Com 8h55, Paraná bate recorde no tempo de abertura de empresas

Com 8h55, Paraná bate recorde no tempo de abertura de empresas

Estado é o terceiro mais rápido do País

O Paraná voltou a bater recorde no tempo de abertura de empresa no mês de março. Pela primeira vez, o tempo médio de abertura registrado pela Junta Comercial do Paraná (Jucepar) ficou abaixo de 9 horas, com 8 horas e 55 minutos. A redução foi de 6,5% em relação ao mês de fevereiro, quando o tempo médio de abertura foi de 9 horas e 32 minutos.

O resultado é o terceiro melhor do Brasil. Sergipe registrou o melhor tempo médio de abertura em março, com 4 horas e 40 minutos. Já Tocantins ficou na segunda colocação, apenas nove minutos à frente do Paraná, com tempo médio de abertura de 8 horas e 46 minutos.

A Jucepar, no entanto, processa muito mais aberturas do que o primeiro e segundo colocados da Redesim – rede de sistemas que registra e legaliza empresas e negócios em todo o Brasil. Sergipe alcançou a primeira colocação no tempo de abertura com apenas 485 processos avaliados – número que é 13,4 vezes menor do que os 6,5 mil processos avaliados pela Jucepar em março. Já Tocantins processou 563 aberturas de empresas mês passado, volume 11,5 vezes menor do que no Paraná.

Para o presidente da Jucepar, Marcos Rigoni, o novo recorde é resultado principalmente das mudanças de gestão implementadas nos últimos anos. Segundo o dirigente, a efetividade da equipe de vogais, analistas e relatores da Jucepar tem feito diferença na agilidade para o empresário começar a faturar com a emissão de nota fiscal e contratação de colaboradores. “Temos um controle diário de produtividade da nossa equipe. A Jucepar tem feito um trabalho à altura para atender a demanda dos empresários paranaenses”, aponta.

Em cinco anos, o Paraná deu um salto no tempo de abertura de empresas. De segundo estado mais lento em janeiro de 2019, o Paraná saltou para o terceiro mais ágil em março de 2024. O avanço é resultado do esforço conjunto dos órgãos do Governo do Paraná e das prefeituras para reduzir o impacto da burocracia e acelerar processos digitais.

O Estado reduziu quase 201 horas o tempo de abertura de empresa. No início de 2019, o tempo médio do processo era de 8 dias e 18 horas, resultado quase 23,3 vezes maior do que as atuais 8 horas e 55 minutos.

Processo contínuo

O presidente da Jucepar afirma que a tendência é de o Paraná continuar reduzindo o tempo de abertura de empresa. A meta, aponta Rigoni, é chegar ao tempo médio de 6 horas. Para isso, a Jucepar, junto com a Casa Civil, vem tocando duas frentes para agilizar a abertura com os municípios do Paraná.

Uma delas é a inclusão do maior número de municípios no Decreto de Baixo Risco, que desde o início do ano dispensa 771 atividades econômicas da emissão de licenças na abertura de empresas. Mas, para isso, é preciso que os municípios façam a adesão ao decreto estadual, que regulamenta a Lei Estadual de Liberdade Econômica (Lei 20.436). Sem a obrigatoriedade das licenças, não há necessidade de tramitar pedidos em diferentes órgãos, já que todo o processo é concentrado em uma única plataforma, o portal Empresa Fácil, refletindo mais agilidade.

Outro trabalho que a Junta Comercial e a Casa Civil vêm fazendo para agilizar ainda mais a abertura de empresas no Paraná é digitalização dos processos nas prefeituras. Com a automatização, o processo de avaliação locacional das futuras empresas será feito diretamente por geoprocesssamento, dispensando a necessidade de que um servidor municipal faça o processo.

“Vale lembrar que os municípios menores não têm servidores exclusivos para essa tarefa, o que atrasa o processo. Com a automatização, esse processo vira de fato automático, sem a necessidade de que um servidor tenha que fazer o trabalho manual”, explica Rigoni.

Confira os dados completos do relatório AQUI ou na Redesim.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *