Previsão de alta para a taxa Selic em 2016

selicCom a expectativa de inflação mais alta e depois do duro discurso do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na semana passada em São Paulo, o mercado financeiro revisou suas estimativas para cima para o comportamento dos juros ao longo do ano que vem e também para os próximos anos. Na semana passada, o Relatório de Mercado Focus revelava que o consenso entre os analistas era o de que a taxa básica de juros (Selic) se mantivesse nos atuais 14,25% ao ano ao longo de todo 2016. Agora, a previsão é de alta.

O primeiro movimento, de acordo com o documento, acontecerá na segunda reunião marcada para o ano, em março. Nesse encontro, o Comitê de Política Monetária (Copom) vai aumentar a Selic de 14,25% ao ano para 14,75% aa. A trajetória de alta continuará em abril, conforme o mercado, com a taxa chegando a 15,00% aa. O ponto mais alto dos juros no ano que vem será visto em junho, quando o colegiado deverá levar a Selic para 15,25% aa. Esse patamar seria mantido em julho.

Em setembro, conforme os especialistas, a taxa já poderia ceder para 15,00% e, em outubro, para 14,75% aa. Em dezembro, conforme já revelou a Focus, a Selic encerraria em 14,63%, o que denota ainda uma divisão dos especialistas entre uma taxa de 14,50% ou de 14,75% ao final do ano que vem.

Em 2017, a perspectiva do mercado é a de que a taxa básica passasse a devolver as elevações anteriores. Como ainda não há calendário de reuniões do Copom para aquele ano, as projeções são feitas para os meses correntes. Em janeiro e fevereiro, os juros estariam em 14,25%; em março, em 13,75%; em abril, em 13,50%; em maio, em 13,25%, e, em junho, 13,00%.

Da mesma forma, na última semana, houve elevação da expectativa para a Selic nos anos fechados. Para 2017, a mediana das previsões de 11,75% ao ano foi substituída pela de 12,00% aa. Para 2018, a alta passou de 10,75% para 11,00%. Para 2019, de 10,00% para 10,50% e, para 2020, de 9,88% para 10,00%. Com isso, não há mais no horizonte de consultas do BC ao mercado a expectativa de que a taxa básica volte à casa de um dígito.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *