You are here
Home > Sem categoria > Especialista diz que pode faltar de água na Copa 2014 e Olimpíada

Especialista diz que pode faltar de água na Copa 2014 e Olimpíada

Embora o Brasil seja o primeiro país em disponibilidade de água doce do mundo, a poluição e o uso inadequado comprometem o recurso em várias regiões do país. Com a proximidade dos três maiores eventos esportivos do mundo (Jogos Militares 2011, Copa do Mundo 2014 e Olimpíada 2016) e a visibilidade que o Brasil terá na mídia internacional, é hora da questão ambiental entrar na ordem do dia. Para o especialista em uso racional da água, Paulo Costa, diretor da empresa H2C, o Brasil precisa alcançar um padrão sustentável de consumo da água. Atualmente, o índice per capita é de 200 litros de água/dia em determinadas regiões, ou duas vezes mais do que o observado em Portugal, Bélgica, Alemanha e República Tcheca, que se destacam entre os mais responsáveis em relação ao uso do recurso.

Como justificar que o país que detém 13% doce do mundo não possui políticas ambientais consistentes para o tema e pode vivenciar racionamento de água durante os maiores eventos esportivos do planeta ?, questiona Costa. Para ele,  não se pode esquecer que a Copa e a Olimpíada ocorrem em meses de estiagem (junho e julho), o que gera preocupação a mais sobre possíveis problemas de abastecimento nos peíodos dos eventos.

Para chamar a atenção para essas e outras questões relacionadas á  água, a H2C promove no Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, uma barqueata na Represa Billings, maior reservatório da Região Metropolitana de São Paulo. A ação acontece uma semana antes do início da Copa do Mundo da áfrica do Sul, justamente para lembrar que o Brasil deve se preparar também na área ambiental para receber esses três grandes eventos esportivos. A baqueata terá como condutores os jovens velejadores da ONG Vento em Popa. A instituição desenvolve, desde 2005, trabalhos com moradores da península do Cocaia, na Billings, situada na região do Grajaú, uma das mais pobres da zona sul paulistana.

Construídos pelos próprios velejadores, os barcos tratarão nas velas mensagens com os dez mandamentos para uma Copa Verde no Brasil. Por exemplo: Vire o jogo, utilize a água da chuva; A regra é clara: feche a torneira na hora de escovar os dentes; Não prorrogue o tempo do seu banho.

Além dos jovens velejadores, participam da regata ecológica estudantes de escolas públicas, com idades de 7 a 11 anos. Para essas crianças, está programado um tour pela Billings em uma escuna: ao longo do passeio, monitores especializados mostrarão alguns dos problemas (desmatamento, ocupação irregular, lançamento clandestino de esgotos, assoreamento, lixo) que causam a deterioração da represa a formas de resolvê-los.

 

Deixe uma resposta

Top