Maiores IPOs do mundo são brasileiros

Dois dos dez maiores lançamentos de ações em Bolsa de Valores registrados em todo o mundo entre os meses de janeiro e novembro de 2007 foram realizados no Brasil, revela estudo da Ernst & Young. A abertura de capital da Bovespa Holding foi o quinto maior IPO de 2007, com o levantamento de US$ 3,7 bilhões, e a operação da Bolsa de Mercadorias & Futuros (US$ 2,9 bilhões) ficou com a oitava posição do ranking mundial. A maior operação de abertura de capital do ano passado vem da Rússia, com a oferta pública inicial da VTB Bank (US$ 8 bilhões).

O desempenho do Brasil foi expressivo também entre as 20 maiores transações. Aqui, soma-se á s operações da Bovespa e da BMF a abertura de capital da Redecard (US$ 2,4 bilhões).

IPOs mundiais captam US$ 246 bilhões

A alta liquidez do mercado global em 2007 também permitiu que as operações de IPOs nos primeiros 11 meses em todo o mundo ano superassem os resultados de 2006 tanto em número de transações quanto em capital levantado. Ao todo, foram realizadas globalmente, de janeiro a novembro, 1.739 operações (contra 1.729 em 2006) e levantados US$ 255 bilhões (US$ 246 bilhões no ano passado). Os resultados da pesquisa da Ernest & Young comprovam ainda que as grandes operações de IPO em todo o mundo têm sido determinadas pelos mercados emergentes. Esses países – em especial os que compõem o grupo chamado BRIC (Brasil, Rússia, ándia e China) – foram responsáveis pela maioria dos grandes negócios do ano. De acordo com a pesquisa, contabilizaram 14 das 20 maiores operações realizadas entre janeiro e novembro de 2007, perante nove registradas no ano anterior.

Apenas 6% das indústrias do Paraná perderam competitividade

Não basta apenas produzir bons produtos para ganhar o mercado. Além da qualidade, as empresas têm que ser competitivas. A XII Sondagem Industrial realizada recentemente pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) com indústrias das diversas regiões do Estado revelou que 45,49% das empresas estão se mantendo competitivas, 48,38% estão ganhando competitividade e apenas 6,13% perderam competitividade em 2007.Estes números são bastante expressivos quando comparados com uma pesquisa semelhante realizada no ano de 1996. Nos dois primeiros anos do Plano Real, apenas 5,35% das indústrias paranaenses se diziam competitivas e 43,8% afirmavam ter perdido a competitividade.

Carga tributária elevada é a maior vilá das indústrias

Apesar dos ganhos de produtividade obtidos nos últimos anos, o empresariado do Paraná aponta vários empecilhos para enfrentar a concorrência no mercado interno e externo. A pesquisa da Fiep mostra que 81,82% dos industriais ouvidos afirmaram que a carga tributária elevada é a maior vilá para enfrentar a concorrência. Outros fatores que também pesam são encargos sociais elevados com 69,52%, custo financeiro alto com 36,54% e custo elevado de fabricação com 23,53%.

FGTS financia imóveis até R$ 350 mil

Nesta quarta-feira (2), entram em vigor as novas regras para o financiamento de imóveis com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Se o setor da construção civil comemorou os resultados de 2007, com as novas regras, 2008 promete ser ainda melhor.

O valor do financiamento dos imóveis que era de até R$ 130 mil passa agora para R$ 350 mil. E quem tem renda superior a R$ 4,9 mil agora também pode participar do programa. As parcelas do empréstimo poderão ser pagas em até 30 anos, com juros de 8,66% ao ano. Ou seja, uma taxa inferior aos financiamentos realizados com recursos da poupança que variam de 9% até 12% ao ano.