Vendas de imóveis residenciais crescem 4% em Curitiba

Vendas de imóveis residenciais crescem 4% em Curitiba

Em 2023, as vendas de imóveis residenciais em Curitiba cresceram 4% em relação a 2022, totalizando 7.643 unidades comercializadas (quase 640 por mês). O Valor Geral de Vendas (VGV) das unidades vendidas também acompanhou o crescimento, alta de 23,8%, chegando a R$ 5,4 bilhões. Isso evidencia o aquecimento dos segmentos de luxo e superluxo, que registraram recorde de comercialização.

Os dados são da mais recente pesquisa imobiliária realizada pela Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR), em parceria com a Brain Inteligência Estratégica. A pesquisa enquadra imóveis residenciais de luxo como aqueles com valor variando de R$ 1,5 milhão a R$ 3 milhões. De superluxo, acima de R$ 3 milhões.

Segundo o diretor de Pesquisa de Mercado da Ademi-PR e sócio dirigente da Brain, Fábio Tadeu Araújo, o desempenho do mercado imobiliário na capital do Paraná em 2023 é considerado como “muito positivo”. O crescimento de 4% nas vendas se contrapõe, por exemplo, à queda de 1% do mercado nacional. “É um mercado de muita força e dinamismo”, afirma Araújo.

Além disso, o crescimento em ofertas lançadas dos padrões luxo e superluxo ficou bem acima da média do mercado como um todo, que engloba outros quatro segmentos (especial, econômico, standard e médio). Essa média de crescimento foi de 10,6%. Ou seja, o luxo, com 19,5%, e o superluxo (24,1%) subiram em ofertas lançadas respectivamente quase o dobro e duas vezes e meia mais que o mercado imobiliário em Curitiba de forma geral.

“O ano de 2023 foi o melhor ano para o mercado de luxo e superluxo em Curitiba. Houve um recorde nas vendas desses dois segmentos, que foram os dois também com maior crescimento em oferta lançada”, assinala Araújo. Para 2024, a projeção é de que esse desempenho se repita. “Este ano tende a ser, de novo, de recorde de lançamento e de vendas no mercado de luxo e superluxo”.

Recuperação do segmento comercial

O mercado de imóveis comerciais, fortemente impactado pela pandemia, também mostra sinais de recuperação em Curitiba.

Segundo a pesquisa da Ademi-PR/Brain, o número de salas comerciais vendidas no ano passado foi 18,1% maior do que o mesmo período de 2022, embora em quantidade bem mais modesta se comparado ao setor residencial (235 unidades). O VGV das salas comerciais vendidas também cresceu no período: alta de 66,8 %, alcançando a marca de R$ 127,1 milhões.

O estudo revela ainda que houve valorização, tanto para os imóveis residenciais (9,5%), quanto para os comerciais (4,4%). No caso do residencial, quase o dobro da inflação apurada no período, tendo em vista que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) ficou em 4,62% em 2023.

Dessa forma, o preço médio do metro quadrado privativo dos apartamentos novos chegou a R$ 12.140,00 e o das salas comerciais a R$ 12.222,00, em Curitiba.

Projeções para 2024

O diretor de Pesquisa de Mercado da Ademi-PR entende que é possível manter o otimismo para 2024. A conjuntura econômica está favorável para o mercado imobiliário, aponta, citando a inflação em queda, a geração de empregos, a renda em alta e a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para em torno de 2%. Ainda, a tendência de cortes na taxa básica de juros (Selic). A estimativa é a de que a selic termine 2024 entre 9 e 10%.

A variação da taxa de juros impacta diretamente no valor do financiamento imobiliário, tanto em relação ao acesso ao crédito pelo comprador, quanto para a concessão de recursos para as construtoras e incorporadoras viabilizarem os seus lançamentos imobiliários. “É possível esperar um ano melhor, diante da situação macroeconômica favorável”, prevê Araújo.

Crédito da foto: Daniel Castellano

 

 

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *