O que os empresários devem fazer para não misturar o seu patrimônio com o da sua empresa

empresa-patrimônioEntre as principais regras para o sucesso de um negócio está aquela que diz que deve haver a completa separação do patrimônio da pessoa física do sócio e o da empresa. Acontece que por mais que essa regra seja conhecida pelos empresários, é muito comum encontrar hoje essa mistura de patrimônios. Aliás, isso não ocorre apenas nos pequenos negócios. Grandes empresas têm abordado o tema ao construírem seus sistemas de governança corporativa.

Para evitar que o patrimônio de empresas e de sócios se misture, o administrador e consultor de empresas, Vagner Miranda Rocha, cita alguns pontos que devem ser seguidos por empreendedores, donos ou gestores de pequenas, médias ou grandes empresas. O primeiro diz respeito à remuneração. Ou seja, a retirada mensal do dono da empresa deve ser compatível com a capacidade financeira da corporação e deve se aproximar do valor que é pago a um profissional que exerce funções semelhantes no mercado.

No caso dos bens da empresa, eles devem ser de uso comum dos funcionários e úteis para a execução dos trabalhos. Nada de comprar itens apenas para satisfazer o ego de seus donos.

Sobre o horário de trabalho, o proprietário da empresa deve estabelecer uma rotina que atenda aos interesses da companhia, evitando  marcar compromissos pessoais em horário comercial e, da mesma forma, procurar não trabalhar em horas de lazer.

Quanto às transações financeiras, os recursos provenientes de empréstimos e despesas feitas em nome da empresa devem ser utilizados no desenvolvimento das atividades do negócio. Nunca usar cartões corporativos para sanar despesas pessoais.

Por último, as compras e vendas feitas pela empresa devem ter como parâmetro os preços e práticas do mercado. Nada de ter fornecedores que cobram mais caro sem oferecer um benefício elevado em troca. O empresário também não deve vender mais barato aos amigos, sacrificando a lucratividade e, principalmente, a sustentabilidade da empresa.

Grupo Hestia completa 20 anos e promove ações especiais

Héstia- 20 anosA Hestia Construções e Empreendimentos, empresa do Grupo Hestia, completa 20 anos de atuação no mercado imobiliário neste domingo (4). Para celebrar a data, está sendo desenvolvida uma série de ações especiais que incluem criação de logotipo e edição especial de informativo, bem como divulgação institucional da companhia na 22ª edição da Feira de Imóveis do Paraná, com direito a um petit comité no estande da empresa, quando da abertura do evento, no fim de agosto.

O logotipo comemorativo é um apêndice à marca da empresa. Nessa ocasião, está simbolizado pelos anos de fundação da construtora e uma marca d’água com a imagem de edifícios na linha do horizonte. O logo está sendo usado como assinatura em todos os canais de comunicação da empresa, internos e externos. “O conceito usado foi de que a marca é o maior patrimônio de uma empresa. Levam-se anos para construir uma marca forte. O logo comemorativo é um registro histórico que complementa o original”, explica a coordenadora de marketing do Grupo Hestia, Sheila Pinheiro.

Ainda na parte gráfica, foi criada uma edição especial do boletim informativo do Grupo, intitulado “Chama”. Em sua 38ª edição, a publicação tem como tema central a consolidação da companhia no mercado. Desse modo, é abordada a sua evolução nas duas últimas décadas, destacando os principais projetos e ações. O material traz ainda depoimentos de clientes e funcionários, bem com uma apresentação das demais empresas do Grupo, que ainda congrega incorporação, participações, importadora e design. A tiragem é de 4.000 exemplares.

O estande da companhia na 22ª edição da Feira de Imóveis do Paraná, que acontece de 28 de agosto a 1º de setembro, no Expo Renault Barigui, em Curitiba, também será projetado em função da festividade. No primeiro dia do evento, será realizado um brinde comemorativo. “Queremos celebrar esse momento próximo de pessoas que acompanham o desenvolvimento da empresa e que, de alguma forma, contribuem ou contribuíram para as conquistas e realizações da organização”, ressalta o presidente do Grupo Hestia, Gustavo Selig.

A Hestia Construções e Empreendimentos foi fundada em 4 de agosto de 1993 pelo engenheiro civil Volmir Selig. Desde 2005, é comandada pelo também engenheiro civil Gustavo Selig, que está pela terceira vez consecutiva à frente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR), mandato bianual que se iniciou em 2009.

A empresa foi pioneira no Paraná na implantação de um programa permanente de gestão de resíduos sólidos, em 2002. Além disso, conta com programas de responsabilidade social, como cursos de informática e de alfabetização aos trabalhadores, realizados periodicamente em sua própria sede, em Curitiba.

Em 2008, o Grupo Hestia expandiu as atividades de construção para Santa Catarina. Em Itajaí, é responsável pela implantação do complexo imobiliário Ilhas Gregas, com aproximadamente 300 apartamentos e seis lojas. Em 2009, a companhia começou o processo de diversificação da atividade empresarial, sempre se atendo ao ramo da construção civil. Até o momento, foram 46 empreendimentos realizados, 979 unidades entregues e mais de 170 mil metros quadrados em área construída, entre obras próprias e terceirizadas, por meio da Hestia Construções e Empreendimentos.

Discos de vinil voltam ao topo das paradas no MercadoLivre

disco de vivilNas últimas duas décadas o vinil perdeu espaço para outros formatos. No entanto, uma tendência mundial tem apontado à volta do LP. No MercadoLivre, companhia de tecnologia líder em comércio eletrônico na América Latina, a procura pelos discos de vinil tem surpreendido.

No primeiro semestre de 2013 os produtos contaram com um crescimento de 6% nas vendas em comparação com o mesmo período do ano passado e já representam 27% das vendas na categoria “Música”, ficando atrás apenas da venda de CDs. Mas ainda dentro dessa subcategoria de formatos de mídia, os discos de vinil foram os únicos que se destacaram e apresentaram crescimento na plataforma, tomando o espaço dos CDs, que caíram em 7,96% nas vendas.

“O crescimento nas vendas é a confirmação de um fenômeno que vem acontecendo no mundo inteiro. O vinil, que havia perdido espaço no mercado, voltou a ser valorizado pelos consumidores”, afirma Leandro Soares, diretor do Marketplace do MercadoLivre. “A plataforma do MercadoLivre conta com ótimas opções de produtos nesse estilo com destaque para os discos raros para colecionadores”, destaca o executivo.

Dentro da plataforma existe uma grande variedade de LPs, somando ao todo 49 diferentes estilos musicais, indo desde MPB até Punk Rock e discos autografados. Entre 18.369 títulos novos e 264.063 usados, o estilo “Pop e Rock Internacional” está no topo da lista dos discos mais vendidos na plataforma, e teve um aumento de vendas de 15% no primeiro semestre de 2013. Os cantores de MPB ficam em segundo lugar, apesar de terem caído em quase 2% nas vendas. Em terceiro o estilo “Rock Clássico” subiu 11% nas vendas e os discos de “Heavy Metal” ficaram com a quarta posição, com um crescimento de apenas 1%. As bandas de “Pop e Rock Nacional” também estão na lista dos mais vendidos e cresceram em 8% na procura dos internautas.

Apesar de não estar no Top 5 de discos mais vendidos, o estilo “Dance” teve um aumento de 33% nas vendas dentro da plataforma, se tornando o estilo que mais cresceu e se destacou nesse primeiro semestre de 2013.

Construtora Baggio se especializa em obras hospitalares

Obras hospitalares são complexas e exigem itens especiais e diferenciados. Também precisam apresentar perfeita compatibilidade entre instalações, sistemas e equipamentos. Ao longo de mais de 30 anos de história, a Construtora Baggio reuniu experiência e conhecimento na execução de projetos hospitalares, tornando-se referência também na construção de estabelecimentos da área da saúde.

Importantes obras desse segmento levam a assinatura da empresa. Em Curitiba, a Baggio construiu os dois prédios do IPO – Instituto Paranaense de Otorrinolaringologia, o Instituto Sul-Brasileiro de Cirurgia Plástica e o INC – Instituto de Neurologia de Curitiba. Além disso, seguem os trabalhos da mais recente unidade da Clinipam na capital. No currículo da Baggio ainda estão a Unimed Guarapuava, o Pró-Onco Londrina e o SOS Cárdio, que fica em Florianópolis. A construtora também foi a responsável pela revitalização da Policlínica São Vicente de Paula, em Francisco Beltrão (PR). E agora em julho, começaram as obras do hospital Previna, em São Paulo, da operadora de planos de saúde Plena Saúde.

De acordo com o gerente do núcleo de obras comerciais da Construtora Baggio, Alceu Bueno Júnior, critérios técnicos específicos precisam ser levados em conta em um projeto hospitalar. “A obra deve estar integralmente adequada às normas da Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e da acessibilidade universal. Além disso, a legalização dessas construções exige documentos diferenciados”, explica. Os sistemas de esgoto e de ar-condicionado merecem atenção. Para a instalação do sistema de ar-condicionado, por exemplo, é necessário um conjunto grande de dutos com insuflamento, retorno e tratamento de ar.

A escolha dos acabamentos em obras hospitalares é definida segundo o tipo de atividade a ser realizada em cada um dos setores. Nas áreas de atendimento clínico e cirúrgico, existe a preocupação com o controle de infecção hospitalar. Por isso, a opção por materiais impermeáveis, com alta resistência à ação constante de produtos químicos, de fácil limpeza, simples manutenção e boa durabilidade. Já para o mobiliário, ergonomia e conforto são características fundamentais. A ideia é proporcionar segurança, praticidade e relaxamento para os pacientes e os profissionais.

O sistema de obra a preço fechado e a chamada construção personalizada são diferenciais da Baggio em relação a outras empresas do setor. Cada projeto é totalmente exclusivo e o valor do metro quadrado segue uma tabela, de acordo com o padrão de acabamentos. Outra vantagem é o parcelamento próprio, em até 70 vezes (no caso de obras comerciais), com condições flexíveis de pagamento que facilitam a viabilização do projeto. Os juros, de 0,63% ao mês, são os mais baixos do mercado de obras de alto padrão. A construtora também presta assessoria completa para a obtenção de crédito junto ao BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, e a fundos de investimentos. A Baggio tem sede em Curitiba e conta com filiais em Campinas (SP) e Belo Horizonte (MG).

Congresso será termômetro para medir desempenho do setor de celulose e papel

papel e celuloseNo momento em que o mercado brasileiro de celulose e papel recupera o fôlego, em função do crescimento da capacidade produtiva brasileira, da alta do dólar, do aumento das exportações e da redução dos estoques internacionais de celulose, a Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP) inicia os preparativos para o ABTCP 2013 – 46º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel, principal evento do setor na América Latina, e que acontece entre 8 e 10 de outubro, no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

O evento, que será um termômetro para se medir o desempenho do setor e suas perspectivas futuras no Brasil e no mundo, este ano será realizado em parceria com a PI – Paper Engineers’ Association, da Finlândia, e trará uma série de novidades, como a mudança do espaço dedicado à realização do congresso técnico, que agora ficará integrado à área de exposição, no piso térreo. Além disso, o evento também traz como novidade uma sessão técnica florestal que será realizada em parceria com o Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (Ipef), e uma programação de congresso que considera um equilíbrio entre trabalhos acadêmicos e práticos.

De acordo com Darcio Berni, diretor executivo da ABTCP, esta edição contará com a presença de grandes fabricantes de celulose e papel como expositores e todas as atividades previstas para os três dias do evento estarão concentradas na área de exposição, estimulando o relacionamento entre toda a cadeia produtiva do setor. “Para que as empresas possam atuar de forma competitiva e rentável no mercado globalizado, é fundamental que mantenham eficiência nas operações e custos competitivos, investindo continuamente em pesquisa e desenvolvimento, capacitação técnica e novas tecnologias”, enfatiza Berni, que complementa ao destacar que esses fundamentos são os pilares do evento.

Nos últimos anos, os eventos da ABTCP tiveram foco na melhoria da qualidade, difusão de conhecimentos, inovação industrial, novas tecnologias, sustentabilidade e competitividade dos negócios. Com a missão de promover o intercâmbio de conhecimento e o desenvolvimento tecnológico do setor, o ABTCP 2013 é o principal encontro dos dirigentes, acadêmicos, pesquisadores, consultores, profissionais e especialistas da indústria de celulose e papel.

Entre os fatores positivos deste setor, que irão compor o pano de fundo do evento, destacam-se a entrada de novos players no mercado de celulose, o aumento das exportações, a alta do dólar, a redução dos estoques internacionais, e o aumento da capacidade produtiva brasileira prevista para os próximos anos. Vale destacar ainda o crescimento mundial da demanda por produtos de base florestal, como fonte de energia renovável e na geração dos seus mais variados subprodutos.

Mesmo sem perspectiva de recuperação do mercado europeu, um dos principais destinos dos nossos produtos, as exportações de celulose se elevaram graças à demanda da China, que se mantém firme, apesar da desaceleração econômica do gigante asiático, e ao crescimento da produção nacional – cuja previsão é duplicar até 2020. Entre os grandes projetos brasileiros, que já estão em andamento ou podem ter início até 2017, incluem-se Eldorado Brasil, Suzano Papel e Celulose, CMPC Riograndense, Lwarcel, Fibria e Klabin. Vale citar o projeto de Montes Del Plata, no Uruguai, que também deve incrementar a produção latina.

O cenário também é favorável no mercado de papel. Além do crescimento consistente dos mercados de embalagens e tissue, os papéis de imprimir e escrever passarão a ter um controle mais rigoroso da imunidade tributária, com o anúncio pelo governo de que o Recopi Nacional (Sistema de Registro e Controle das Operações com o Papel Imune) irá entrar em vigor em meados de setembro. O programa, que combate o desvio de papel isento de impostos com abrangência nacional, foi implementado por meio de um novo convênio de ICMS e valerá para nove estados brasileiros (GO, BA, MG, PA, PR, RJ, RS, SC e DF). Em São Paulo, onde o sistema vigora há cerca de três anos, já foram aplicadas multas no valor total de mais de R$ 300 milhões, decorrentes de autuações em operações irregulares.