You are here
Home > Sem categoria > Comércio com a Alemanha bate recorde

Comércio com a Alemanha bate recorde

O comércio entre o Brasil e a Alemanha registrou recorde em 2010. Após um peíodo de pequena retração nas relações comerciais em 2009, devido á  crise financeira global, o intercá¢mbio entre os dois países mostra rápida recuperação e apresenta forte movimentação positiva, com crescimento de 29% no consolidado de 2010. O crescimento das exportações brasileiras foi acelerado principalmente pela expansão nas saídas de minério de ferro, café, automóveis, soja, minério de cobre e aviões. Do lado dos europeus, destaque para medicamentos humanos e veterinários, automóveis, tratores e compostos químicos.

As exportações brasileiras para a Alemanha chegaram, até o final de 2010, a US$ 8,1 bilhões, o que representa um crescimento de 31,8%, na comparação com 2009, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento (Mdic). As importações brasileiras aumentaram 27,2% e passaram de US$ 9,9 bilhões, para US$ 12,6 bilhões. A corrente de comércio teve recuperação de 29,0%, totalizando US$ 20,7 bilhões, enquanto que, em 2009, foi de US$ 16,0 bilhões.

A Alemanha ocupa a quinta posição entre os principais mercados de destino de produtos brasileiros, abaixo apenas de China, Estados Unidos, Argentina e Países Baixos, e permaneceu estável na comparação com 2009. Entre os países fornecedores de produtos ao Brasil, a Alemanha ocupa a quarta posição, ficando atrás apenas de Estados Unidos, China e Argentina. በo primeiro país da Europa nas relações comerciais com o Brasil.

Para o presidente da Cá¢mara Brasil-Alemanha de São Paulo, Weber Porto,  a Cá¢mara Brasil-Alemanha tem papel preponderante no aprimoramento das relações entre os dois países, que se fortalecem na medida em que a economia brasileira ganha importá¢ncia no cenário econômico-político global. Os setores mais tradicionais nas relações comerciais brasileiras e alemás são engenharia mecá¢nica, indústria automotiva, eletrônicos, e produtos químicos e farmacêuticos. Em 2010 ganharam destaque também as áreas de eficiência energética, tecnologias verdes, geração de energia, infraestrutura, segurança, equipamentos médicos, e produção e exploração de petróleo e gás.

Deixe uma resposta

Top