You are here
Home > Economia > Setores de pet shops, agronegócio e autopeças reduzem perdas na pandemia

Setores de pet shops, agronegócio e autopeças reduzem perdas na pandemia

As medidas de isolamento social, necessárias para frear a disseminação da pandemia do coronavírus,e o receio de contágio, por parte do consumidor, vêm impactando fortemente os pequenos negócios brasileiros. Uma série de pesquisas realizadas pelo Sebrae que avaliou a perda média de faturamento semanal dos microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas, mostra, entretanto, que alguns segmentos se diferenciam por conseguirem reduzir o volume das perdas, quando comparadas ao universo das empresas.

Enquanto, no geral, a perda média semanal (aferida entre os dias 30 de abril e 5 de maio) foi de 60%, setores como Pet Shops e Serviços Veterinários (-35%), Agronegócio (-43%) e Oficinas e Peças Automotivas (-48%) conseguiram frear o ritmo de perdas ao longo das semanas de isolamento.

Fatores para redução dos prejuízos

Por trás desse desempenho, estão alguns fatores, como a flexibilidade para a operação concedida a esses segmentos na maior parte dos estados,as características próprias desses segmentos, que não costumam provocar grandes aglomerações de clientes e as adaptações feitas pelos empresários para tentar aumentar as receitas.

É o caso de Júlio César Lopes, dono de um petshop em Itapetininga (SP). Segundo ele, a alternativa para driblar a crise foi implantar o sistema de delivery. Ele afirma que desde que passou a oferecer esse tipo de serviço, a busca aumentou aproximadamente 70% durante a pandemia.

“Como as pessoas estão dentro de casa, a preocupação com os pets aumenta. Mas além dos cuidados básicos como banho e tosa, muitos donos de animais têm buscado comprar produtos para entretê-los dentro de casa. Aumentou bem a procura”, contou.

Soluções inovadoras do agronegócio

O setor do agronegócio também tem conseguido reduzir o tamanho do impacto econômico usando de soluções inovadoras como a adoção do sistema de delivery, onde os pequenos produtores fazem a entrega diretamente aos clientes e feiras virtuais, por exemplo. 

É o caso da produtora Ariante Santos que, diante da perda do mercado de restaurantes, que diminuíram a demanda por seus produtos, decidiu partir para o sistema de entrega em domicílio para o consumidor final. “A conta não chega a fechar 100%, mas tem ajudado muito, principalmente para escoar as coisas, porque a produção continua igual, para garantir que continue tendo os produtos”, explica.

A comerciante Débora Rofato revende orgânicos há 3 anos e meio. No começo, era tudo pela internet, depois montou uma loja em Piracicaba, onde comercializa frutas, verduras, legumes, carnes e produtos processados. “A gente viu que teve um aumento muito grande do delivery, das pessoas querendo receber em casa”, conta Débora. Ela, então, diminuiu o horário de funcionamento da loja física e aumentou em 50% o número de vendas online. Semanalmente são entregues pelo menos 45 cestas.

Perdas do turismo cai de 90% para 75%

Segundo a última pesquisa do Sebrae, que ouviu 10.384 pessoas, até os setores mais prejudicados pela crise mostraram uma leve recuperação em relação às edições anteriores, ocorridas entre 19 e 23 de março e entre 4 e 7 de abril. O Turismo, por exemplo, chegou a apresentar uma queda de quase 90% em março, um mês após o registro do primeiro caso da doença no Brasil, já em maio verificou uma queda de 75%.

De acordo com o analista do Sebrae, Rafael Moreira, esse movimento ocorre principalmente porque os pequenos negócios começaram a se reinventar e buscar novas formas de gerar receitas. “Muitos empresários e consumidores estão aprendendo a navegar nesse novo normal. No setor de Turismo, por exemplo, a gente vê hotéis que estão alugando seus quartos para as prefeituras que precisam isolar profissionais da saúde e grupos de risco. Outro movimento que vem crescendo é o de consumidores que começaram a organizar viagens para o próximo semestre ou para o próximo ano, principalmente para destinos mais próximos de sua casa”, explica.

Academias e Economia Criativa

Outros setores bastante afetados pela crise são a Economia Criativa (eventos, produções etc.), que chegou a registrar uma diminuição de 86% (março) do seu faturamento semanal e, em maio, conseguiu reduzir um pouco essa perda (77%).

E as academias, que tiveram um impacto maior em abril, com uma queda de 87% e em maio passaram por uma leve recuperação, chegando a registrar 72% de perda. “São setores que têm como característica em comum as aglomerações. Então, o nível de risco é alto e, no geral, as pessoas ainda não têm confiança para voltar a ir a shows e a frequentar academias”, comenta. “Então, esses são os setores que mais precisam se reinventar. A gente tem visto por aí muitos artistas fazendo lives e também academias e personaltrainers oferecendo seus serviços de modo online, o que ajudou bastante nessa recuperação”, complementa Rafael.

Dicas para enfrentar a crise

*Segurança sanitária- Mostre ao consumidor quais medidas de segurança e protocolos de higienização está adotando em seu estabelecimento. Quanto mais segurança você passar para o seu público, mais ele consumirá os seus produtos sem preocupações.

*Online – Invista nas plataformas de vendas online para dar uma maior capilaridade ao seu negócio. Mas, antes, pesquise e avalie as plataformas que melhor se encaixam no perfil do seu negócio.

*Mídias sociais – Invista na divulgação em várias plataformas, como Instagram, Youtube e WhatsApp profissional.

*Delivery – A entrega em domicílio é uma das maiores tendências nesse momento, principalmente para negócios na área de alimentação e bebidas. Mas, antes de aderir, entenda quais são os tipos de delivery oferecido pelas empresas e as taxas cobradas por cada um.

*Pesquise e reinvente – Analise o seu público e procure entender quais as necessidades dele no momento. Ofereça soluções focadas nas necessidades atuais.

Perdas no faturamento por segmento

 Pet Shops e Serviços Veterinários

  • Março (-55%)
  • Abril (-51%)
  • Maio (-35%)

Agronegócio

  • Março (-44%)
  • Abril (-50%)
  • Maio (-43%)

Oficinas e Peças Automotivas

  • Março (-55%)
  • Abril (-69%)
  • Maio (-48%)

Turismo

  • Março (-88%)
  • Abril (-87%)
  • Maio (-75%)

Economia Criativa

  • Março (-86%)
  • Abril (-80%)
  • Maio (-77%)

Academias

  • Março (-68%)
  • Abril (-87%)
  • Maio (-72%)
Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top