural dedica maior tempo na condução do seu negócio, ele tende a aumentar a eficiência e ganhos da sua propriedade, e isso é possível através da tecnologia, que é uma grande aliada, e que não é mais tão cara como há cinco ou dez anos atrás. Aliás, uma das maiores preocupações da Frísia, organizadora da feira, é promover a tecnologia entre os seus 890 cooperados.

Continue lendo “Empresários do agronegócio conhecerão a partir de hoje o que há de mais novo em termos de tecnologia para o campo durante feira que acontece na cidade de Carambeí”

Atuação de auditores fiscais federais agropecuários reduz custo e salva empregos no agronegócio brasileiro

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) encomendou estudo para a Fundação Getúlio Vargas (FGV) a respeito do impacto da atuação dos auditores fiscais federais agropecuários (Affas) sobre o valor da produção agropecuária brasileira. De acordo com o material produzido, para os cenários estudados, a atuação dos auditores influi positivamente na redução de R$ 71,6 bilhões no gasto com insumos – medicamentos, agrotóxicos etc. –, em R$ 2,9 bilhões na geração de impostos e na geração de 2,2 milhões de empregos.

O estudo fez uma análise quantitativa e outra qualitativa da atuação dos Affas no mercado agropecuário brasileiro. Na qualitativa, a pesquisa agrupou em cinco áreas a atuação dos auditores. São elas: a redução do risco sanitário e fitossanitário, com a fiscalização realizada em portos, aeroportos e fronteiras, que cria uma barreira natural contra a entrada de pragas que põem em risco a agricultura e a pecuária; a abertura e manutenção de mercados para o produto brasileiro, com a fiscalização nas indústrias e a atuação dos adidos agrícolas que atuam junto às embaixadas em países-chave para a expansão do mercado agropecuário brasileiro; no combate às fraudes econômicas, na certificação da qualidade dos produtos de origem animal e vegetal que vão para a mesa dos brasileiros; e no desenvolvimento regional, formulando e aplicando políticas públicas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Continue lendo “Atuação de auditores fiscais federais agropecuários reduz custo e salva empregos no agronegócio brasileiro”

Para superar desafio da sucessão é preciso profissionalizar a gestão e promover a imagem do agronegócio

Será essencial investir na promoção do agronegócio e na profissionalização da gestão da atividade para vencer o desafio da sucessão no campo. Segundo especialistas presentes no 5º Fórum de Agricultura da América do Sul, a propriedade rural precisa ser administrada como uma grande empresa e estar preparada para receber um novo gestor. O evento ocorreu nos dias 24 e 25 de agosto, no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba (PR), e teve como tema “Sucessão, gestão e tecnologia. É o campo do futuro e em transformação”.

A cada década a população rural perde em número absoluto de habitantes e, desde 2008, há mais pessoas vivendo nos centros urbanos do que no campo. “Nos últimos 10 anos, o Censo apontou uma redução de mais de 2 milhões na população do campo. E os jovens de 15 a 29 anos já são em número menor que o de estabelecimentos rurais”, contextualizou o oficial nacional da Organização Mundial das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO/ONU), Valter Bianchini.

Continue lendo “Para superar desafio da sucessão é preciso profissionalizar a gestão e promover a imagem do agronegócio”

Brasil precisa ser mais ousado no mercado internacional, apontam especialistas no 5º Fórum de Agricultura da América do Sul

Mesmo tendo um dos maiores Produtos Interno Bruto (PIB) do mundo, o Brasil continua tendo dificuldades no mercado internacional. Atualmente, o país responde por apenas 1,2% do comércio global, resultado da falta de uma política externa mais ousada, conforme análise dos especialistas presentes no 5º Fórum de Agricultura da América do Sul. O evento ocorre no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba (PR), e reúne mais de 500 participantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio.

Com exceção do Mercosul, o país não realizou acordos bilaterais ou regionais com grandes nações, tendo preferido apostar em negociações pela Organização Mundial do Comércio (OMC) – o que se mostrou uma estratégia equivocada, segundo o professor de comércio exterior da Universidade Positivo, Gustavo Iamin. “Europa, Japão e Coreia do Sul se basearam no modelo exportador após a Segunda Guerra Mundial e obtiveram sucesso. Comércio é uma via de mão dupla. É preciso importar para equilibrar a balança econômica”. Ele participou do painel “Mercado Internacional: desafios e oportunidades à exportação” que ocorreu nesta quinta-feira (24).

Continue lendo “Brasil precisa ser mais ousado no mercado internacional, apontam especialistas no 5º Fórum de Agricultura da América do Sul”