Preço médio do aluguel recuou 1,65% nos últimos 12 meses

O Índice FipeZap de Locação – que acompanha o preço de aluguel de imóveis em 15 cidades brasileiras – registrou ligeiro aumento (+0,03%) entre abril e maio de 2017. Das oito cidades que acompanharam esse aumento, vale destacar: São Bernardo do Campo (+1,13%), Curitiba (+0,95%) e Santos (+0,71%). Já entre as cidades que registaram recuo no preço médio de locação, a variação foi mais intensa em: Campinas (-0,99%), Fortaleza (-0,99%) e Goiânia (-0,98%). No cômputo geral, o Índice FipeZap de Locação acumula alta nominal de 0,59% em 2017, comportamento que, face à inflação acumulada de 1,42% (IPCA/IBGE), implica uma queda de 0,81% no preço médio de locação, em termos reais.

Com base nos últimos 12 meses, o Índice FipeZap aponta recuo nominal de 1,65% no preço médio de locação. Entre as cidades monitoradas, a queda observada foi mais intensa em: Campinas (-6,14%), Rio de Janeiro (-5,74%) e Salvador (-2,64%). Já em relação às cidades que registraram aumento de preço, no mesmo período, os destaques incluem: Santos (+1,59%), Belo Horizonte (+0,86%) e Recife (+0,77%). Em termos reais, considerando-se a inflação medida pelo IPCA/IBGE nos últimos 12 meses (+3,60%), o Índice FipeZap de Locação acumula queda de 5,07%.

Continue lendo “Preço médio do aluguel recuou 1,65% nos últimos 12 meses”

Morar sozinho contribui para que 34% fiquem no vermelho e 25% estão negativados

O desejo de muitas pessoas de morar sozinho pode ter muitos benefícios com relação à privacidade e momentos de lazer, mas o peso das contas no orçamento com certeza é uma consequência a ser pensada antes da mudança. Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que oito em cada dez pessoas que moram só (79%) não se planejaram financeiramente para viverem sozinhas e 34% afirmam que morar sozinho contribuiu para que elas extrapolassem o orçamento alguns meses. A justificativa de metade desses é o fato de não ter ninguém para dividir as contas (49%).

O levantamento inédito mostra que 93% das pessoas que vivem só são as únicas responsáveis pelo sustento da casa e que 66% dos entrevistados não fazem um controle efetivo de seus gastos. As razões mais mencionadas para isso são a falta de importância que atribuem ao controle do orçamento (33%) e a falta de hábito e disciplina para fazer o controle diário (27%).

Segundo o educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli, é um risco considerável descuidar do controle. “Quem é o único morador da residência precisa de disciplina extra para manter os compromissos em dia. Afinal, é a própria pessoa quem tem de acertar as contas e lidar com o orçamento no dia a dia”, afirma. “Sem controle fica muito mais difícil conhecer os próprios limites, saber se há exagero no consumo de produtos supérfluos ou fazer planos para realizar metas maiores, como uma viagem ou a compra de um carro, por exemplo”, explica Vignoli. É possível fazer uma simulação do diagnóstico financeiro no Meu Bolso Feliz: http://meubolsofeliz.com.br/simulador-diagnostico-financeiro/
Continue lendo “Morar sozinho contribui para que 34% fiquem no vermelho e 25% estão negativados”

Recursos liberados para compra de veículos somam R$ 29,2 bilhões no primeiro quadrimestre de 2017

O total de recursos liberados pelos bancos de montadoras e instituições independentes para financiar a compra de veículos no primeiro quadrimestre deste ano somou R$ 29,2 bilhões, o que representa uma alta de 15,3% em doze meses. De acordo com os dados divulgados no boletim da ANEF (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), nos primeiros quatro meses de 2016 o montante destinado às operações de financiamento e leasing foi de R$ 25,3 bilhões.

No entanto, se for considerado apenas o volume de financiamento concedido em abril, o mercado de crédito para compra de veículos apresentou resultado negativo: foram concedidos R$ 6,7 bilhões, ante R$ 8,3 bilhões do mês anterior, o que representa uma queda de 19,6% na comparação com março. “O recuo foi reflexo da queda de vendas do mercado de carros. Parte disso se deve aos feriados. Em abril, tivemos 18 dias úteis contra 23 de março. Mas, em relação ao mesmo período do ano passado, o mercado de crédito registrou uma alta de 12,6%. Os indicadores econômicos, como a alta do PIB no primeiro trimestre e a redução da taxa Selic, dão sinais de recuperação econômica. Contudo, os próximos meses ainda serão de cautela, principalmente por conta da instabilidade política que vivemos hoje”, avalia o presidente da ANEF, Gilson Carvalho.

Continue lendo “Recursos liberados para compra de veículos somam R$ 29,2 bilhões no primeiro quadrimestre de 2017”

Inadimplência do consumidor cai 3,8% em maio

A inadimplência do consumidor caiu 3,8% em maio, de acordo com dados nacionais dessazonalizados da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,4%. Na avaliação acumulada no ano a inadimplência caiu 0,2%. Já quando comparado o resultado de maio contra o mesmo mês de 2016 houve aumento de 6,7%.

Regionalmente, na análise acumulada em 12 meses, ocorreu crescimento apenas na região Norte (0,3%) e queda nas demais regiões, com Centro-Oeste variando -0,1%, Nordeste -1,1%, Sul -2,9% e Sudeste -5,2%.

Continue lendo “Inadimplência do consumidor cai 3,8% em maio”

Manchester Investimentos chega a Curitiba

A Manchester Investimentos inaugurou seu primeiro escritório no Paraná. Agora, os moradores de Curitiba e região têm acesso ao portfólio da empresa, consolidada no estado catarinense com três sedes – Joinville, Blumenau e Florianópolis. Há mais de 40 anos no mercado, a Manchester administra mais de um bilhão de reais em recursos de investidores. São mais de duas mil pessoas atendidas, com uma equipe altamente qualificada, preparada para ajudá-las a investir seu capital de maneira eficaz. Com um único cadastro, o cliente Manchester tem livre acesso aos produtos das principais instituições do Brasil e do mundo, podendo contar com a expertise da empresa para realizar comparativos e fazer as melhores escolhas, tudo de modo objetivo e transparente.

“Nosso papel é entender quem é o cliente, qual o seu perfil, suas prioridades, seus objetivos para os investimentos e ajudar ele a investir melhor seu capital. Trabalhamos com todo tipo de investimentos, desde os mais conservadores, como previdência privada, LCI, LCA, CDB, fundos de renda fixa, até produtos mais arrojados como fundos multimercados e ações”, revela Henrique Baggenstoss, sócio-diretor da empresa.
Continue lendo “Manchester Investimentos chega a Curitiba”