No Brasil, 48% das empresas pretendem contratar no 1º trimestre de 2024

No Brasil, 48% das empresas pretendem contratar no 1º trimestre de 2024

Brasil ocupa a 10ª posição no ranking global entre os países que mais pretendem contratar

A Pesquisa de Expectativa de Emprego – Q1 2024, estudo exclusivo e preditivo desenvolvido trimestralmente pelo ManpowerGroup, líder global em soluções de força de trabalho, revela uma estabilidade na intenção de contratações nos âmbitos nacional e global para o 1º trimestre de 2024.

O levantamento mostra que a expectativa de emprego no Brasil para o período – calculada subtraindo-se empregadores que planejam fazer reduções na equipe daqueles que planejam contratar – é de +32%, um crescimento de 5 pontos percentuais em comparação com o índice do 1º trimestre de 2023, que foi de +27%.

A porcentagem de empregadores que planejam contratar teve um crescimento de 6%, sendo 48% em 2024 e 42% em 2023. A porcentagem de empregadores que esperam reduzir os níveis de contratações subiu de 15% para 16%.

Entre os setores com maior expectativa de demanda de posições no país, estão os de Saúde & Ciências da Vida (46% das organizações no setor esperam contratar), Tecnologia da Informação (45%), Finanças & Imobiliário (42%), Energia & Serviços de utilidade pública (36%), Transporte, Logística & Automotivo (29%), Indústria & Materiais (28%) e Bens de Consumo & Serviços (25%).

Já no cenário global, o setor de TI lidera o ranking de expectativa de contratações (36%), seguido pelo setor de Finanças & Imobiliário (34%), Serviços de Comunicação (31%), Saúde & Ciências da Vida (28%), Indústria & Materiais (28%) e Energia & Serviços de utilidade pública (26%).

Crescimento nas micro, médias e grandes empresas

O estudo também analisou a intenção de contratação por porte de empresas no Brasil. As grandes empresas têm a maior expectativa de contratações, com um percentual de 40% para companhias com 250 a 999 colaboradores, seguido por organizações com 1000 a 4.999 colaboradores, com 34%.

Paraná e São Paulo têm as maiores intenções de contratar

O levantamento traz, ainda, a intenção de contratação por regiões do Brasil. O destaque positivo ficou para o estado do Paraná, com o melhor índice (33%), à frente de São Paulo (31%), Rio de Janeiro (30%) e Minas Gerais (28%).

Brasil ocupa 10º posição no ranking global

Na análise global do estudo, os empregadores continuam prevendo a contratação de mais trabalhadores no primeiro trimestre de 2024, relatando uma expectativa líquida de emprego ajustada sazonalmente em +26%.

Entre os países analisados, as intenções de contratação mais fortes estão na Índia (37%) e Países Baixos (37%), seguidos por Costa Rica (35%) e Estados Unidos (35%). O Brasil está em décimo lugar com (32%). O cenário mais fraco é reportado na Argentina, com +2%.

Expectativa de emprego versus escassez de talentos

A escassez de talentos atingiu grandes níveis, com 80% no Brasil e 75% no mundo, as empresas estão adaptando suas estratégias na busca por talentos que possuem as competências necessárias.

À medida que o pool de talentos diminui, os empregadores estão reconfigurando os benefícios oferecidos para garantir os melhores profissionais. De acordo com o levantamento, 33% dos empregadores brasileiros apontam a intenção de oferecer mais flexibilidade sobre quando os colaboradores trabalham, 32% proporcionar mais flexibilidade sobre onde os colaboradores trabalham e 30% aumentando os salários.

“Apresentar uma expectativa de emprego positiva pode ser um cenário promissor, mas requer muita atenção. Mesmo para os empregadores que estão repensando benefícios e flexibilidade, ainda é preciso focar em aprendizado e treinamento para desenvolver os talentos internos, incentivar o lifelong learning; permitir que as pessoas migrem para novas áreas dentro da empresa e desenvolvam novas competências. É fundamental fechar esse gap, e as empresas precisam abraçar a sua responsabilidade, afinal, as transformações seguirão aceleradas”, comenta Nilson Pereira, Country Manager do ManpowerGroup Brasil.

Tendências da Força de Trabalho para 2024

Enquanto planejam suas prioridades estratégicas de RH, as empresas relatam que o bem-estar dos colaboradores e o recrutamento de profissionais qualificados têm maior impacto nos seus planos, com 71% e 70% respectivamente.

Além disso, as organizações identificam os três principais desafios ao considerar as funções que requerem habilidades de inteligência artificial (IA): treinar a equipe para impulsionar a IA em suas funções, encontrar profissionais com qualificações específicas e definir as funções que podem tirar proveito da IA.

Para visualizar os resultados completos da Pesquisa de Perspectiva de Emprego do ManpowerGroup do quarto trimestre, incluindo dados regionais e nacionais, visite: https://go.manpowergroup.com/meos. A próxima pesquisa será divulgada em dezembro e reportará as expectativas de contratação para o segundo trimestre de 2024.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *