Feriado em Londres e EUA deixa Bovespa livre

Esta segunda-feira (26) é feriado nos Estados Unidos e em Londres. Portanto, a bolsa brasileira não sofrerá muito com o noticiário externo. No á¢mbito interno destaque para a queda-de-braço sobre a criação ou não do Fundo Soberano.

Segundo os operadores da Corretora Omar Camargo, depois dos recentes avanços, o Ibovespa pode ingressar em uma fase corretiva ou mais ampla área de congestionamento, mas como não foram identificadas configurações reversivas ou diverências negativas nos indicadores técnicos a expectativa é de que esta seja apenas breve pausa antes de novas manifestações altistas.

Na primeira meia hora de pregão, o índice Bovespa apresentava alta de 0,56%, em 71.857 pontos.

Termina dia 30 prazo de inscrição da Feira do Empreendedor

Feira do Empreendedor 2008 - Londrina - ParanáOs empresários que quiserem participar da Feira do Empreendedor 2008, que será realizada em Londrina, de 14 a 17 de agosto, têm até a próxima sexta-feira (30), para se inscreverem através do site www.sebraepr.com.br/feira2008. Serão selecionadas apenas 80 oportunidades. Até agora, mais de 200 empresas já fizeram download do edital de participação.

De acordo com o consultor do Sebrae no Paraná e coordenador estadual da Feira do Empreendedor 2008, André Basso, o nível de inovação contará pontos a favor da escolha das empresas expositoras, bem como as propostas que sejam adequadas aos empreendedores que desejam ter uma micro ou pequena empresa.

Além do download do edital, as empresas interessadas em expor na Feira do Empreendedor em Londrina podem tirar suas dúvidas por e-mail (expositor@pr.sebrae.com.br) ou diretamente em qualquer uma das cinco Regionais do Sebrae, localizadas no Paraná. Os telefones e endereços também estão disponíveis no site da Feira do Empreendedor.

A Feira do Empreendedor é realizada todos os anos pelo Sebrae Nacional, desde 1994. O Paraná, que já sediou o evento quatro vezes, não participava do circuito nacional há quatro anos. A última Feira, realizada em Curitiba, foi em 2004. O público estimado para Londrina é de 12 mil visitantes. Estão previstas 200 caravanas, a serem organizadas em todo o estado.

Desafios na abertura do mercado de seguros

Pouco menos de um mês da abertura do mercado de resseguros no Brasil, operação realizada até então somente pelo Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), seguradoras, empresários e segurados começam a se preparar para as mudanças. Segundo analistas, a mudança representa muitos desafios e oportunidades aos segurados, que antes estavam submetidos, mesmo que indiretamente, a uma única empresa de capital misto (51% do governo e 49% privado).

O principal objetivo do resseguro, operação de transferência de riscos de uma seguradora para um ressegurador, é pulverizar os riscos assumidos por uma seguradora e garantir o pagamento da indenização.
Esse tipo de negociação é feito principalmente em operações de grande risco, como plataformas de petróleo, aviões e grandes obras de engenharia. Hoje, quatro empresas, além do IRB, estão autorizadas pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) para operar como resseguradoras: Munich Re, Lloyd’s, Mapfre Re e Transatlantic Re.

Segundo o presidente do Comitê de Seguros e Riscos do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef-Pr), Marcelo Elias, o mercado está passando por um momento de aprendizado e será necessário, no mínimo, dois anos para a adaptação á s novas regras e exiências. Segundo ele, as empresas estão trazendo conhecimento de fora do país para se adaptar e a área juídica também passará por mudanças.

O diretor de seguros patrimoniais da Zurich Brasil, Luciano Calabró Calheiros, destaca alguns pontos positivos da abertura do mercado de seguros, como a determinação dos preços e franquias em função da qualidade dos riscos e das informações apresentadas, a entrada de novos produtos e o alinhamento com o mercado internacional e o desenvolvimento do gerenciamento de riscos, que antes acontecia de forma pouco profissional. Entre os desafios, a necessidade da adaptação e reciclagem do conhecimento, como o domínio de outros idiomas, a reeducação dos clientes e o cuidado na contratação das resseguradoras, que entre principais requisitos, devem ter solidez financeira e histórico de pagamento de sinistros.
       

Falta de imóveis comerciais eleva preço do aluguel em 43%

 ed_riobranco-014.jpg

Com a explosão imobiliária residencial verificada nos dois últimos anos, o setor de imóveis comerciais acabou ficando em segundo plano e hoje o que se verifica é uma falta generalizada de conjuntos comerciais, prédios comerciais e até mesmo barracões industriais.

Eu conversei nesta sexta-feira (23) com o gerente da Top Imóveis, Jaime Galperin, e ele me disse que a situação chega a ser desesperadora no caso de prédios corporativos. Há uma grande demanda de empresas que querem instalar ou ampliar seus escritórios em Curitiba, mas não há imóveis disponíveis para aluguel. O único prédio corporativo que ficou pronto este ano foi um localizado na Rua Carlos de Carvalho, esquina com Visconde do Rio Branco (foto), que foi locado para o Tribunal Regional do Trabalho.

O próximo prédio corporativo em Curitiba que será colocado para locação, somente ficará pronto no primeiro trimestre do ano que vem. E está bem fora da área central. O prédio com 48 mil metros quadrados está sendo construído na Via Verde, quase esquina com a Avenida das Torres.

Com a grande procura, a preço do aluguel de prédios corporativos passou de R$ 28 para R$ 40 o metro quadrado, ou seja, em dois anos o aumento foi de 43%.

Foto: Lineu Filho

Faltam barracões para alugar

Diante da grande demanda, o preço dos aluguéis de barracões de 10 mil a 15 mil metros quadrados destinados para indústrias, empresas de logística ou mesmo para grandes lojas de varejo, em Curitiba, saltou de R$ 7 para R$ 10 o metro quadrado, ou seja, uma alta de 43%, em dois anos.

O gerente da Top Imóveis, Jaime Galperin, me contou que está prospectando barracões para quatro grandes grupos nacionais das áreas de materiais de construção, móveis e decorações, supermercado e produtos esportivos, que estão vindo para Curitiba.