O salário mínimo aumentou, mas como controlar os gastos?

O salário mínimo aumentou, mas como controlar os gastos?

Especialista destaca práticas que podem não só preservar o orçamento mensal, mas também promover saúde financeira de longo prazo

O reajuste do salário mínimo, aprovado pelo Congresso Nacional no final do ano passado e em vigor desde 1º de janeiro de 2024, trouxe um aumento de 6,97%, superando a correção de 2023 e a inflação acumulada do ano. Apesar disso, dados do Observatório Brasileiro das Desigualdades revelam que, no Brasil, aproximadamente 7,5 milhões de pessoas ainda enfrentam o desafio de viver com uma renda mensal inferior a R$ 150.

Dentro dessa realidade brasileira, a recente elevação no valor exige uma abordagem financeira consciente para manter o equilíbrio das contas, como justifica Thaíne Clemente, executiva de Estratégias e Operações da Simplic, fintech de crédito pessoal online.

“O aumento do salário mínimo é uma notícia positiva, mas as pessoas devem estar conscientes da importância de gerir suas finanças de maneira equilibrada, mesmo com esse valor a mais no bolso. O verdadeiro desafio está em aprender a direcionar os recursos de forma eficaz, priorizando gastos essenciais, eliminando supérfluos e construindo reservas”, afirma Thaíne. “Equilibrar as contas não apenas fortalece a estabilidade financeira individual, mas também contribui para a construção de uma sociedade mais resiliente economicamente”, continua a executiva.

A seguir, Thaíne compartilha algumas orientações valiosas para promover a saúde financeira. Confira:

Elaboração de orçamento

Liste todas as fontes de renda. Em seguida, categorize as despesas em fixas (aluguel, contas de serviços públicos) e variáveis (entretenimento, refeições fora de casa). Defina limites para cada categoria, priorizando despesas essenciais. Essa medida ajuda a visualizar as entradas e saídas de maneira sistemática, facilitando entender aonde vai o dinheiro e que hábitos exigem um pouco mais de atenção.

Priorização de despesas

Identifique despesas prioritárias e essenciais, como as necessidades básicas de moradia, alimentação e serviços. Garanta o pagamento dessas contas antes de considerar gastos não essenciais. Para o restante, reflita e defina seus objetivos financeiros e considere fazer uma reserva.

Negociação de dívidas e contratos

Renegocie contratos e dívidas para obter melhores condições de pagamento, como parcelas mais acessíveis e prazos maiores. Acordos dessa natureza, desde que bem planejados e cumpridos, podem desafogar o orçamento mensal e evitar novas dívidas.

“Explore suas opções. Além das tradicionais negociações com credores, considere explorar serviços de crédito pessoal online, que permitem consolidar todas as dívidas em um único empréstimo. Dessa forma, é possível centralizar as negociações e facilitar a obtenção de acordos mais acessíveis, proporcionando uma alternativa viável para quem busca reorganizar suas finanças”, comenta a especialista.

Constituição de reserva de emergência

Após identificar as prioridades, destine uma porcentagem da renda para a sua reserva de emergência. “Mesmo que seja pouco, o que vale é a consistência. Criar o hábito de poupar todo mês pode salvar a família de imprevistos, e nesse momento ficará clara sua importância na hora de evitar novos endividamentos”, afirma Thaíne.

Uso de ferramentas de gestão financeira

Experimente aplicativos de controle financeiro para acompanhar despesas em tempo real. Eles são ferramentas interessantes para ter uma visão geral das contas e entender melhor as finanças pessoais, permitindo um planejamento mais consciente. Como alternativa, também é possível utilizar planilhas para registrar e analisar gastos mensais.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 49 anos na área de jornalismo, sendo 47 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *