2007 é o melhor ano da Renault

O ano de 2007 ficará marcado na história da Renault do Brasil como o de melhor desempenho desde que a empresa iniciou sua atividade industrial no País, em 1998. O resultado desta ofensiva de produtos pode ser visto no incremento das vendas no mercado interno. Com recorde histórico de vendas em novembro, mês onde foram vendidos 7.836 veículos, a Renault do Brasil prevê encerrar o ano com mais de 73 mil unidades comercializadas, das quais 65.675 já foram vendidas de janeiro a novembro. Esta previsão é 43% superior ao registrado em 2006 e 14 pontos percentuais superior ao aumento de todo o mercado de automóveis, que registra elevação de 29%.

O resultado deste ano dá fôlego para a Renault do Brasil chegar ao seu objetivo de, em 2008, ultrapassar a marca de 100 mil veículos vendidos. Desta forma, a meta prevista no Renault Mercosul Contrato 2009 – Compromisso Brasil de duplicar as vendas em 2009 (em relação ao volume comercializado em 2006) pode ser atingida ainda em 2008, ou seja, com um ano de antecedência.

Volumes de produção são ampliados

Para atender á s crescentes demandas do mercado interno e externo, a Renault do Brasil está ampliando os volumes de produção de seus veículos no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR). As fábricas de veículos de passeio e de utilitários atingirão neste ano o recorde de 120 mil unidades produzidas (incluindo Nissan), um crescimento de 56% em relação ao ano anterior. Este crescimento está em linha com a meta prevista no Renault Mercosul Contrato 2009 – Compromisso Brasil de atingir o patamar de 90% da capacidade de produção instalada no País.

Veículo garante empréstimo no Paraná Banco

O Paraná Banco, do Grupo J. Malucelli, e um dos líderes no mercado de crédito consignado no Brasil, acaba de assinar um contrato com o Banco ABN Amro Real S/A Crédito, Financiamento e Investimento S/A para oferecer através de sua rede nacional de correspondentes franqueados, os produtos de crédito pessoal com garantia de veículos.

Através destes acordos, o banco paranaense avança mais um passo em sua estratégia de expansão e possibilita o incremento do portfólio de produtos comercializados pelos correspondentes franqueados, que já oferecem crédito e financiamento de bens duráveis através de crédito consignado com desconto em folha de pagamento.

Grupo Vita fecha novas parcerias

O volume de investimento direcionado á  medicina diagnóstica está crescendo a passos largo no Brasil, a exemplo do que já acontece na Europa, Estados Unidos e em alguns países da ásia. Uma das maneiras de promover essa expansão é por meio de grupos de investidores e de
convênios.

Esta semana, por exemplo, o Grupo Vita está anunciando uma parceria com a Rede Labs, que tem mais de 40 unidades no Rio de Janeiro, atendendo cerca de 4 mil pacientes por dia. A partir de agora, o Labs será responsável pelo serviço de medicina diagnóstica do Vita Curitiba, no Bairro Alto. በa primeira vez que a empresa desenvolve atividades fora do estado do Rio de Janeiro.

Outro convênio fechado pelo grupo Vita é com o Centro de Diagnóstico por Imagem (Cetac), empresa paranaense fundada em 1977, que instalou quatro equipamentos novos (da General Eletric) para exames de Raio X, tomografia, ultrassonografia e mamografia na unidade Batel.

O Vita também foi a porta de entrada para o Dasa no estado. Para o vice-presidente do Vita, Francisco Balestrin, a união com especialistas é de suma importá¢ncia, uma vez que o Vita está buscando sinergias com empresas de alto gabarito técnico, empresarial e ético.

Fortune lista 101 momentos estúpidos dos negócios em 2007

A revista americana Fortune está publicando nesta quarta-feira (19) uma lista que reúne os 101 momentos mais “estúpidos” do mundo dos negócios em 2007.

Entre as decisões consideradas mais esdrúxulas está a fabricação pela farmacêutica americana Eli Lilly de um Prozac mastigável com sabor de bife para tratar cachorros que sofrem de ansiedade. A criação da pílula ocupou o segundo lugar na lista.

Em primeiro, ficou o recall da fábrica chinesa de brinquedos Mattel que, em agosto, foi obrigada a recolher quase 20 milhões de itens suspeitos de conter tinta tóxica ou ímás que poderiam facilmente ser engolidos por crianças.

Em terceiro, veio a bilionária americana Leona Helmsley, que deixou uma fortuna de US$ 12 milhões para sua cadela.

A lista da Fortune ainda cita outras gafes como a da empresa Sony, que escolheu uma igreja na cidade de Manchester, na Grá-Bretanha, como cenário para um jogo de violência. O lapso provocou um pedido formal de desculpas da empresa á  Igreja Anglicana britá¢nica.

Ainda na lista da Fortune figura uma empresa japonesa que teve de recolher 180 mil vasos sanitários de alta tecnologia depois que três deles pegaram fogo. As privadas vinham com assentos aquecidos, purificador de ar e secadores de cabelo.