MEI é alternativa mais vantajosa para quem deseja empreender online

MEI é alternativa mais vantajosa para quem deseja empreender online

Muitos brasileiros têm aproveitado o crescimento do número de vendas pela internet para conquistar uma renda extra ou até mesmo a independência financeira por meio do marketing de afiliados. Para sair da informalidade, vários deles têm investido no mundo do empreendedorismo. Entre uma das alternativas está o MEI (Microempreendedor Individual).

Mas, será que a categoria é mesmo vantajosa para quem trabalha com marketing de afiliados? O MEI foi criado no Brasil para que os trabalhadores informais estejam dentro da legalidade. Neste caso, eles conseguem se formalizar como pequenos empresários, pagando uma carga tributária reduzida. Quem se cadastra como MEI fica isento de quitar tributos como IRPJ, PIS, COFINS, IPI e CSLL.

No caso de quem trabalha com marketing de afiliados, além de pagar menos impostos, é possível ter um CNPJ, emitir notas fiscais e ter acesso à direitos e benefícios previdenciários. Vale ressaltar que existem condições para registro como MEI, entre elas: o faturamento deve ser limitado a R$81.000 por ano e R$ 6.750,00/mês; não participar como sócio, administrador ou titular de outra empresa; ter no máximo um empregado e exercer uma das atividades econômicas previstas do governo.

“Na Lomadee indicamos o cadastro como MEI para os nossos afiliados porque também é possível aumentar o valor da comissão por venda. Além disso, o consultor on-line especializado tem acesso à benefícios previdenciários como auxílio doença e aposentadoria por invalidez (desde que já tenha contribuído por 12 meses), salário maternidade (após dez meses de contribuição) e aposentadoria por idade”, descreve André Dias, CEO da Lomadee.

Economia

Para se ter uma ideia do quanto é possível economizar sendo um afiliado com o registro como MEI, se em um mês o consultor especializado online conquistar uma comissão de R$1.000 vai pagar apenas R$57,25. No entanto, se não tem o cadastro, o valor quitado em impostos é de R$139,00 por mês. Sendo assim, em um mês economizaria R$ 81,75 e, em um ano, um montante de R$ 981.

O cadastro como MEI é gratuito e realizado pelo Portal do Empreendedor. Basta ter em mãos o CPF, título de eleitor ou o N° do DIRF (Declaração de Imposto de Renda), caso tenha declarado nos últimos dois anos, será solicitado o número da declaração de envio. A aprovação acontece em poucos minutos. Após a regularização, é necessário desembolsar mensalmente o valor de R$52,25 (ao INSS) acrescido de R$ 5,00 (para Prestadores de Serviço) ou R$ 1,00 (para Comércio e Indústria) por meio de carnê emitido no Portal do Empreendedor, débito automático ou pagamento online.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 49 anos na área de jornalismo, sendo 47 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *