Energia solar é alternativa ao reajuste de bandeiras tarifárias

Energia solar é alternativa ao reajuste de bandeiras tarifárias

Com a conta de energia elétrica mais cara, momento é propício para consumidores residenciais e empresas investirem em sistemas fotovoltaicos

Com previsão de chuvas abaixo da média até o final do ano e expectativa de crescimento da carga e do consumo de energia no mesmo período, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) acionou a bandeira amarela. Válida para este mês, as tarifas serão acrescidas em R$ 18,85 a cada megawatt-hora (MWh) utilizado. Uma das alternativas à oscilação tarifária, e o peso que o reajuste representa no bolso do consumidor, é a geração própria de energia solar, que acaba de atingir a marca de 29 gigawatts (GW) de potência instalada operacional em residências, comércios, indústria, propriedades rurais e prédios públicos, de acordo com levantamento da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

O sistema de bandeiras tarifárias da Aneel, que vai de verde (sem custo extra) a vermelha 2 (R$ 78,77 por MWh utilizado), foi instituído em 2015 para indicar aos consumidores os custos de produção de energia no Brasil, considerando fatores como recursos hídricos, avanço das fontes renováveis e acionamento de fontes mais caras de geração, como as termelétricas.

Em julho, com a bandeira tarifária amarela, uma conta de luz de R$ 100 vai passar a R$ 102,6. “Considerando o peso da fatura de energia para pequenos, médios e grandes negócios, este é o momento ideal para investir em energia solar”, afirma o engenheiro Jayme Passos, especialista em sistemas fotovoltaicos que responde pela Ecobrisa Energia. “No consumo residencial não é diferente e com o sistema solar fotovoltaico a economia chega a 90%”, ressalta.

Segundo mapeamento da Absolar, o País possui até o momento mais de 2,6 milhões de sistemas fotovoltaicos instalados em telhados, fachadas e pequenos terrenos e soma mais de 3,7 milhões de unidades consumidoras atendidas pela tecnologia. Ao calcular os benefícios da geração distribuída, estudo encomendado pela associação indica que a economia líquida na conta de luz de todos os brasileiros pode chegar a aproximadamente R$ 85 bilhões até 2031.

Na avaliação de Passos, a diminuição de custos para instalação de painéis solares fotovoltaicos no País, aliada aos benefícios trazidos por esta fonte geradora de energia, tem feito com que o sistema se popularize, atingindo todas as classes de consumo. “E também estamos diante de um consumidor ainda mais atento à utilização de fontes de energia limpas e sustentáveis.”

Para o especialista em sistemas fotovoltaicos, tão importante quanto a economia na conta de luz é o payback. “Esta é uma referência ao tempo para se ter o retorno do investimento, que é muito rápido, além da rentabilidade que é excelente e por um prazo muito longo”, ressalta.

De 2012 a 2023, o setor de energia solar gerou mais de 1 milhão de empregos, somou R$ 164 bilhões em investimentos, evitou que 42,33 milhões de toneladas de CO2 fossem lançadas na atmosfera e hoje também contribui com uma fatia expressiva da energia elétrica gerada no País.

A utilização cada vez mais efetiva da geração de energia a partir de sistemas fotovoltaicos, ressalta Jayme Passos, amplia o protagonismo do Brasil na transição energética global. “Além deste fato, a tecnologia fotovoltaica alivia o orçamento de famílias e empresas, e agrega, por sua natureza, a tão necessária sustentabilidade social e ambiental”, finaliza o engenheiro.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *