Compras pela internet exigem atenção do consumidor no momento das promoções

Compras pela internet exigem atenção do consumidor no momento das promoções

Cada vez mais está se comprando pela internet. Só no ano passado, o faturamento do e-commerce atingiu cerca de R$ 185 bilhões, o maior patamar até agora. Os dados são da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Em 2022, o valor registrado pela pesquisa foi de R$ 169 bilhões. Para 2024, a ABComm estima um faturamento acima de R$ 205 bilhões. Outro dado destacado pela associação foi o aumento no número de pessoas que compram pela internet: 85 milhões em 2023, contra pouco mais de 83 milhões no ano anterior.

O Dia do Consumidor, 15 de março, foi criado para promover a conscientização sobre os direitos dos consumidores e sobre a importância de sua proteção com práticas comerciais mais justas e transparentes. Por isso, o professor do curso de Ciências Econômicas da FAE Centro Universitário, Hugo Eduardo Meza Pinto, orienta cuidado no momento de aproveitar a diversidade de promoções durante o mês, principalmente nas ofertas via internet.

Parte do hábito de fazer compras online foi acelerado pela pandemia do coronavírus e, segundo o professor Hugo Eduardo, esse processo deve continuar impactando o comércio. “A tendência é que esses números só aumentem, tornando o comércio cada vez mais difuso. Há pesquisas que indicam, inclusive, que os shoppings, no futuro, só terão lojas para expor produtos, para demonstração, e não mais para a venda”, comenta o professor.

Vantagens

O e-commerce é vantajoso para o consumidor e para o comerciante. De um lado, o empresário reduz o custo com a loja física. De outro, o cliente tem uma alternativa mais rápida e fácil de comprar, com preços mais atrativos e logística para entrega cada vez melhor. Outra vantagem é a amplitude de negociação. “Levar um print do produto anunciado na internet e tentar conversar na loja física para que o vendedor faça o mesmo valor tem sido cada vez mais uma opção”, diz o professor.

Porém, é preciso atenção à segurança nas transações, tanto de quem vende quanto de quem compra, pois a cada dia surgem novos golpes. “Com os novos métodos de compra é preciso redobrar os cuidados com senhas de cartões, com os sites em que se navega e com a procedência da empresa”, afirma o professor.

É importante verificar se as informações sobre os produtos e os requisitos para a compra estão claras e objetivas na internet, de modo que a pessoa entenda os pormenores da oferta já no início da compra. Pela Lei do E-commerce, a loja é obrigada a fornecer dados como CNPJ, loja física, endereço eletrônico etc., além dos canais de atendimento pós-venda, como telefone e e-mail. Deve ainda estar com o CNPJ regular e apta para emitir notas fiscais das vendas.

Cuidados

Os cuidados também devem ser redobrados com relação aos juros aplicados sobre os parcelamentos e ao prazo para a entrega. “É preciso verificar se é mais vantajoso parcelar ou pagar à vista, pesquisar sobre a loja e sobre o produto antes de comprar. É melhor perder esse tempo com isso do que agir por impulso”, recomenda o professor. Segundo ele, se o valor do desconto para compra à vista não for superior a 5%, é melhor parcelar. Há, também, os juros compostos, mais difíceis para o consumidor enxergar ou calcular. “O que a pessoa pode fazer é pedir sempre desconto para pagamento à vista”, diz.

E se tudo der errado e a experiência de compra on-line não for satisfatória, o direito do consumidor diz que é possível devolver o produto em até sete dias e pedir reembolso. Além disso, para qualquer compra, os consumidores têm direito à troca de produtos com defeitos (30 dias para bens não duráveis e 90 dias para bens duráveis).

Para Hugo, o receio do consumidor sempre vai existir, mas seguindo as orientações o risco de insatisfações diminui. “Importante é ter um objetivo de compra: planejar, juntar dinheiro, fazer pesquisa sobre o produto desejado, verificar o preço na internet e, por fim, na loja física e, então, só depois disso concretizar a compra”, recomenda.

 

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *