Multinacional faz treinamento em Curitiba

A Gemalto, multinacional da área de segurança digital, escolheu Curitiba para realizar a segunda etapa de seu treinamento interno para diretores. O coordenador do Núcleo de Assuntos Internacionais do Isae/FGV, Sérgio Pires, abriu o encontro que reuniu executivos de diversos países. No programa serão abordados os aspectos culturais e empresariais de Curitiba e Paraná, assim como a gestão da fábrica que a Gemalto possui em São José dos Pinhais, fato pouco conhecido pelos próprios paranaenses.

O treinamento é uma ação da Gemalto University, que reúne os diretores das áreas que apresentaram bons resultados em 2007. Sua primeira etapa é sempre na França, onde fica a matriz da multinacional. Na ocasião são desenvolvidas habilidades técnicas além de atividades envolvendo os valores e a missão da Gemalto. A etapa de Curitiba começou na segunda-feira (26) e termina nesta quinta-feira (29).
 

SAP lança programa de bolsas de estudo

A SAP América Latina acaba de lançar um programa de Bolsas de Estudo para o programa SAP Professionals no Brasil, México, Porto Rico e República Dominicana, visando ampliar as oportunidades de participação em seu projeto educacional, criado para atender a crescente demanda por profissionais certificados em tecnologia na região.

O SAP Professionals é um programa da SAP Educação que busca a certificação de 10 mil consultores na região até o fim de 2008. Ao conceder estas bolsas, a empresa contribui para ampliar sua oferta educacional aos universitários que necessitam deste apoio para conseguir uma certificação SAP, o que lhes ajudará a competir com vantagens no mercado de trabalho.

Para pleitear uma bolsa, os interessados devem se inscrever pelo website da SAP e, em seguida, passar por uma prova de conhecimentos e habilidades básicas. A seleção final será realizada após os resultados do exame e da avaliação das demandas regionais.

Os pré-requisitos para tentar obter a bolsa são: formação universitária, inglês intermediário e, preferivelmente, experiência de trabalho. Nos últimos anos, a SAP América Latina vem obtendo crescimento de dois dígitos em vendas de software e as tendências indicam que esta demanda deve ser mantida, o que significa um imenso campo de oportunidades para profissionais com formação de excelência.

Empresas devem se preocupar mais na prevenção de acidentes

A partir de janeiro de 2009, começa a vigorar a nova metodologia de cálculo que permite a flexibilização das alíquotas pagas pelas empresas para custear gastos do INSS com acidentes do trabalho. As alíquotas poderão ser reduzidas á  metade para as empresas que investirem na prevenção. Ou, ao contrário, podem ser duplicadas para aquelas que deixarem de adotar medidas para reduzir o número de acidentados, com a aplicação do Fator Acidentário Previdenciário (FAP).

Segundo o responsável pelo desenvolvimento do Sistema SMT – Gestão de Segurança e Medicina do Trabalho da Ohl Braga Consultoria, Mauro Braga, o caminho é investir ainda mais na prevenção de acidentes, minimizando riscos, bem como no controle das informações e ações adotadas para o conjunto de funcionários e que formam a base para a área de Medicina do Trabalho, até mesmo para evitar que a empresa tenha atribuído a ela um acidente que não causou.

Mudanças reduzem encargos sobre folha de pagamento

As mudanças nos impostos vinculados á  Segurança do Trabalho permitirão uma redução dos encargos sobre a Folha de Pagamento em até 4,5%. Para explicar esta redução, o consultor da Ohl Braga, Mauro Braga, utiliza o seguinte exemplo: uma empresa que tenha o Seguro Acidente de Trabalho (SAT) ruim (3%) e Fator Acidentário Previdenciário (FAP)  ruim (2) multiplicará sua alíquota atual de 3% por 2, resultando em 6%. Com o mesmo SAT ruim, mas com o FAP ótimo (0,5), se chegará a um resultado de 1,5%. Com isso, a empresa poderá economizar até 4,5% do valor total da sua Folha de Pagamento mensal. 

De acordo com o consultor, para as empresas que investirem na prevenção, as alíquotas poderão ser reduzidas á  metade, ou duplicadas para aquelas que deixarem de adotar medidas para diminuir o número de acidentados, com a aplicação do FAP, indicador que leva em consideração os índices de freqá¼ência, gravidade e custo dos acidentes de trabalho.
         

Renegociação das dívidas atende em parte pleito das cooperativas

 A Medida Provisória que trata da renegociação das dívidas agícolas, assinada pelo presidente Lula na noite de terça-feira (27), contempla em parte os pleitos das cooperativas paranaenses. Segundo o presidente do Sistema Ocepar (Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná), João Paulo Koslovski, que participou das negociações em torno da MP representando a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), algumas reivindicações não foram acatadas pelo governo. Entretanto, mesmo assim as medidas anunciadas são positivas para os produtores e cooperativas brasileiras, pois trazem avanços que possibilitam a renegociação e a liquidação de dívidas que vinham sendo um problema quase sem solução para milhares de agricultores.

De acordo com Koslovski, o setor produtivo defendia que os acordos de renegociação comprometessem no máximo 5% da renda anual do agricultor, proposta não aceita pelo governo. Já os prazos dados pelo governo para quitação de aproximadamente R$ 30 bilhões ficaram muito curtos. Outra preocupação manifestada por Koslovski é que as renegociações estão centradas apenas aos bancos oficiais com garantias do Tesouro e dos Fundos Constitucionais.
Em contrapartida, Koslovski afirma que a criação do Fundo de Catástrofe, antigo pleito das cooperativas, foi uma decisão importante que favorece a expansão do seguro rural, uma cobertura imprescindível para uma atividade de risco como é a agricultura.

Outra medida positiva para o dirigente foi á  efetiva instalação dos adidos agícolas junto á s embaixadas brasileiras, para a divulgação e ampliação do mercado para os produtos brasileiros.