90% dos trabalhadores mudariam de emprego atualmente

90% dos trabalhadores mudariam de emprego atualmente

Novo estudo do Pandapé mostra insatisfação com poucas oportunidades de crescimento nas organizações

Um estudo realizado pelo Pandapé, software de RH do Infojobs, mostrou que 90% das pessoas estão dispostas a trocar de emprego neste momento. Os motivos que levam os participantes a cogitarem outras empresas ressaltam que a remuneração justa, embora almejável, ainda não é o principal fator a ser trabalhado na retenção de talentos.

A falta de oportunidade de crescimento foi o ponto mais citado como o que causa insatisfação (30,03%), seguido de liderança tóxica (24,46%), salário baixo (24,15%) e clima organizacional ruim (21,36%). “Com a questão financeira aparecendo apenas em terceira posição, fica evidente o quanto as organizações devem olhar para as necessidades coletivas e individuais com atenção. Isso envolve estabelecer planos de desenvolvimento e outras ações em prol do colaborador, principalmente para trabalhar a marca empregadora”, afirma Ana Paula Prado, CEO de Infojobs e porta-voz do Pandapé, software de RH.

A pesquisa indica que, para 53,68% dos respondentes, as empresas não estão preocupadas com a satisfação. “Um dos principais desafios do RH é evitar a fuga de talentos. O fenômeno pode ocorrer por diversas razões e uma das maneiras de evitar com que isso aconteça é fazer o colaborador se sentir pertencente. Quando mais de 50% das pessoas acredita que não estão verdadeiramente olhando para seus interesses, um sinal vermelho é aceso. Precisamos pensar na qualidade de vida, já que isso também aumentará a produtividade e, por consequência, os resultados da empresa”, analisa a executiva.

O estudo também mostra que o cenário melhorou após a pandemia, já que 55,29% acredita que o assunto está sendo visto com mais atenção agora. Nos últimos dois anos, foram adotadas medidas para contribuir com a saúde e bem-estar (19,47%), horários flexíveis (17,68%) e criação de planos de desenvolvimento dos colaboradores (11,95%)

A tecnologia como aliada

Na opinião de 93,54% dos participantes, a satisfação no trabalho é um fator crucial para a retenção dos talentos. Neste sentido, a remuneração justa foi apontada em 21,60% como uma das medidas que poderia contribuir com a felicidade no ambiente corporativo, seguido de equilíbrio entre vida pessoal e profissional (21,7%) e bom clima organizacional (17,54%). Planos de carreira também foram citados por 16,36%.

Mas afinal, como identificar as principais necessidades dos colaboradores? De acordo com a porta-voz de Pandapé, a tecnologia chega para somar, pois permite elaborar pesquisas personalizadas, entrevistas de desligamento e até nas seleções, com um mapeamento de perguntas que contribuam para que percebam a organização de forma mais atrativa.

As alternativas modernas no RH são vistas com bons olhos pelos respondentes, sendo que 84,35% acredita que um software de gestão de pessoas (HCM) tem potencial para melhorar a retenção de talentos.

“Podemos perceber que os trabalhadores estão mais abertos aos recursos ou softwares, pois enxergam a otimização e potencialização de resultados, porém o estudo também ressaltou que apenas 58,50% está em uma organização que adota essas estratégias. Com o mundo passando por uma transformação digital tão evidente, cabe às empresas revisitar seus processos e pensarem como a tecnologia pode ajudar com os ganhos e construções de laços sólidos”, conclui.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *