Paraná registra maior volume de exportações para janeiro da história

Paraná registra maior volume de exportações para janeiro da história

                                                                                                                                                                                        Crédito da foto: Claudio Neves/AEN

Vendas de produtos produzidos no Estado com destino ao mercado externo totalizaram US$ 1,82 bilhão

Com US$ 1,82 bilhão em receitas obtidas com vendas para o mercado internacional em janeiro, o Paraná registrou em 2024 o maio volume de exportações do primeiro mês do ano na história. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. O resultado é 29,2% superior ao atingido em janeiro de 2023, que havia sido a melhor marca da série histórica para o período, com US$ 1,41 bilhão.

A melhora no desempenho do comércio exterior no Estado foi reflexo, principalmente, das exportações de soja em grão. A receita advinda das exportações da oleaginosa, sozinha, saltou de US$ 50,5 milhões para US$ 431,4 milhões em janeiro deste ano, o que representa uma variação positiva de 754%.

No mesmo comparativo, também houve um aumento de 81% nas exportações do farelo de soja, que passaram de US$ 101 milhões para US$ 183 milhões no intervalo de um ano, demonstrando a força da safra paraense.

Em termos proporcionais, a maior alta foi na exportação de açúcar refinado, com um aumento de 888%, subindo de US$ 2,9 milhões em janeiro de 2023 para US$ 29,2 milhões em janeiro de 2024.

A lista dos produtos com melhor desempenho no mercado internacional é fechada pelos óleos e combustíveis, com US$ 18,5 milhões nos primeiros 31 dias do ano passado e US$ 30,8 milhões no mesmo período deste ano, uma alta de 67% nas receitas.

Os resultados apontados pela Secex reafirmam a perspectiva de crescimento já notada pela Portos do Paraná, que é um grande termômetro das exportações paranaenses.

Em 2023, a empresa pública que administra os portos de Paranaguá e Antonina bateu um novo recorde na movimentação total de cargas, com 65,4 milhões de toneladas. Apenas nas exportações, o crescimento foi de 18% (36 milhões para 42,7 milhões de toneladas entre 2022 e 2023), impulsionado justamente pela soja e o açúcar.

O desempenho fez com que o Paraná ficasse entre os principais estados exportadores em janeiro, na 6ª colocação, mas praticamente empatado com o Mato Grosso (US$ 1,86 bilhão) e o Pará (US$ 1,83 bilhão), que ocupam a 4ª e 5ª posição, respectivamente. O ranking nacional foi liderado por São Paulo (US$ 5,24 bilhões), seguido pelo Rio de Janeiro (US$ 3,93 bilhões) e Minas Gerais (US$ 3,09 bilhões).

Na análise do presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), Jorge Callado, os resultados das exportações em janeiro, que costuma ser o mês com menor volume, indicam boas perspectivas para o comércio exterior paranaense em 2024. “As exportações são um importante vetor do crescimento econômico, uma vez que a produção é realizada internamente, o que gera mais empregos e renda para a população do Estado”, avalia.

Destinos

A China, que já representava a maior fatia do mercado consumidor dos produtos paranaenses em janeiro de 2023, com 11,3% das transações comerciais (US$ 159,5 milhões), aumentou em 191% a sua participação em janeiro de 2024, o que representa 25,6% do volume exportado pelo Paraná no último mês (US$ 464,3 milhões).

Segundo maior mercado, os Estados Unidos também ampliaram as compras da produção estadual, passando de US$ 101,8 milhões para US$ 133,9 milhões, alta de 7,4% no comparativo entre os dois meses analisados.

Os maiores crescimento percentuais, no entanto, foram da Tailândia, com uma evolução de 226,7% (de US$ 24,2 milhões em janeiro de 2023 para US$ 79,1 milhões em janeiro de 2024), e o Irã, com 6.117% de variação positiva (de US$ 1 milhão para US$ 59,3 milhões).

No total, os bens e produtos do agronegócio e das indústrias presentes nos 399 municípios paranaenses desembarcaram em 164 países apenas no primeiro mês de 2024. Além dos tradicionais mercados Europeu e Asiático e a forte presença em toda a América, o Paraná conquistou também parceiros comerciais inusitados. É o caso, por exemplo, de Mali, na África Ocidental, e do pequeno arquipélago de Palau, na Oceania.

Importações

Com menor volume, as importações também cresceram 19,9% no Paraná no comparativo entre janeiro de 2023 e de 2024, passando de US$ 1,38 para 1,65 bilhão, o que fez com que o Estado mantivesse um saldo comercial positivo de US$ 158,7 milhões neste primeiro mês do ano. Os principais produtos importados estão ligados justamente à potencialização do agronegócio: os adubos e fertilizantes, com US$ 170 milhões, o que representa 10,3% de todas as compras internacionais, e os produtos químicos orgânicos, com US$ 105 milhões (6,3%).

Confira o relatório técnico do Ipardes AQUI .

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 49 anos na área de jornalismo, sendo 47 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *