Burnout: síndrome do esgotamento profissional envolve sintomas físicos, mentais e emocionais

Burnout: síndrome do esgotamento profissional envolve sintomas físicos, mentais e emocionais

Organização Pan-Americana da Saúde avalia que 12 bilhões de dias de trabalho são perdidos em decorrência de depressão e ansiedade

Considerada como doença relacionada ao trabalho pelo Ministério da Saúde, desde 2022, a síndrome do esgotamento profissional, conhecida popularmente como Burnout, afeta 30% dos trabalhadores brasileiros, segundo dados da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (Anamt). Neste ranking, o Brasil perde apenas para o Japão, cujo índice fica em torno de 70%.

Em decorrência de sua origem, tanto o indivíduo quanto a empresa precisam estar atentos aos sintomas para que o tratamento correto seja realizado imediatamente, a fim de evitar que o distúrbio evolua para um transtorno. Identificar, analisar e reconhecer os sintomas precocemente e procurar ajuda de um profissional de saúde mental pode evitar, por exemplo, um diagnóstico importante de depressão.

“O Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional caracteriza-se por ser um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso. É bastante interessante observarmos a intensidade e a frequência dos sintomas, para estabelecermos diagnósticos diferenciais” afirma a psicóloga credenciada Omint, Prof. Dra. Denise Pará Diniz, especialista em gerenciamento do estresse voltado à saúde e ao trabalho.

Sinais de alerta

Os sintomas são diversos e afetam as áreas mental, física e social, visto que o ser humano é integrado em seus domínios de vida. Isso em tal escala que é capaz de impedir que o indivíduo consiga lidar com situações minimamente estressantes. De acordo com a Dra. Denise, algumas das principais características do Burnout são:

·        cansaço excessivo, físico e mental;

·        oscilações repentinas de humor;

·        dificuldades de concentração;

·        sentimentos de derrota e desesperança;

·        sentimentos de fracasso e insegurança;

·        negatividade constante;

·        sentimentos de incompetência.

·        mudanças comportamentais;

·        irritabilidade

·        dores difusas;

·        insônia;

·        isolamento;

·        mudança no apetite;

·        alterações na pressão ou batimentos cardíacos;

·        problemas gastrointestinais.

Embora muitas pessoas enfrentem rotinas estressantes, nem todas desenvolvem esse quadro exaustivo. Isso ocorre porque a forma como cada indivíduo percebe e lida com os desafios diários pode variar de acordo com fatores ambientais, genéticos, história de vida, percepção, significados, sistema de valores. Questões ambientais, como o suporte social disponível no trabalho e fora dele podem desempenhar um papel crucial na capacidade de enfrentar e lidar com o estresse.

Diante desses fatos, a psicóloga enfatiza que “a percepção individual e as estratégias de ações proativas para acolhimento, identificação, encaminhamento para um profissional de saúde mental e readaptação do colaborador ao trabalho, adotadas pelas organizações têm um papel fundamental na prevenção e no manejo desse esgotamento profissional”.

Importância organizacional no combate ao Burnout

Apesar de a percepção individual do mundo influenciar no nível do estresse, a questão social também é relevante. Exatamente por isso que as empresas têm um papel importante no suporte aos seus funcionários. “O investimento em ações internas de promoção à saúde mental pode auxiliar a prevenir problemas reduzindo os índices de absenteísmo e presenteísmo e, também, criar um ambiente de trabalho positivo, que atrai e retém talentos”, explica a especialista.

“Além de uma estratégia ética, o desenvolvimento de um conjunto de ações empresariais atento aos colaboradores é inteligente para o sucesso a longo prazo da empresa, pois a tendência será de colaboradores que ao se sentirem acolhidos e com sua saúde priorizada, se tornem engajados, motivados, produtivos, aonde os resultados do ponto de vista individual e empresarial serão de excelência”, completa Denise.

Para se ter uma ideia de como o investimento na promoção à saúde nas empresas é importante, dados da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) avalia que 12 bilhões de dias de trabalho são perdidos em decorrência de depressão e ansiedade, o que gera uma perda em torno de 1 trilhão de dólares à economia global.

Para tanto, promover meios para o manejo da saúde e bem-estar fortalece ainda mais a cultura organizacional, combatendo uma rotina de pressão e/ou competição corporativa que podem desencadear em um Burnout. A Omint, por exemplo, oferece Programas de Saúde como o Pontual Mente, um serviço de acolhimento psicológico on-line para alívio de estresse, tensão e angústia de maneira pontual, com profissionais capacitados para atendê-los. Além dele, há outros que podem ser personalizados de acordo com cada demanda.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *