Supermercados preveem vendas fracas no primeiro trimestre

Abras projeta expectativa de queda de 1,8% nas vendas em 2016.
Abras projeta expectativa de queda de 1,8% nas vendas em 2016.

O começo de 2016 ainda será um período de ajustes para as empresas do varejo de supermercados, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). A entidade acredita que os primeiros meses do ano devam seguir na tendência fraca de vendas dos últimos meses de 2015 e as companhias poderão ter que dar continuidade aos movimentos de cortes de custos como os do ano passado, culminando em demissões.

O vice-presidente da Abras, Marcio Milan, avalia que os três primeiros meses desse ano ainda poderão registrar um “rearranjo mais forte” nas vagas de emprego do setor, em especial os formatos de loja que estão perdendo mais vendas, como os hipermercados. Uma parte disso pode ser ofuscada, diz, porque ainda há expectativa de crescimento e abertura de novas lojas no chamado “atacarejo” e nas lojas de vizinhança. O ano já começou com as notícias de fechamentos de loja no Walmart. No Brasil, a companhia confirmou que ocorreu o fechamento de 60 pontos de venda.

Depois de apurar um recuo real de 1,9% nas vendas do setor supermercadista em 2015 ante 2014, a Abras projetou uma expectativa de queda de 1,8% em 2016. Se confirmada a expectativa da entidade, será a primeira vez desde o início da série histórica, em 2001, que as vendas terão queda real por dois anos seguidos. A queda de 2015 foi a mais alta desde 2003, quando o setor recuou 4,29%.

A perspectiva para geração de emprego e abertura de novas lojas é negativa, porque a confiança dos empresários do setor segue em baixa. O Índice de Confiança do Supermercadista, medido pela Abras, ficou em 46,2% em dezembro, mantendo-se desde o início do ano em patamar inferior a 50%, o que indica pessimismo.

O varejo de supermercados ainda tende a sofrer com as perspectivas ruins para o comportamento da renda real dos consumidores, segundo avalia a Abras.

O economista da entidade, Flávio Tayra, considera que a possibilidade de uma continuidade da deterioração da taxa de desemprego deve pesar sobre o setor. “Com a queda da massa salarial e o desemprego, consideramos muito difícil que o setor possa ter números positivos este ano”, comentou.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *