Indústria paranaense tem faturamento recorde

Repetindo o bom desempenho da produção, o faturamento da indústria paranaense no mês de janeiro foi o melhor da história dos Indicadores Conjunturais da Indústria, calculados pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep). No primeiro mês do ano, as vendas industriais cresceram 26,2% em relação a janeiro de 2007 e na comparação com dezembro, o aumento foi de 4,66%. Estes números confirmam os dados do IBGE divulgados nesta segunda-feira (10) que mostraram que o Paraná ocupou o primeiro lugar entre os estados brasileiros em termos de produção industrial.

Na avaliação do economista e coordenador do Departamento Econômico da Fiep, Mauílio Schmitt, o crescimento é atípico e mostra que a indústria continua recuperando os níveis de venda, o que já aconteceu ao longo de 2007, quando as vendas industriais registraram recorde histórico superando em 9,52% o resultado de 2002, até então o melhor da série histórica. Na avaliação do economista, o crescimento é pontual e pautado basicamente na elevação das vendas de alimentos, carros e combustível. A abundá¢ncia da oferta de crédito é o principal fator que vem determinando a alta das vendas e, por isso, a sustentabilidade desse movimento de alta é questionável. 

O resultado positivo em janeiro de 2008 foi decorrente do aumento de vendas registrado em 12 dos 18 êneros pesquisados pela Fiep. Entre os 12 êneros que registraram aumento estão os três de maior participação relativa na economia paranaense: Alimentos e Bebidas (+1,28%), Veículos Automotores (+23,19%) e Refino de Petróleo e Produção de álcool (+ 10,92%). De acordo com análise da Fiep, a elevação das vendas no caso dos alimentos é ainda decorrente da boa safra agícola, da manutenção dos preços em alta no mercado internacional e da elevação da produção de carnes e derivados.

A venda maior de carros se deve basicamente á  abundá¢ncia de crédito e o desempenho positivo do ênero ‘petróleo e álcool’ é decorrente do aumento da venda de combustíveis.

Micro e pequenas empresas aumentam vendas ao governo

A participação das micro e pequenas empresas (MPE’s) no total das compras do governo federal aumentou de R$ 2 bilhões em 2006 para R$ 9 bilhões em 2007, ou seja, um crescimento de 350%. O aumento deve-se ao impacto  da aplicação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, aliado á s facilidades de participação das licitações por meio do pregão eletrônico.

A participação no número de itens fornecidos pelas empresas de micro e pequeno porte também subiu de 56,4% em 2006 para 61% no ano seguinte. Dos 1.921.292 itens contratados pelo Governo em 2007 sensíveis á s contratações por esse segmento,. 1.174.870 foram fornecidos por MPE’s.

O balanço também mostra que as micro e pequenas empresas forneceram quase R$ 8 bilhões (48%) dos R$ 16,5 bilhões contratados por pregão eletrônico no Governo Federal.
Outro dado interessante: dos 274.396 fornecedores cadastrados para fornecer ao Governo Federal no ano passado, 158.210 foram micro e pequenas empresas.

Paraná ganha novas usinas de álcool

O Paraná que é o segundo maior produtor de cana-de-açúcar do Brasil está ganhando a sua 30ª usina de álcool. As obras da usina Bonin álcool, Açúcar e Energia Elétrica localizada em Umuarama estão sendo concluídas ainda este mês. Em maio ela começará a processar 700 mil toneladas de cana, suficientes para produzir 17,5 milhões de litros de álcool e 65 mil toneladas de açúcar. Até 2012, a usina Bonin terá capacidade para esmagar 2,5 milhões de toneladas de cana. Tudo dependerá da ampliação da área plantada.

Novas usinas estão a caminho. Entre 2010 e 2011 entrará em funcionamento a usina de álcool da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná no município de Paranapoema, com capacidade inicial para moer 1 milhão de toneladas de cana-de-açúcar e industrializar 85 milhões de litros de álcool.

Brazcana investe R$ 330 milhões

A Brazcana também não recuou em seu objetivo de investir R$ 330 milhões em uma usina no município de São João do Caiuá, vizinho a Paranavaí, no Noroeste do Paraná. A usina conta com 26 acionistas de vários segmentos das cidades de Maringá, Cascavel e Paranavaí.

Está sendo aguardada a licença ambiental definitiva do IAP para iniciar a construção, e a maior parte dos projetos necessários já foi elaborada, além das sondagens necessárias do terreno e construção de poços artesianos.  A perspectiva é de que a indústria esteja pronta em 2010, entrando em operação em 2011, já esmagando 2 milhões de toneladas de cana para a produção de álcool, além de trabalhar com co-geração de energia.

A partir de 2014, o volume de cana esmagado será ampliado para 3 milhões, chegando em 2015 com 4 milhões de toneladas. Há possibilidade também, dependendo de uma análise econômica, de a unidade passar a produzir açúcar. Para atender a essa demanda, os 13 mil hectares previstos inicialmente com cana-de-açúcar devem saltar para 45 mil.

Shopping Curitiba inicia Laboratório de Varejo

Lojistas, equipes de vendas e funcionários do Shopping Curitiba irão assistir nesta quinta-feira (13), á s 8 horas, a uma palestra do escritor, conferencista e consultor de Marketing motivacional, Rogério Caldas. Será o início do  “Laboratório do Varejo Shopping Curitiba”, um programa de treinamento para atualização e aprimoramento, que será ministrado ao longo do ano.

Caldas que já proferiu mais de 1400 palestras em todo o Brasil é um profundo conhecedor das novas leis que regem uma economia globalizada. O enfoque de suas palestras surpreende pelo alcance prático, caracterizando-se como algo novo para as pessoas que o assistem.