Carnaval: o que vale a pena e o que não compensa comprar pela internet?

Carnaval: o que vale a pena e o que não compensa comprar pela internet?

Consumidores buscam na internet artigos para aproveitar a folia

Samba, festa e alegria são algumas palavras que vêm à mente quando mencionamos o Carnaval. O feriado, que neste ano será comemorado nos dias 09 a 13 de fevereiro, é esperado com entusiasmo não só pelos brasileiros que festejam a data nas ruas, como também por aqueles que aproveitam para descansar.

Entretanto, o feriado vai além dos confetes e tradicionais bloquinhos de rua. Durante o Carnaval, o cenário econômico tende a ter um ‘’boom’’ por conta dos setores de turismo, negócios, restaurantes e comércio em geral. Em um levantamento divulgado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, o evento é responsável por movimentar mais de R$ 4 bilhões somente na capital.

Rodrigo Garcia, diretor-executivo da Petina Soluções Digitais, explica que não é só o comércio físico que se beneficia com a data, diversos e-commerces já estão traçando estratégias para alavancar as vendas, principalmente de artigos carnavalescos. ‘’O mês de fevereiro é um período de baixa para o varejo digital, e o que “salva” os comerciantes é o Carnaval, então, com certeza pode-se esperar que eles investirão nisso. Mas o consumidor precisa ponderar, porque nem sempre é mais vantajoso adquirir o produto por um canal online “, comenta.

Desta forma, para ajudar os foliões a realizarem boas escolhas, Garcia recomenda quais produtos podem valer a pena adquirir pela internet, e quais têm mais chances de sucesso no comércio físico. Confira:

  1. Fantasias e adereços

O Carnaval é a oportunidade perfeita para extravasar no uso da criatividade e ir às ruas a caráter. Pirata, policial e super-heróis são exemplos clássicos escolhidos pelos brasileiros, mas também há quem prefira produções mais simples, utilizando somente acessórios como tiaras, chapéus, máscaras e óculos.

Para Garcia, na hora de adquirir a fantasia, a melhor opção é ir até um comércio físico para se certificar de que estará escolhendo o figurino no tamanho correto – afinal o conforto é fundamental na hora de festejar – e checar de perto a qualidade do traje, evita situações frustrantes do tipo ‘’expectativa versus realidade’’. Já no caso dos adereços, vale a pena adquirir pelos marketplaces, uma vez que não existe o risco de não servir, e na Internet há uma grande variedade de acessórios que atendem a todos os estilos. ‘’Muitas vezes, a pessoa que pretende elaborar uma produção para o Carnaval não tem disponibilidade para ir à 25 de Março, por exemplo. Portanto, os e-commerces são uma mão na roda nesse momento’’, explica o diretor-executivo.

  1. Maquiagens

As sombras coloridas, pedrarias e gliteres são indispensáveis para a folia, e por serem itens sazonais, as lojas físicas não investem em uma vasta gama de opções temendo que no restante do ano fiquem parados no estoque. ‘’Esse é mais um ponto positivo para o varejo digital, que oferece ao cliente uma maior variedade, e muitos deles já estão entrando no clima de festa com promoções, cupons, brindes e até mesmo frete grátis dependendo do valor da compra, vale a pena conferir’’ destaca Garcia.

  1. Itens para diversão

Todo bom folião não deixa de acrescentar à sua check-list de Carnaval aqueles artigos que fazem a diversão do evento – principalmente para as crianças.  Confetes, serpentinas coloridas e espumas artificiais são encontrados à venda facilmente nos comércios.

Para esses produtos, Garcia defende que tanto nas lojas físicas, quanto através de um canal online, está compensando comprar, especialmente por serem vendidos em kits. ‘’O que fica de alerta é: não deixe para comprar esses produtos somente na hora do bloquinho, pois irá desembolsar um valor maior do que o esperado. É comum que os vendedores de rua cobrem valores elevados no dia do evento”, alerta ele.

Seguindo as dicas acima do diretor-executivo da Petina Soluções Digitais, os dias de folia se tornarão ainda mais proveitosos. “Aos vendedores de e-commerces e marketplaces, cabe ressaltar que uma experiência de compra satisfatória do cliente pode resultar em recompras ao decorrer do ano e agrega valor à reputação do negócio online”, finaliza.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 49 anos na área de jornalismo, sendo 47 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *