Como pedir aumento de salário sem que isso vire um problema

Como pedir aumento de salário sem que isso vire um problema

Primeiro passo para ser dado antes da conversa é fazer uma autoavaliação 

Ter medo de falar com o chefe pode ser mais comum do que você pode imaginar, e isso acontece em todos os níveis hierárquicos. O receio de se posicionar em uma reunião, trazendo opiniões e dúvidas, ou chamar para uma conversa, relacionada a carreira, atravessa de diretores a analistas. E quando o assunto é pedir aumento de salário então, a conversa se torna ainda mais temerosa por parte dos funcionários.

“Isso não deveria acontecer. Em ambientes profissionais falamos tudo sobre esse universo. Prazos, resultados, oferta de promoção, desafios, aprendizados, críticas. E por que pedir um aumento vira um tabu?”, questiona Jorge Martins, especialista em carreiras e CEO da consultoria Bullseye Executive Search.

O especialista pontua que a única questão que o funcionário deve se atentar antes de pedir aumento é fazer uma autocrítica de avaliação de performance.

“Se pergunte: eu normalmente cumpro os prazos? me envolvo em projetos de melhoria de processos? de inovação? aceito as críticas, tenho inteligência emocional para lidar e busco melhorar? Ao longo dos anos venho me aprimorando na área? Entrego resultados satisfatórios e supero as metas? Se a resposta for sim, por que não conversar para pedir um aumento, caso o que ganha esteja fora da média salarial do mercado?”, aponta.

Jorge adiciona também que antes de chamar para uma conversa é importante fazer uma pesquisa de mercado para ter uma ideia e não pedir algo fora da realidade da empresa.

“Questionamentos feitos, análise de mercado concluída, chame seu chefe para conversar sem medo”.

Ainda segundo Jorge há um tabu, ainda que tenha melhorado ao longo dos anos, em se falar sobre salários com os gestores diretos, além do medo de o pedido de aumento ser interpretado como um sinal de que se quer deixar a organização e, antes que isso aconteça, o profissional ser demitido. Uma dica também é valer-se de formas mais sutis de pedir aumento como, por exemplo, questionar “de que forma posso agregar mais valor para ser valorizado”. Qual o caminho que devo percorrer para alcançar a posição X ou o salário y? Na realidade, falta comunicação.

Uma outra dica super importante é, nunca em nenhuma hipótese comece a conversa afirmando que o funcionário x tem a mesma função que você é que ele ganha mais, ou que de acordo com a pesquisa salarial y, seu salário deveria ser $. Você não está envolvido nas decisões de faixas salariais e nem mesmo na avaliação do seu “par” e pode acabar ouvindo uma resposta negativa que encerrará a conversa de forma abrupta.

 

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 49 anos na área de jornalismo, sendo 47 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *