3 em cada 4 profissionais brasileiros acreditam que a inteligência artificial substituirá seus empregos

3 em cada 4 profissionais brasileiros acreditam que a inteligência artificial substituirá seus empregos

Desemprego, privacidade e segurança de dados estão entre as maiores preocupações

Três em cada quatro profissionais brasileiros acreditam que a inteligência artificial substituirá seus empregos. É o que aponta levantamento da Page Interim, unidade de negócio do PageGroup especializada em recrutamento, seleção e administração de profissionais terceirizados e temporários. De acordo com a pesquisa, 76,6% dos brasileiros respondentes creem que a IA afetará parcialmente os postos de trabalho na área em que atuam. Também acreditam nessa possibilidade os respondentes do Panamá (69%), México (68%), Peru (66%), Colômbia (65%), Chile e Argentina (63%, cada).

A pesquisa também procurou saber desta amostra de profissionais latinos se há alguma preocupação em relação à implementação da inteligência artificial no trabalho. Desemprego, privacidade e segurança de dados estão entre as maiores preocupações dos respondentes, como também com a falta de julgamento humano e intuição. Esses três itens foram os que mais se destacaram em quase todos os países, exceto na Argentina, onde há maior preocupação no uso da IA com implicações éticas do que com o desemprego.

Quando questionados sobre o uso da inteligência artificial dentro de sua área de atuação, os profissionais de todos os países destacaram que a tecnologia tem potencial para ser benéfica, mas apresenta riscos significativos (61,5%). Também afirmaram que é um divisor de águas e que vai revolucionar a indústria (32,1%). Aqueles que acham que é exagerado e não terá um impacto significativo somaram 3% e os que ainda não sabem, 3,4%.

“O uso da inteligência artificial não está revolucionando apenas a forma como as pessoas lidam com a tecnologia, mas também abrindo novas oportunidades no mercado de trabalho. Novas posições devem surgir e outras já estão sentindo os reais impactos que a IA traz logo de cara. Especialistas em cybersegurança, por exemplo, poderão ser mais demandados com a evolução e implementação da IA em diferentes frentes. Os profissionais já perceberam que a IA pode e vai trazer muitos benefícios não só na produtividade e de novas oportunidades no mercado , mas também já enxergam os eventuais riscos que ela pode causar, inclusive atingindo diretamente postos de trabalho”, afirma Victoria Quintella, diretora da Page Interim.

Os dados fazem parte de um levantamento realizado de novembro a dezembro de 2023, contando com a participação de 5.354 profissionais da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Panamá). A pesquisa procurou entender como a inteligência artificial tem impactado na vida, no trabalho e busca por emprego de profissionais da região.

Inteligência artificial e a busca por emprego

Outro assunto abordado no levantamento foi sobre familiarização dos profissionais com inteligência artificial e suas aplicações no processo de busca por emprego. Metade dos respondentes (50,4%) afirmou que já ouviu falar sobre IA, mas não sabe muito sobre suas aplicações. Aqueles que se declararam familiarizados com IA somaram 24,2%. Já os que não estão por dentro do assunto representaram 25,4% dos respondentes.

Mexicanos e brasileiros aparecem como aqueles que mais utilizaram ferramentas de IA para busca de emprego (48,7% e 46,9%, respectivamente). Na sequência aparecem panamenhos (42,9%), argentinos (42,7%), colombianos (41,2%), chilenos (39,8%) e peruanos (37%).

Entre os benefícios mais destacados pelos respondentes no uso da IA para buscar um emprego, os que mais apareceram, foram: economia de tempo (70,2%), personalizar aplicativos de forma mais eficiente (67%), encontrar posições mais relevantes (63,2%), melhorar o currículo (60,1%), melhorar a entrevista (50,1%).

“Ainda há muito a ser conquistado e explorado por meio da IA no mercado de trabalho. A tecnologia, por mais que tenha trazido muitos ganhos num curto espaço de tempo, ainda não conta com o domínio de boa parte dos profissionais. Assim que essa barreira for rompida, veremos novos formatos e experiências a partir do uso da inteligência artificial”,”, completa a especialista.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 49 anos na área de jornalismo, sendo 47 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *