Crescem os negócios com venda de imóveis através de leilão, mas é preciso ter cuidado

A compra de uma casa ou apartamento através de leilão vem crescendo nos últimos anos. Só em 2017, por exemplo, houve um aumento de 50%. Entre os atrativos dessa modalidade de aquisição estão os preços, que são até 40% mais baixos que os praticados no mercado imobiliário e as condições mais flexíveis de pagamento podendo ser à vista, parcelado ou até com carta de consórcio contemplada.

A maioria dos imóveis que está indo hoje a leilão ocorre pelo aumento da inadimplência. Ou seja, sem condições de efetuar o pagamento das prestações de financiamento imobiliário, as pessoas acabam perdendo seus imóveis, que são levados a leilão para pagamento de dívidas. Já a grande parte dos compradores é formada por investidores, embora desde o ano passado venha se notando um aumento considerável de pessoas adquirindo para moradia própria.

Continue lendo “Crescem os negócios com venda de imóveis através de leilão, mas é preciso ter cuidado”

Wi-Fi ou cabo de rede: o que é mais rápido e seguro?

O constante avanço tecnológico faz com que as pessoas sejam cada vez mais conectadas, e uma das consequências dessa conectividade constante é percebida nas comunicações. Os usuários se acostumaram ao hábito da instantaneidade para obter informações ou se comunicar. Nesse contexto, a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, analisa os diferentes métodos de conexão à internet e mensura nível de segurança e velocidade deles.

As opções para conectar-se à Internet são principalmente duas: a primeira é sem fio através de Wi-Fi, a segunda por meio de um cabo de rede, comumente conhecido como Ethernet. Nesse contexto, a ESET analisou as duas opções para identificar suas diferenças:

Continue lendo “Wi-Fi ou cabo de rede: o que é mais rápido e seguro?”

Projeções do FMI indicam crescimento da economia brasileira

Marcel Balassiano, pesquisador do FGV IBRE.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou nesta terça (17) seu relatório semestral do panorama da economia mundial (World Economic Outlook), além de projeções para algumas variáveis econômicas até 2023. O Fundo projeta um crescimento este ano para o Brasil de 2,3%, abaixo das projeções do FGV IBRE, divulgadas no último Boletim Macro, e da mediana das expectativas do mercado do boletim Focus, ambos em 2,8%. Para o pesquisador da área de Economia Aplicada do FGV IBRE, Marcel Balassiano, apesar de um pouco conservadora, a estimativa do FMI indicou melhora na economia do país.

“Em outubro passado, o FMI previa um crescimento de 1,5% para o Brasil. A projeção de janeiro passou para 1,9%, e agora está em 2,3%. Ou seja, a tendência é de alta, mostra sinais de recuperação da economia. Para 2019, o FMI prevê um crescimento de 2,5%, acima da projeção de janeiro (2,1%). A mediana do boletim Focus para o ano que vem está em 3,0%”, detalhou Balassiano.

Continue lendo “Projeções do FMI indicam crescimento da economia brasileira”

Setor de calçados perde competitividade

Lançado recentemente, o Relatório Setorial da Indústria de Calçados, da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), aponta para dificuldades da atividade que há mais de um século tem importante papel na economia nacional. O documento apresenta, por meio de pesquisas oficiais cruzadas com um minucioso levantamento de produção realizado com associados da entidade – que respondem por mais de 70% do total produzido pelo segmento –, números de produção, exportação, importação, emprego, uso da capacidade instalada, entre outros.

Um dos dados que mais chama a atenção é a discrepância entre o crescimento da produção mundial e os números da produção nacional de calçados. No mundo, conforme dados levantados, foram produzidos 21,4 bilhões de pares, quase 4% mais do que em 2016. Analistas ressaltam que o crescimento foi, basicamente, impulsionando pelo consumo interno nos países. Em 2017, foram consumidos 19,6 bilhões de pares, 3% mais do que no ano anterior. Já no Brasil, que produziu 908,9 milhões de pares no período, houve um incremento de apenas 1%, na produção, ao passo que o consumo chegou a 805,5 milhões de pares, somente 1,2% maior do que em 2016, quando já havia despencado mais de 2%.

Continue lendo “Setor de calçados perde competitividade”

Encontro Nacional da Indústria da Construção: inovação e tecnologia são os destaques de 2018

As previsões para a construção civil 2018 estão mais otimistas. O Índice de Confiança da Construção, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas – FGV, avançou 2,9 pontos no primeiro trimestre deste ano, uma alta de 7,2 pontos em relação ao mesmo período de 2017. É sob essa perspectiva positiva que será realizado o 90º Encontro Nacional da Indústria da Construção – ENIC, de 16 a 18 de maio, no Centro de Eventos Governador Luiz Henrique da Silveira, em Florianópolis (SC).

Promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) em parceria com a Associação dos Sindicatos da Indústria da Construção Civil do Estado de Santa Catarina – ASICc-SC, o ENIC é o principal evento do calendário da construção civil. “Inovar e crescer, construindo um país melhor” é o tema central da nonagésima edição do Encontro, que também abordará o uso da tecnologia no segmento.

Continue lendo “Encontro Nacional da Indústria da Construção: inovação e tecnologia são os destaques de 2018”